06/05/2020
Achismos incoerentes

Este texto deveria ser lido pelos ingênuos que acreditam em seus "achismos" provocados pela mídia que é indigna de consideração. As distorções de valores, as mentiras disfarçadas de verdades fizeram com que muitos destituídos de discernimento se revoltassem e desejassem a queda de um governo. Já ouvi essa frase: Eu odeio esse cara! Pergunto, será que o “cara” gozou antes dessas pessoas que o odeiam impedindo-as de gozarem também (risos)? Por isso tanto ódio? Por que não houve ódio contra quem comprovadamente foi corrupto e em muito prejudicou o país? Ao contrário, parece mesmo que muitos admiram e até se entusiasmam com infratores. Isso é psicopatia congênita.

Essa força internacional poderosa e maldosa que tem um nome temido pelos brasileiros do bem, ela se infiltrou por demais neste país graças aos traidores de nossa pátria. E essa força do mal, hoje em dia causa separação até entre pais, filhos, irmãos e parentes. Hoje em dia uma pessoa honesta e coerente já não tem com quem conversar. Parentes, amigos e conhecidos, não todos, mas muitos foram contaminados pelos vírus da incompetência intelectual, uma verdadeira pandemia. Conseguiram mesmo dividirem o povo. E o povo se volta e se revolta contra quem tentaria alertá-lo. Essa situação atual é de decepção. A dor se abate também em quem se conscientiza da quantidade enorme de inconscientes que habitam neste país.

 

Altino Olimpio

 



Leia outras matérias desta seção
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...

Voltar