» Colunas » Saúde

29/03/2011
Ibuprofeno e o mal de Parkinson

Além de Carsten Wrosch, o estudo foi conduzido pela Dra. Isabelle Bauer e publicado no Boletim de Psicologia da Personalidade e Social. Cento e quatro adultos participaram da pesquisa.


Uma nova pesquisa sugere que o anti-inflamatório ibuprofeno pode oferecer proteção contra o desenvolvimento do mal de Parkinson. A pesquisa sobre o medicamento, vendido comumente em farmácias, foi publicada na revista Neurology, da American Academy of Neurology. O mal de Parkinson é uma doença neurodegenerativa caracterizada por tremores e pela dificuldade de movimento.

Segundo os pesquisadores, os resultados do estudo mostram que o ibuprofeno pode proteger o cérebro de maneiras que outros anti-inflamatórios não-esteroidais e analgésicos, como a aspirina ou o paracetamol, não conseguem.

Para o estudo, os cientistas analisaram dados de 98.892 enfermeiras e 37.305 profissionais da saúde. Os participantes relataram o uso de ibuprofeno e outros anti-inflamatórios não-esteroidais. Tomando os medicamentos duas ou mais vezes por semana o uso era considerado regular. Após seis anos, 291 foram diagnosticados com Parkinson.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que tomavam os anti-inflamatórios tinham um risco 38% menor de desenvolver a doença quando comparadas àquelas que não tomavam

estadão.com.br

Leia outras matérias desta seção
 » Canabidiol (maconha) ajuda na dor crônica
 » Idosos alguns cuidados para se manter vivo
 » Alisar cabelo - os perigos
 » O idoso e a demência
 » Coronavac 3ª dose porque tomar
 » Covid19 - Atualização
 » Coronavac x doenças autoimunes
 » Imunização contra covid está comprometida
 » O vírus de Marburg - mais um perigoso
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante
 » Coronavírus: não existe mais grupos de risco


Voltar