28/08/2020
Os ladrões do tempo

Os ladrões do tempo

Tivemos personagens da história cujas frases escritas que nos deixaram ainda são coerentes para esta nossa época, como esta: Há ladrões que não se castigam, porém, eles roubam o que é mais precioso: O nosso tempo. Napoleão Bonaparte (1769-1821). Agora então com essa comunicação tão fácil e rápida através de telefones celulares, quase ninguém mais fica livre das inoportunas, ou melhor, das universalmente importantes e maravilhosas mensagens que, não recebê-las equivale a sentir a dor que a morte de alguém muito querido causaria.

Surpreende muito termos hoje muitos amigos que são tão benfeitores e solícitos. Eles nos enviam muitas informações úteis para nós podermos manter a nossa saúde. Embora não tenha problemas com artrite e artrose, recebi um vídeo contendo um chinês indicando sete bons alimentos para, repetindo, quem sofre de artrite e artrose.

Puxa-vida, sempre é bom retribuirmos o bem que nos fazem, então, enviei para o amigo uma mensagem deveras útil: Se você tem câimbras no pênis use vaginalol que logo sara. Mas, ele tendo uns oitenta anos de idade, não sei se conseguirá usar esse remédio tão forte, que, tem muitos efeitos colaterais e que podem tornar insuportável a vida de qualquer um. Enfim o que seria de mim se ninguém roubasse o meu tempo? Eu morreria de solidão! Também sei que para os outros o meu tempo não vale nada.

Altino Olimpio

 



Leia outras matérias desta seção
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...

Voltar