12/04/2020
Quem procura encontra?.

Como a maioria ele foi batizado na religião católica. A infância e a juventude transcorreram normalmente até a maturidade quando constituiu família. De espírito inquieto, para alterar a rotina e monotonia do viver comum, enredou por outras sendas em busca de novos conhecimentos para a sua satisfação interior. Praticou a “Gira”, mas como a mediunidade não lhe adveio, contentou-se apenas em ser cambone nos terreiros de Umbanda.

Frequentou várias facções da religião protestante. Nas ricas religiões japonesas, através do johrei, ministrou tratamentos curativos, irradiados pelas palmas de suas mãos, enquanto ao mesmo tempo muito bocejava. A doutrina Yoga lhe forçou diariamente a posturas desconfortantes e anos de meditações, com intuito de controlar os pensamentos. Obedeceu aos rigores de se suprir de produtos naturais adaptando-se à alimentação vegetariana e macrobiótica. Ingressou numa fraternidade mística, onde enriqueceu o intelecto com novos conceitos adquiridos ao galgar todos os seus graus de estudo.

Dedicou-se a leitura esotérica e filosófica, assistiu a inúmeras palestras e participou de vários cursos de parapsicologia e desenvolvimento mental. Convidado, foi iniciado na mais famosa sociedade filantrópica, onde também, pela sede de saber, pacientemente cumpriu todos seus graus, mas as verdades e conhecimentos adquiridos estavam aquém daqueles que almejava para a sua satisfação interior.

Com tanta vivencia, sua presença nas conversas era apreciada Embora monopolizasse o ambiente com seus conhecimentos, e sobre eles às vezes balbuciava: “É tudo farinha do mesmo saco”. Por ter desprendido anos na sua busca e ter-se descuidado da vida material e obrigações familiares, sua esposa e filhos o abandonaram, Racional nas reflexões, duvidando da validade dos seus sacrifícios de até então, detinha ainda sua última esperança.

Lera numa revista especializada em ocultismo e assuntos correlatos a reportagem com a fotografia de um guru que alcançara o conhecimento e era também conselheiro de líderes políticos. Por querer ser discípulo do tal guru ele abandonou o pouco que ainda tinha e partiu em busca do conhecimento que até então não conseguira. Defrontou-se com muitas dificuldades, até que, afinal localizou, longe da civilização, em lugar de difícil acesso, o guru com sua longa barba e olhar distante, aparentando a mesma serenidade de sua foto na revista. Muito emocionado, humildemente beijou os pés daquele guru e lhe falou:

-- Amado mestre! Depois de tanto sofrer, vim de muito longe para aprender contigo. Ensina-me como obter a verdadeira sabedoria. --Ah, pois não! Discípulo, o aprendizado é simples! Sua alimentação doravante deverá ser frugal e desprovida de carne. Abstinência sexual, oração, meditação, concentração, controle do pensamento e paciência para assimilar os conhecimentos que cada grau de consciência lhe dará depois de transpô-los. Descontrolado pela decepção, o buscador da sabedoria, de pé e ameaçador, exteriorizou seu descontentamento: - NÃO! NÃO! NÃO PODE SER! Seu fdp tudo isso já sei!
Surpreso, assustado e indeciso, com o olhar arregalado e já desestruturado, timidamente o guru perguntou-lhe:
- Ué?... Maisss... ... ... Num é isso não?

Altino Olimpio

 



Leia outras matérias desta seção
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...
 » As lendas sobre o homem do passado
 » Puxão de orelha
 » O homem, suas ilusões e fantasias
 » Costumes sagrados interrompidos
 » O túnel do tempo
 » Mas que vida engraçada
 » Cada dia uma para encher o saco
 » Durante a pandemia a ociosidade faz pensar
 » Somos prisioneiros do tempo
 » Achismos incoerentes
 » Governador de São Paulo e a China
 » A mulher muito bonita
 » O desabafo da amiga
 » Quem procura encontra?.
 » Sabedoria popular

Voltar