09/04/2018
Uma mulher singular

Quando ouvi falar dela pela primeira vez, já fiquei curiosa.

A cliente que estava contando um episódio que tinha vivido, falou-me dessa mulher com uma admiração e tanto respeito, que nasceu em mim naquele momento o desejo de conhecê-la.

E assim, algum tempo depois, eis que como num passe de mágica, ela fica sabendo do meu trabalho e me liga para marcar um horário.

Confesso que fiquei muito ansiosa naquele dia, afinal ia conhecer uma pessoa muito querida em nossa cidade e uma profissional muito competente segundo o que me diziam na época.

Jamais me esquecerei da forma tranquila e despojada que ele chegou, trajando uma roupa totalmente adequada para o que íamos fazer... tenho grande admiração por pessoas que sabem se vestir para casa ocasião.

Simples, sorridente e falante.

Antes de tudo me elogiou mesmo sem conhecer meu trabalho, dizendo que já tinha ouvido falar muito bem de mim, e eu lhe disse que a recíproca era verdadeira, e de minha satisfação em conhecê-la.

Sabem quando conhecemos alguém e na hora nasce a simpatia? Foi assim com ela.

Passou a frequentar minha sala de trabalho semanalmente e assim eu fui aprendendo muito com essa mulher culta e inteligente, que gosta do que faz.

Ela é de origem síria, psicóloga, sexóloga, especializada em pessoas com obesidade mórbida e outros tantos títulos que eu não saberia enumerar aqui, e assim sua conversa sempre era pautada por ensinamentos que mesmo sem querer ela me passava.

Para mim, atender essa pessoa era sempre a possibilidade de falar sobre temas que quase não são discutidos abertamente.

Lembro-me de certa vez que eu a estava atendendo e meu telefone tocou com insistência, então ela me disse para atender. Era uma de minhas filhas que na época, estava com uma suspeita de uma doença rara... Foi então que eu disse uma frase que me fez aprender com essa minha cliente uma das lições mais verdadeira da vida.

Eu disse: “Como isso é triste, porque justamente essa minha filha tem que estar com essa doença?”.

Imediatamente minha cliente me respondeu: “Selma, isso é preconceito, porque não sua filha? Você vai ama-la menos se ela realmente estiver com essa doença?”.

E continuou: “O preconceito em nós já começa no momento que ficamos sabendo que estamos gerando uma criança em nosso ventre, porque qual é a primeira frase que dizemos: pode ser menina ou menino, contanto que seja perfeito”!

Naquele momento parei, percebi o quanto estava sendo preconceituosa, e reconheci que infelizmente é assim mesmo que agimos...

Essa foi apenas uma das lições que aprendi com ela.

Ganhei também sua amizade e confiança, e tive em minha sala de trabalho, enviadas por ela, suas filhas, moças que aprendi a gostar.

Nunca me esquecerei de um dia, em que as meninas, suas filhas, marcaram um encontro em minha sala de trabalho, para combinarem sobre uma festa de aniversário que fariam de surpresa para a mãe... Foi muito divertido dividir com elas esse momento singular, do qual participei nos detalhes e fui convidada a comparecer.

Foi muito lindo. Emocionante mesmo vê-la entrando no salão de olhos vendados, sua surpresa ao ver que ali estavam pessoas queridas para homenageá-la.

Mais lindo ainda, foi quando seu marido, um Dr. muito querido na cidade, a tirou para dançar ao som de Ray Conniff, deslizaram por todo o salão, como se pisassem em nuvens... Nunca vi um casal tão perfeito numa dança. Fiquei muito emocionada.

Mas, a maior surpresa mesmo foi ela que me fez. Um dia, ao saber que eu gosto muito de campo e que pretendia tirar umas férias com meus netos, me ofereceu uma de suas fazendas para que eu fosse descansar. Imaginem minha surpresa... isso não é uma oferta que se recebe tão facilmente, era um convite sincero e eu aceitei...

Foi uma das melhores férias para mim e principalmente para os meus dois netos, que na época foram comigo... Aqueles meninos (hoje homens feitos) nunca mais esqueceram os dias que lá estiveram... Soltos pelos campos da fazenda, fizeram amizades com os filhos dos caseiros, cavalgaram, andaram de charrete, sumiam pelas verdes paisagens lindas daquele lugar.

A casa da fazenda é simplesmente fantástica. Toda cercada por varandas, portas e janelas de vidros, de onde se podia ver o nascer e o por do sol...

Conforto, bom gosto, ali tinha tudo para que nos sentíssemos bem. Ela fez questão de nos proporcionar o melhor acolhimento inclusive por parte dos seus funcionários.

Ficaram para sempre as doces lembranças daqueles dias e eu sempre serei grata a essa pessoa que tanto admiro.

Durante o longo período que estive fora de minha cidade e de minha profissão, fiz questão de manter contato com minhas clientes queridas e ela sempre esteve presente em minhas lembranças.

Hoje de volta para minhas funções, continuo tendo o seu carinho e a acompanho em sua jornada, que é cada vez mais admirada por muitos. Agora, ela tem participações em programas de televisão, onde ajuda muitas de nós com sua sabedoria...

Mãe, filha exemplar, arruma tempo para todos...

Essa é minha singela homenagem para essa mulher singular que eu aplaudo em pé!

M.A. você é minha musa.

Selma Esteticista


 



Leia outras matérias desta seção
 » Uma mulher singular
 » Insanidade
 » Divisor de àguas
 » A dor da perda é o tamanho do amor.
 » Enfim
 » Alçando vôo
 » Era uma vez...
 » Triste sina...
 » Voltei para o meu jardim
 » As inseparáveis
 » Idas e vindas
 » As balas
 » O tubinho branco
 » Metamorfose
 » Anjo Negro
 » Agulhada
 » O telefone
 » A bisavó
 » Um anjo em minha vida
 » Para Ela...

Voltar