13/05/2020
Somos prisioneiros do tempo

O tempo é como um rio que passa, mas, sem ter suas margens por onde possamos ficar para vê-lo passar. Mas, nunca o vemos porque ele é oculto e mesmo traiçoeiro, pois, só o percebemos através das transformações ou mudanças que ele nos provoca e ocorre na nossa aparência. A humanidade o dividiu em passado, presente e futuro. Passado e presente sempre deixam de existir e o futuro sempre estará além de qualquer presente de qualquer época em que vivam os seres humanos. Assim que nascemos já embarcamos no tempo. Dependendo de cada um, a viagem pode ser prazerosa ou sofrida, mas, de qualquer forma o tempo é quem conduz todos até a morte quando é o fim dele para quem morre.

Quando éramos crianças queríamos que o tempo passasse depressa para que nós logo ficássemos adultos. Quando já há muito tempo sendo adultos queremos que o tempo passe bem devagar para atrasar a velhice. E quando ela vem nos parece que ela chegou muito depressa sem nós percebermos. E ela além de nos desfigurar inevitavelmente nos leva a ter problemas de saúde, sendo enfraquecidos, muito esquecidos, sofrendo de surdez e também tendo visão fraca. Aquele andar muito lento de alguém, como diziam, significava que ele “já estava no bico do corvo” (risos).

A eternidade não nos existe porque nós morremos antes dela chegar e também, parece que ela nunca chega mesmo para quem venha a nascer daqui a mil anos, pois ela sempre estará adiante de qualquer tempo de qualquer época futura. Entretanto, a eternidade não é tão inacessível assim. Em livros e filmes de romance vimos que casais muito apaixonadas juraram se amar até a eternidade. Assim a realidade perde a sua autoridade.

Entende-se que a eternidade seja o tempo infinito. Nós que temos o início, o meio e o fim de nossas vidas somos finitos no ininterrupto decorrer do tempo. Lembrei-me agora da letra do começo de uma música muito antiga que é pertinente aos casais que se amam:

“Sei, quando o tempo passar

Ninguém mais vai lembrar

Que nós dois existimos...”

Altino Olimpio

 



Leia outras matérias desta seção
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...
 » As lendas sobre o homem do passado
 » Puxão de orelha
 » O homem, suas ilusões e fantasias
 » Costumes sagrados interrompidos
 » O túnel do tempo
 » Mas que vida engraçada
 » Cada dia uma para encher o saco
 » Durante a pandemia a ociosidade faz pensar
 » Somos prisioneiros do tempo
 » Achismos incoerentes
 » Governador de São Paulo e a China
 » A mulher muito bonita
 » O desabafo da amiga
 » Quem procura encontra?.
 » Sabedoria popular

Voltar