» Colunas » Saúde

20/05/05
Coreanos personalizam célula-tronco

Pela primeira vez cientistas conseguiram obter células-tronco embrionárias "sob medida", compatíveis com os pacientes que no futuro podem dar origem - sem o risco de rejeição - a terapias para doenças até agora intratáveis. Os pesquisadores afirmaram que essas linhas celulares permitirão o estudo em laboratório de tratamentos para doenças como Parkinson, Alzheimer e diabete. No ano passado, esses mesmos cientistas, da Universidade Nacional de Seul, na Coréia do Sul, haviam sido os primeiros a clonar um embrião humano a partir do material de uma mulher saudável. Desta vez eles retiraram células-tronco de clones de pessoas com diabete, lesão na coluna vertebral ou um tipo raro de deficiência imunológica. As células-tronco têm a capacidade de formar qualquer tipo de tecido do corpo humano - como músculos, neurônios e cartilagem-, especialmente as de origem embrionária. O problema delas, além da questão ética (já que a sua utilização exige a destruição do embrião), era a falta de compatibilidade com o paciente o que poderia levar à formação de tumores, de transplantadas. O que a equipe coreana fez foi usar a clonagem, pela técnica de transferência de núcleo, para garantir que as células-tronco embrionárias carregassem o mesmo código genético do paciente. O resultado desse novo experimento foi publicado ontem na edição online da revista americana Science, uma das publicações mais respeitadas do mundo. O processo é conhecido como clonagem terapêutica. Um embrião clonado na fase inicial é destruído em laboratório para originar as células-tronco. O embrião era um clone porque se desenvolveu a partir de um óvulo para onde foi transferido o material genético de uma pessoa que já existe. No caso do estudo coreano, os cientistas retiraram o núcleo de 185 óvulos e injetaram neles o material genético de 11 pacientes, adultos e crianças, que sofriam de males até hoje sem cura: danos na coluna vertebral, diabete tipo 1 hereditária e a hipogamaglobolinemia, uma doença do sistema imunológico. Os óvulos, de forma induzida, se desenvolveram e deram origem aos blastocistos (embriões de cinco ou seis dias de vida), a partir dos quais os pesquisadores conseguiram as células-tronco. "Esse estudo demonstra que se pode fazer que as células-tronco sejam especificas para cada paciente, não importa seu sexo e idade, e essas copias genéticas iguais às do doador", disse Gerald Schatten, professor da Universidade de Piittsburgh, nos Estados Unidos, e colaborador do estudo coreano. "Se elas puderem ser usadas sem problemas em transplantes, a promessa de um tratamento eficaz - e talvez até de uma cura - de lesões e doenças devastadoras esta perto".Além da possibilidade de desenvolver tecidos humanos imunocompatíveis, os cientistas poderão observar, pelas células-tronco de indivíduos doentes, o começo de doenças como mal de Alzhaimer, o que poderia inspirar novas fórmulas de tratamentos. Esse, no entanto, é o primeiro passo num longo caminho até que o procedimento se transforme em uma terapia. "A clonagem terapêutica tem um potencial tremendo, mas temos de abrir muitas portas antes de realizar experiências com humanos", disse Hwang Woo-Suk, o pesquisador-chefe do estudo. A próxima etapa, segundo os autores, é a avaliação em laboratório das linhagens de células-tronco embrionárias especificas de um paciente para determinar sua tolerância imunológica, a eficácia terapêutica e a segurança. Os cientistas disseram que as experiências iniciais em laboratório mostraram uma compatibilidade imunológica entre as células-tronco embrionárias e as células de pessoas que proporcionaram o DNA de cada linha, o que sugere que o corpo do paciente pode tolerar essas células transplantadas. Mas vários problemas de procedimento médico ainda precisam ser resolvidos antes que as células-tronco especificas para um paciente possam ser usadas.

O Estado de São Paulo

Leia outras matérias desta seção
 » A pandemia e a depressão em crianças
 » Coronavírus x tipo sanguineo
 » Pomada para feridas diabéticas
 » Coronavírus:Omega 3 x Covid19
 » Reumatismo e seus vários tipos
 » Colesterol alto x coronavírus
 » Coronavírus:Imunidade cruzada
 » Coronavírus: Porque os Diabéticos correm mais risco
 » Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias
 » Espinheira santa
 » Coronavírus: Pneumonia silenciosa
 » Coronavírus: Ar condicionado pode espalhar
 » Fakes sobre o coronavírus
 » Coronavírus: Doenças crônicas
 » Alcool gel exige cuidados
 » Coronavírus e o Oxímetro
 » Coronavírus: Uso do anticoagulante heparina
 » A batata Yacon e o diabetes
 » Coronavírus não é pior que as outras pandemias
 » Coronavírus: Remdesivir - antiviral


Voltar