05/02/2018
Quanto mais se vive menos se aprende

O “tapar o sol com peneira” significa tentar distorcer ou esconder alguma coisa como acontece entre os políticos e até entre os seus eleitores. Significa também substituir verdades comprometedoras por mentiras convenientes. Neste país tropical e meio democrático-socialista conforme assim o definem alguns, os desonestos sendo mais ousados, eles “escancaram ao sol” as verdades de como suas mentiras progridem para disfarçarem suas corrupções. Quanto a isso, alguns se pudessem até roubariam o universo de Deus (risos). São uns pobres coitados em suas sanhas de conseguir fama, riqueza e poder. Esses “valores” os dispersam do conviver em comum com o comum dos homens sérios. Sempre num viver mais oculto como se tivessem algo a esconder, eles são aqueles felizes que são infelizes (risos). A natureza fez com que o homem não veja os seus próprios olhos para que ele não veja através deles o seu vazio interior.

O homem, esse animal “dejaulado” nada aprende com suas experiências e nem com as experiências dos outros. Ao invés de progresso parece que vive de retrocesso. No “amar a Deus sobre todas as coisas”, para muitos, todas as suas coisas é que vem a ser Deus. Quem diria hein? O “não roubar”, se tornou o defeito principal dos honestos (risos). No “não matar” quase não mais se fala porque o matar parece que é presença obrigatória no cotidiano de quase todo o mundo. Nesta época de complexidade de poder travar diálogos úteis e coerentes com os nossos “semelhantes”, o melhor mesmo é nada falar e nada ouvir dos outros para não se decepcionar com os seus valores distorcidos e com a banalidade de suas conversas. Quem fez o mundo ficar assim? Até parece que “ser consciente” agora é uma doença grave (risos). A vida parece ser uma ficção em que todos são atores e se teatralizam como se fossem uma realidade sem fim, mas, somente até os seus fins.

 

Altino Olympio



Leia outras matérias desta seção
 » Passeio do viver interior
 » Entrada provisória e saída temporária
 » A redundância só irrita
 » Cinemas antigos:Aquele mundo romântico acabou
 » Como era verde o meu vale
 » O viver é a viagem para o morrer
 » Percepção extrassensorial ou sexto sentido
 » Os acasos são os casos inesperados
 » A proteção desprotegida
 » Cinema paradiso de Caieiras
 » Os pagadores de promessas
 » Constatações
 » Vende-se uma cama de prego usada
 » Quem é o que é sempre será o que é
 » As amigas intolerantes
 » A medicina comestível
 » A vida e o mundo são apenas sonhos de aventuras
 » Coisas de País de primeiro mundo
 » A vida é engraçada quando não é trágica
 » Pra que falar se ninguém quer escutar

Voltar