28/09/2018
Minha Barbie

Ela sempre sonhou com um mundo cor de rosa...

Mas para ela as cores foram outras desde tenra idade.

Talvez muito vermelho por estar sempre alerta, ou um laranja quem sabe quando dormia o sono que deveria ser da bela adormecida. Em sua vida ela sempre foi bela, porem não podia adormecer tranquila, porque lhe foi negada a paz que toda criança merece, desde tenra idade.

Quando a conheci, devia ter uns 12 anos. Mas já era uma adulta. Ajudava sua querida avó, a cuidar de sua irmãzinha a qual zelava com desvelos de mãe.

Filha de um casal cujo casamento nunca foi bem, um pai juiz e uma mãe advogada, mas que devido ao fracasso do casamento, não conseguia ter em suas filhas a razão para continuar, fez com que a minha querida Barbie, crescesse antes da hora, vivesse no alerta vermelho, sempre preocupada em que momento haveria uma nova briga...

Mas mesmo assim, porque a vida também tem coisas boas, ela tinha a avó, dedicada, sempre ao lado das duas crianças, fazendo o seu melhor embora não pudesse substituir a mãe que vivia seu próprio mundo de sofredora e tinha também o seu pai que procurava se desdobrar, para estar junto nas idas à escola, nos momentos onde elas precisavam de um braço forte.

Sua mãe fez dela, aos 12 anos, a ouvinte de suas dores...Não respeitou que fosse apenas uma menina, e com isso a pobre criança foi crescendo sendo mãe em vez de filha, tendo os devaneios de adolescentes ceifados pelo egoísmo de uma mulher que na verdade nunca cresceu e acordou para a realidade e para a responsabilidade de ser mãe.

Tive a oportunidade de tentar ajudar assim que sua mãe começou a frequentar minha sala de estética e me contar suas desventuras, deixando claro para mim que ela não poupava sua filha mais velha e fazia dela um muro de lamentações...Procurei aconselhar, dizendo que a menina era muito jovem para ser uma conselheira, para ouvir tanta revolta, para saber detalhes mórbidos da vida daquele casal. Mas na verdade aquela mulher tinha boca para falar, mas sem ouvidos para ouvir nada que lhe tirasse o papel de vítima.

Foi quando minha Barbie começou a sentir no corpo as consequências de toda aquela tensão que vivia, desenvolvendo fibromialgia, doença provocada por excesso de tensão e sofrimentos, que então ela precisou de meus serviços, eu finalmente tive acesso direto e pude tentar ajudar mesmo que como ouvinte, tentando, como mãe que sou, ajudar na medida do possível.

Ficamos amigas, eu amava recebe-la e as vezes até conseguia faze-la sorrir. Aos poucos ela começou a desabafar suas dores, mágoas e dúvidas comigo.

Seu pai na tentativa de ajuda-la fazia questão de pagar os tratamentos alternativos que podiam ser feitos para que ela fosse aliviada das dores que sentia. Embora na minha opinião, o que deveria ter sido feito naquela época, seria uma ajuda psiquiátrica e terapêutica. Mas eles eram frontalmente contra. Creio eu que por um preconceito que infelizmente ainda existe por parte de muitas pessoas desavisadas em como situações de extemos stress podem causar sérias doenças nas pessoas.

Excelente aluna, destacou-se cedo nos estudos, e sabia de pronto o que queria ser profissionalmente.

Aos 14 anos conheceu seu príncipe encantado e então a vida começou a lhe sorrir um pouco mais.

Cabe aqui dizer do meu espanto quando soube através da mãe dela que não gostou nem um pouco de ver sua filha tão jovem já namorando e dando sua atenção para um homem, ainda menino, mas um homem.

Então percebi que na verdade sua preocupação era de que agora estaria mais presa em casa, porque para ela, proteger a virgindade da menina era indispensável.

Pobre criatura que nunca amadureceu para a vida, sempre se colocando como vítima de tudo.

Tentei tranquiliza-la dizendo que sua filha era apenas uma menina cheia de sonhos e que fazia parte da vida de uma jovem, namorar, se apaixonar e que tudo tem sua hora para acontecer.

Disse para que se aproximasse mais da filha e a orientasse, mas sem querer obrigar a menina a agir de acordo com os conceitos tão erradicados em sua mente.

Para minha Barbie, a história foi bem peculiar...Seu príncipe ainda tão jovem logo percebeu o sofrimento que era imposto à sua namorada pela situação de eterna insatisfação de sua mãe.

E de certa forma intuído pelo amor, passou a ajuda-la muito, fazendo com que ela tivesse outras razões dessa vez, mais felizes para continuar sua vida.

Senti uma grande melhora em minha amiguinha.

Ela conseguiu formar-se no primeiro grau, foi com maestria para a faculdade, passou num concurso e começou a trabalhar muito jovem, aprendendo a administrar sua vida, seus sonhos, suas conquistas.

Eu ficava admirada de ver como um casal tão jovem lutava junto para que os seus sonhos fossem realizados.

Ela tinha apenas 21 anos quando decidiram que seria melhor se casarem para que enfim pudesse ter sua casa, sua vida, seus sonhos e pudesse se desligar da vida que lhe foi imposta.

Trabalharam muito, com a ajuda dos pais dele e do pai dela, conseguiram ter sua casa, decorada pelos dois com muito capricho, minuciosamente a cada detalhe.


 

Também foram os dois sozinhos que planejaram o casamento, tudo seguindo aquele sonho do mundo que finalmente para ela, estava “cor de rosa”.

Lembro-me de que ela me pedia algumas opiniões sobre a festa, o que me fez muito feliz.

Fiquei extasiada quando a vi vestida de noiva, seguindo ao encontro de seu príncipe.

Ela era a minha Barbie, magrinha, esguia, linda.

Quando cheguei no salão onde seria a festa do casamento, a visão do seu mundo “rosa”, estava ali...Tons múltiplos da cor favorita de minha querida menina, enfeitavam tudo e deixavam a impressão de que estávamos entrando num mundo dos sonhos, num conto de fadas.

E assim, tudo sempre planejado, tudo sempre calculado porque em sua vida não tinha mais espaço para desarmonia eles continuaram trabalhando muito, mas realizando os sonhos...

Ela sempre dizia que um dia teria um a filha que se chamaria Isabela.

E 7anos após seu casamento, “Isabella” nasceu.

Poderia terminar aqui essa crônica dizendo: “eles foram felizes para sempre”!

Mas...

Os anos se passaram, Isabela já tem 6 anos e os pais sempre tiveram o hábito de a levarem em todos os lugares que precisem ir.

Porém um dia, nem ela sabe porque, tinham que buscar uma encomenda e resolveram deixar Isabela com a bisavó.

Pela mão de Deus a criança esteve protegida enquanto seus jovens pais, foram sequestrados e mantidos presos por 4 horas nas mãos dos bandidos, que os fizeram sacar todo o dinheiro que eles tinham no banco. Foram cruelmente torturados psicologicamente e só pediam que pudessem voltar vivos para sua filha e ainda agradeciam muito a Deus pelo fato de a terem deixado com a bisavó pela primeira vez na vida.

Foram largados na via Anchieta sozinhos no escuro onde ninguém parava para acudi-los, naturalmente por medo, já que hoje somos reféns desse sentimento.

Mais uma vez a providencia divina atuou a favor deles e um carro de polícia passou e os acudiu.

A fortaleza com que a vida dessa jovem mulher foi talhada, fez com que ela conseguisse manter a serenidade e a calma necessária para que saíssem vivos dessa triste experiencia.

Poderiam ficar traumatizados...não terem vontade e sair da proteção de sua casa.

Mas em vez disso, eles resolveram o que foi possível em relação ao roubo em suas contas e foram atrás de realizar um sonho antigo de infância...sem mais delongas porque a vida é para ser vivida e nunca adiada.

Foram esquecer seu pesadelo e viver um sonho a três...

Minha querida Barbie foi para a Disney com seu príncipe e sua princesa!!!

Agora sim...Foram felizes para sempre.


Selma Esteticista

[email protected]



Leia outras matérias desta seção
 » Sonho e realidade
 » Os Invisíveis
 » Bordado nas estrelas...
 » Vazio...
 » Uma história sem fim...
 » A pior monstruosidade de um ser humano
 » Minha Barbie
 » Uma história de amor
 » Aniversário
 » Abrindo o Baú...
 » Sorrir sempre
 » Direito de Resposta do Mr. Brom
 » Mr. Brom
 » Uma mulher singular
 » Insanidade
 » Divisor de àguas
 » A dor da perda é o tamanho do amor.
 » Enfim
 » Alçando vôo
 » Era uma vez...

Voltar