28/01/2010
Neny Hotel Inn



NENY HOTEL INN

Hermano Leitão

2009


NENY HOTEL INN

Hermano Leitão


COMÉDIA DE UM ATO


PERSONAGENS:

Mr. M. Phillys – Gerente do Hotel
Renan do Rego Grande – Deputado dono do Hotel
Hans Peter – Funcionário do Hotel
Arthur Paul Andersen – Auditor do Hotel
Severina Pamela – Recepcionista do Hotel
Maria do Carmo Pinto do Rego Grande – Mulher do Deputado
Valsinete Bezerra Manha – Hóspede do Hotel
Chiquinho Francis – Empregado de Maria do Carmo
Marcos Valério Bezerra – Primo de Valsinete, traficante.
Mensageiro – Homem da mala de propina.

NENY HOTEL INN

Hermano Leitão

(Gerente do Hotel está na recepção – Severina chega)
Severina – Oi! Aqui é o Hotel NENY, não é?
Mr. M. Phillys – É não! Aqui é Eni I, Eni Uai, Rrotel Inn. Em que posso ajudá-la?
Severina – O Deputado Renan do Rego Grande mandou esta carta pro senhor Genilson Genilval, não é aqui não?
Mr. M. Phillys – Ave Maria! Eu já disse pro Deputado que já mudei o meu nome e o nome do hotel pra ficar tudo nos trinks do marketing internacional. Eni I, Eni Uai, Rrotel Inn é pras pessoas entenderem que é uma conexão Nordeste (NE) to New York (NY). E meu nome agora é Mr. M. Phillys, deu pra entender?
Severina – Bem que o Deputado disse que o negócio aqui era legal. Mas tome ai a carta dele, seu Mesteremi.
Mr. M. Phillys – Deixe eu ver. (Lê) “Amigo Genilval, to lhe mandano essa minha sobrinha pra você botar ai no hotel como recepcionista. Depois passo por ai. Cuide dela e não deixe ninguém se enxerir pro lado dela, viu? Cordialmente, Renan”. Ave Maria!... Mas como é seu nome mesmo?
Severina – Severina Xique Xique, ao seu inteiro dispor!
Mr. M. Phillys – Olhe, minha filha, o deputado tá mandando você trabalhar aqui no hotel, mas primeiro de tudo, você tem de se repaginar a começar por mudar esse seu nome, pra ficar nos trinks do marketing internacional, tá certo?
Severina – Ôche, e eu vou ser batizada de novo, é?
Mr. M. Phillys – Não, minha filha, a gente põe só no crachat, igualzinho ao meu. Deixe eu ver... Já sei! Tu vai se chamar Pamela, Severina Pamela Xique Xique... Ai a gente te chama de Mademoiselle Pamela, gostou?
Severina – E o que é Madi nois ele?
Mr. M. Phillys – Pense num nome de moça educada. Pronto, é Mademoiselle!! Entendeu, Mademoiselle Pamela?
Severina – Entendi e até achei legal!...
Mr. M. Phillys – Agora me diga uma coisa. Quantas línguas você fala?
Severina – Ôche, eu só falo com uma...
Mr. M. Phillys – Não pode! Aqui tu tem de falar pelo menos quatro, pra ficar tudo nos trinks do marketing internacional e porque o hotel precisa de funcionários multilígues pra passar no credenciamento da CNN, viu?
Severina – Ôche, eu não to entendeno é nada...
Mr. M. Phillys – Mademoiselle Pamela, nós vamos receber um auditor de New York pra ver se tá tudo nos trinks do marketing internacional...
Severina – E o que é audidor?
Mr. M. Phillys – Pense num homem que gosta de tudo certinho e vai atrás. Pronto, é um auditor!! Entendeu?
Severina – Legal...
Mr. M. Phillys – Mas me diga uma coisa, você já trabalhou aonde?
Severina – No Balneário Casarão, No Clube Casa Grande, e no Hotel Castelão...
Mr. M. Phillys – E foi, é? Pois, pronto! Olhe, eu vou lhe ensinar algumas coisas nas línguas e depois eu peço ao nosso funcionário Hans Peter para lhe dar umas aulinhas, tá certo?
Severina – Tá legal, seu Mesteremi, muito obrigada, pode dizer.
Mr. M. Phillys – Primeiro, vamos no inglês. Você vai ficar aqui na recepção, e quando o hóspede americano chegar, você diz: welcomi, quem na reupiu? Repita ai.
Severina – O eu comi, quem na reupiu? E o que é isso, seu Mesteremi?
Mr. M. Phillys – Pense numa pessoa que quer ajudar. Pronto, é quem na reupiu!
Severina – Entendi. Quem na reupiu?
Mr. M. Phillys – Agora, quando esse hóspede já tá aqui, entrando pra lá e pra cá, você diz, se for da parte da manhã: gudi monin, quem na reupiu? Repita ai.
Severina – gudi moni, quem na reupiu?
Mr. M. Phillys – Preste atenção na entonação, Mademoiselle Pamela! Se for da tarde, tu diz: gudefeternun, quem na reupiu? Repita ai.
Severina – gudi efe ternun, quem na reupiu? Tá certo?
Mr. M. Phillys – Tá, mas se for da noite, tu diz: gudi evinin, quem na reupiu? Repita ai.
Severina - gudi evinin, quem na reupiu?
Mr. M. Phillys – Olhe a entonação, Mademoiselle Pamela! Faça igual a mim, criatura! Agora pra encerrar o inglês, pense numa pessoa que tem agradecimento. Pronto, é Tem Kiwi! Repita ai, Tem Kiwi!
Severina – Tem Kiwi! E o americano gosta, é seu Mesteremi?
Mr. M. Phillys – Gosta é muito! Agora, vou lhe ensinar um pouco de espanhol. A primeira coisa que você diz pra esse povo é: Hola, que tal?
Severina – Rola, que tal?Ah, isso é fácil! Meus clientes sempre falavam isso pra mim. Já fiz muita espanhola, seu Mesteremi...
Mr. M. Phillys – Pronto, pelo menos você tem experiência em espanhol!
(Entra Hans Peter)
Hans Peter – Pardonnez moi, Mr. M!
Mr. M. Phillys – Pronto, chegou na hora certa, Hans Peter. Essa daqui é Mademoiselle Pamela, sobrinha do Deputado Renan, vai trabalhar na recepção.
Hans Peter – Enchantez, Mademoiselle Pamela!
Severina – (para Mr. M) Eu digo Tem Kiwi ou Rola, que tal, seu Mesteremi?
Mr. M. Phillys – Não, Mademoiselle Pamela, ele tá falando em Francês. Pronto, vou deixar Hans Peter lhe ensinar francês, porque tenho de preparar as coisas pro auditor da CNN ver. Ensine ai o básico pra ela se virar Hans Peter, depois mande ela por a farda do hotel, pra ficar tudo nos trinks do mrketing internacional.
Hans Peter – Pode deixar, Mr. M!
(Mr. M. Phillys sai)
Hans Peter – Well, Mademoiselle Pamela, vamos às lições. Frances é muito fácil. É só repetir o que a pessoa fala e introjetar o sentimento, ok?
Severina – Pode deixar já intrajetei foi muito!
Hans Peter – Então, quando eu digo enchantez, você diz?
Severina – Encha até! E o que é isso?
Hans Peter – Não importa! O importante é repetir e sentir no fundo por meio do gesto. Derreie um pouco a espinha pra frente, jogue o bracinho pra trás, a cabecinha pendente pro lado e diga Enchantez!
Severina – Encha até!
Hans Peter – Três bien! Agora faz um biquinho de assoprar chá quente e diga Bon jour!,
Severina – Bom ju!
Hans Peter – Agora faz uma boca mole de quem vai botar uma coisa roliça e diga Bon soir!
Severina – Bom suar!
Hans Peter – Agora faz de novo um biquinho de assoprar chá quente e diga Bon nuit!
Severina – Bom no i!
Hans Peter – Agora faz um sorriso de aeromoça e diga Ça va!
Severina – Sava.
Hans Peter – Bien, bien, bien! Agora pegue uma folha de papel, se abane freneticamente e diga il fait chaud!
Severina – E ele fecho!
Hans Peter – Agora pegue as mãozinhas, proteja os peitinhos em concha para apagar os faróis e diga Il fait froid!
Severina – E ele fé fuá.
Hans Peter – Agora faz que vai sentar rapidinho e diga Merci beaucoup!
Severina – No meu, não!
Hans Peter – What´s the problem, Mademoiselle?
Severina – Que meti no coup é esse?
Hans Peter – É merci beaucoup, não tem nada de meti beaucoup. Olha, darling, não pensa, só introjeta o gesto, que facilita, oui?
Severina – U i!
Hans Peter – Agora balança a cabecinha rapidinho com um sorriso do Fábio Junior e diga Três joli!
Severina – Trejo li!
Hans Peter – Agora junta as mãozinhas na altura dos peitinhos, pende a cabecinha pro lado direito, põe um sorriso Casas Bahia e diga Voilá!
Severina – Voe lá!
Hans Peter – Agora põe a mãozinha esquerda na cintura, posição bule de chá, levanta a mãozinha direita pro ar e acena como miss Brasil e diga Au revoir!
Severina – Erro voar!
Hans Peter – Ok, Mademoiselle! That´s all! Agora, vai lá dentro, põe seu uniforme, temos muito trabalho, merci beaucoup!
Severina – No seu também! (sai)
(Volta Mr. M. Phillys)
Mr. M. Phillys – Hans Peter, olhe aqui os pontos que o Auditor da CNN vai ver se tá tudo nos trinks do marketing internacional: Room Service, Piscina climatizada, Solarium, Health Club, Lobby Bar, Restaurante, Funcionários multilíngües, Serviço de fotocópia e fax, Serviços Médicos, Secretária, tradutor e babá, Programa "Olvidó algo "(esqueceu de alguma coisa?), escova e creme dental, creme de barbear e prestobarba, etc., Berço, ferro de passar e mesa de passar sem custo algum, Garagem, Centro de Convenções para 600 pessoas.
Hans Peter – Estão faltando a secretária, a babá e a operadora de zerox and fax, ok?
Mr. M. Phillys – Bote Mademoiselle Pamela pra fazer isso.
Hans Peter – Madre mia, gato chia! Voilá!
Mr. M. Phillys – E vá ver se os quartos estão equipadinhos com Camas King, Queen e Double Size, escrivaninha, telefones com correio de voz e acesso a Internet, mesa de jogos, sofás de leitura com estica-pés, rack com TV a cabo pra pegar a CNN, rádio AM/FM, relógio, frigobar e cofre- forte, fechadura eletrônica com memória recodificável, alarme contra fumaça e incêndio, entendeu o check list?
Hans Peter – Évidement, monsieur!
Mr. M. Phillys – Pois se avexe lá, porque você ainda tem de arrumar o programa Olvidó algo, o Lobby Bar e o Restaurante. Avie, homem!
Hans Peter – Ok, Sir! Acho que errei de século e de sexo... (sai)
(Chega Arthur Paul Andersen, o Auditor da CNN)
Paul – Good morning!
Mr. M. Phillys – Gudi morning! Quem na reupiu?
Paul – Yes, please, my name is Arthur Paul Andersen. Eu ser auditor de CNN.
Mr. M. Phillys – Nice to met in you, Mr. Andersen. My name is Martin Phillys!
Paul – Nice to meet you too, Mr. Phillys! Eu já prender Portugues poquito. Todo bien?!
Mr. M. Phillys – Tudo bem! Por isso que gosto de estrangeiro. Vai logo aprendendo as línguas dos outros. Please, sit down here, Mr. Andersen.
Paul – Obrigada! Como estar as coisas no Hotel?
Mr. M. Phillys – Estar tudo nos trinks do marketing internacional. Pense num hotel fist class, pronto, é o NENY Hotel Inn!
Paul – Wow, first class mucho bon! Ok, mas eu ter preguntas para harcelo.
Mr. M. Phillys – Pode perguntar tudinho!
(Entra Severina Pamela)
Severina – Seu Mesteremi, a farda ficou boa? (dá uma voltinhas, exibe-se)
Mr. M. Phillys – Menina, primeiro você cumprimenta o povo! É o auditor da CNN... Mr. Anderson, esta aqui é Mademoiselle Pamela, a recepcionist.
Paul – Nice to meet you, lady!
Severina – Eita, seu Mesteremi, eu digo quem na repiu ou tem kiwi?
Mr. M. Phillys – Tanto faz, menina!
Severina – Tem Kiwi, mister ande sem!
Paul – Wow, ter kiwi. I love kiwi. Please, você poder me chamar só Paul..
Severina – Chamar seu pau? Ôche, seu Mesteremi, esse gringo tá querendo fornicar. Eu conheço essa cara de pidão...
Mr. M. Phillys – É não! Ele quer que você chame ele de Pow... Pow, Mme Pamela é também the hotel nanny!
Severina – Ôche, Mr. Emi! O senhor não disse que era Eni I, Eni Uai Rrotel Inn, e agora o senhor disse Hotel Neny?
Mr. M. Phillys – Oh, bicha lesa! Nanny é babá. Você é a babá do hotel também... Excuse-me, Mr. Pow. Mademoiselle Pamela ainda não domina muito bem o inglês...
Paul – Não ter problema. Eu poder ajudar Mademoiselle Pamela e ela poder ajudar Paul, poder fazer troca-troca de língua, ok?
Severina – Não to dizendo que o gringo quer fornicar, seu Mesteremi...
Mr. M. Phillys – É nada, menina. É intercambio cultural. Ele lhe ensina English e você dá pra ele aula de português.
Paul – Eu ficar mucho felicidade mostrar minha língua para Mademoiselle Pamela!!
Severina – Por mim, pode mostrar a língua e tudo mais, já to acostumada mesma...
Mr. M. Phillys – Minha filha, por falar em mostrar, pegue a mala de Mr. Pow e leve ele pro quarto 69, acomode bem ele lá.
Paul – Poder deixar, Mademoiselle Pamela, eu pegar minha mala. Mr. M, eu achar que hotel já ter ten points. Recepcionist nanny mucho prety.
(Saem Paul e Pamela, entra Hans Peter)
Mr. M. Phillys – Hans Peter, pense ai num gringo bem enxerido. Pronto, é Mr. Pow, o auditor da CNN.
Hans Peter – Oh, my gosh! Ele já chegou?
Mr. M. Phillys – Já e se enxeriu todo pro lado de Mademoiselle Pamela. Só quero ver se o Deputado Renan descobre isso...
Hans Peter – Jesus, só porque ela é sobrinha dele?
Mr. M. Phillys – Não, menino. Ligue a liga... Mademoiselle Pamela trabalhou no Balneário Casarão, e Renan pediu pra ninguém ficar de enxerimento com Pamela... Pense num amante ciumento. Pronto, é o deputado Renan.
Hans Peter – Quel horreur! A bicha tem imã pra homem. Mas Mr. M, relaxa e goza, porque o auditor logo vai embora, e depois lavou, tá novo, o Deputado nem vai desconfiar.
Mr. M. Phillys – Tomara, porque o Deputado Renan é o maior investidor desse hotel. Já investiu mais de 5 milhões, meu filho.
Hans Peter – For god sake! Onde o Deputado arruma tanto dinheiro?
Mr. M. Phillys – Nem pergunte, Hans Peter. Pense numa pessoa que tem muitos sócios ocultos. Pronto, é Renan do Rego Grande. Agora fique ai, que eu vou pegar o adesivo Hotel 100% não fumantes...
Hans Peter – Yes, 100% smoking free hotel.
Mr. M. Phillys – E do Hotel 100% reciclável.
Hans Peter – Yes, 100% recycle hotel.
Mr. M. Phillys – E do Hotel 100% orgânico.
Hans Peter – Yes, 100% organic hotel.
Mr. M. Phillys – E do Hotel 100% sem gordura.
Hans Peter – Yes, 100% fat free hotel.
Mr. M. Phillys – E do Hotel 100% amigo.
Hans Peter – Yes, 100% gay friendly hotel.
Mr. M. Phillys – Tá bom, Hans Peter, eu vou trazer todos os adesivos. Se o deputado chegar, tu diz que eu fui no banheiro e volto já.
Hans Peter – Don´t worry, be happy! Au revoir!
(Sai Mr. M e entra uma hóspede com duas malas)
Hans Peter – Bom dia! Em que posso ajudá-la?
Valsinete – Bom dia! Eu quero um quarto.
Hans Peter – Please, senhora tem reserva?
Valsinete – Tenho não. Tentei foi muito na internet, mas tava muito devagar. Dá pra fazer agora?
Hans Peter – Sure, madam! Vamos fazer o check in. Por favor, qual o nome da senhora?
Valsinete – Valsinete Bezerra Manha. Bezerra por parte de mãe e Manha por parte de pai.
Hans Peter – Posso tirar uma cópia do seu RG e do CPF?
Valsinete – Pera ai, deixa eu pegar... Tá aqui, mas me dê de volta, porque daqui a pouquinho vou ter de ir na maquininha do banco 24 horas tirar dinheiro.
Hans Peter – No problem! A senhora vem de onde?
Valsinete – Da Nigéria. Coisinha, eu fiquei besta de ver tanto africano na Nigéria! Vixe Maria, tinha era muito africano!
Hans Peter – E daqui a senhora vai pra onde?
Valsinete – Mas me diga, isso aqui é um hotel ou uma delegacia de polícia? Que interrogatório é esse?
Hans Peter – Sorry, madam! O auditor da CNN já está aqui e nós temos de cumprir todas as regras!
Valsinete – Mande esse auditor comer farinha, seu tampinha! Não tem menor cabimento eu ficar devassando a minha vida íntima pra um povo que eu nem conheço. De onde ele é?
Hans Peter – É de New York, USA.
Valsinete – Não estou dizendo que esses americanos gostam de se intrometer nas coisas dos outros. La na Nigéria eles mandam é em tudo...
Hans Peter – É que ele vai dar uma credencial pro hotel...
Valsinete - Mande ele enfiar a viola no saco! E acabe logo com essa besteira de investigação, me dê um quarto que eu to é cansada. Fiz dez conexões pra chegar aqui, e agora ainda tenho de responder questionário? Era só o que me faltava...
Hans Peter – A senhora pode me dizer pelo menos se veio a passeio, negócio ou outra coisa?
Valsinete – Tu é insistente, já não disse pra parar com essa bisbilhotice. Vai fazer fofoca da minha vida com quem? Me dê logo o quarto. E se tu não me obedecer, vai apanhar é agora!
Hans Peter – Ok! Take it easy, madam!.. São duas malas?
Valsinete – São sim, mas eu quero que você guarde essa aqui bem guardada ai, que meu primo Marcos Valério Bezerra vai passar aqui para pegar depois do almoço.
Hans Peter – Oh, my godness! A senhora quer declarar o que tem na mala?
Valsinete – Não vou declarar é nada! E a mala está bem é selada, viu? Se Marquinho achar que alguém mexeu nela, ele vai deixar você falando é fininho, entendeu?
Hans Peter – I beg your pardon!
(Chega Mr. M com um pacote)
Mr. M. Phillys – Bom dia, senhora!
Valsinete – Bom dia!
Hans Peter – Thanks god you´re here! Eu vou levar madame pro quarto dela.
Mr. M. Phillys – Seja bem vinda ao nosso NENY Hotel Inn!
Valsinete – Obrigada! Ta vendo, seu abestado, esse homem abriu duas vezes a boca e não fez nenhuma pergunta indiscreta. Ande logo com essa mala que eu quero descansar.
(Saem Hans Peter e Valsinete e chega o deputado com uma mala)
Renan – Bom dia, Genilval!
Mr. M. Phillys – Bom dia, deputado! Mas por favor, me chame de Mr. Emi aqui no NENY Hotel Inn, pra ficar tudo nos trinks do marketing internacional.
Renan – Está bem, Genilval. Olhe aqui, trouxe essa mala pra você guardar ai bem guardada, porque vou mandar um emissário passar aqui pra pegar. É uma encomenda do Senador, entendeu?
Mr. M. Phillys – Vixe Maria, encomenda de Senador é calibre grosso! Pode deixar que ajeito aqui.
Renan – E Severina, já passou aqui?
Mr. M. Phillys – E não? Já está até trabalhando. Deve ter ido botar a farda do hotel, e Hans Peter tá dando umas aulas de Frances pra ela se virar aqui na recepção.
Renan – Avise logo a esse cabra que eu não quero enxerimento com ela não, viu?
Mr. M. Phillys – Vixe! Nem precisa se preocupar com Hans Peter. Pense num cabra mole. Pronto, é Hans Peter. Não come ostra nem a força, tá me entendendo?
Renan – Então pode deixar esse cabra frouxo tomar conta dela também. E o resto?
Mr. M. Phillys – O auditor da CNN já chegou e parece que tá gostando é muito de tudo.
Renan – Tá certo! Agora, Genilval, eu quero que você arranje um tempinho à tarde, passe lá na empreiteira, fale com nosso amigo Daniel, pegue o cheque com ele e deposite na conta do hotel.
Mr. M. Phillys – Danou-se, deputado! O movimento do hotel ainda tá fraco, como é que a gente contabiliza isso?
Renan – Primeiro, você pede ao gerente do banco pra depositar o cheque como dinheiro. Diga que fui quem mandou. Ele vai por o carimbo do banco no lugar do portador. Depois, você pega o CPF dos hóspedes e dos funcionários e fatura alto em cima, viu?
Mr. M. Phillys – Mas, deputado, pense num imposto alto. Pronto, é essa fatura.
Renan – Deixe de ser besta, Genilval! Vou passar uma lei retroativa que perdoa os impostos nos três meses de abertura do negócio. Pode lascar o cano na fatura.
Mr. M. Phillys – O senhor é quem sabe...
Renan – Fique tranqüilo! Agora deixe eu ir cuidar dos negócios. E faça uma coisa, diga a Severina que ela vai ficar no hotel depois do expediente esperando por mim, na minha suíte. To roxo de saudade!
Mr. M. Phillys – Pode deixar, deputado, vai estar tudo ajeitado!
Renan – Até mais tarde!
Mr. M. Phillys – Até!
(Sai Renan e entra Pamela)
Severina – Prontinho, seu Mesteremi, já botei Pow lá no quarto dele e fiz tudo direitinho. Ele gostou muito e caiu no sono, tá dormindo lá.
Mr. M. Phillys – E que intimidade é essa? Cadê o Mister? Você tem de chama Mr. Pow. E olhe, em casa que se ganha o pão não se entrega a carne, viu?
Severina – Mas seu Mesteremi, pensei que fosse da função agradar Pow, e ele é quem quer que eu chame ele de Pow. Olhe, foi só Pamela e Pow pra lá e pra cá...
Mr. M. Phillys – Valha me Deus! E você sabe quem acabou de sair daqui?
Severina – Sei não. Hoje é meu primeiro dia.
Mr. M. Phillys – Pense num homem ciumento e que lhe deu o emprego. Pronto, foi o Deputado Renan.
Severina – E foi, é?
Mr. M. Phillys – Foi, Mademoiselle Pamela! E ele disse que era pra você ficar depois do expediente, porque ele vai dormir hoje aqui na suíte dele, viu?
Severina – Vixe, Maria! Ainda bem que tem tempo pra eu me recuperar, porque Pow teve um fôlego danado...
Mr. M. Phillys – Me poupe de suas intimidades. Agora eu quero é só ver como eu vou atalhar esses dois aqui dentro hoje. Já vi tudo!
Severina – Seu Mesteremi, eu também to ficando muito avexada...
Mr. M. Phillys – Pois pense numa pessoa que não sabe se foi ou se está voltando. Pronto, é a pessoa que está na sua frente.
Severina – Seu Mesteremi, eu tive foi uma idéia pra atalhar o touro manso!
Mr. M. Phillys – Pois me diga, Mademoiselle Pamela!
Severina – O senhor mande botar um litro de whisky e um balde de gelo na suite de Renan. Ai eu fico fazendo a dança do ventre até ele ficar trélélé e dormir.
Mr. M. Phillys – Então fique ai que eu vou atrás de Hans Peter pra ele providenciar isso e também pastorar os dois. É melhor eles nem se cruzarem aqui no hotel...
(Sai Mr. M e entra Maria do Carmo Pinto do Rego Grande, mulher de Renan, mais conhecida como Carminha)
Carminha – Cadê o safado?
Severina – Tá dormindo.
Carminha– E com quem Renan está dormindo? Me diga!
Severina – Que Renan, eu to falando é de Mr. Pow.
Carminha – E quem é Mr. Pow?
Severina – É o auditor da CNN que veio botar um selo aqui no hotel.
Carminha – Como é mesmo seu nome?
Severina – Made móis elle Pamela, quem na reupiu?
Carminha – Pois Pamela, aonde está Renan?
Severina – Sei não...
Carminha – Minha filha, pode desembuchar logo. Eu sou Maria do Carmo Pinto do Rego Grande, mulher do Deputado Renan do Rego Grande, mas pode me chamar de Carminha.
Severina – Encha até!
Carminha – Não precisa esses salamalecos não! Eu tava seguindo Renan, o farol fechou e perdi ele, mas vi que ele veio nessa direção. Ele não está aqui não?
Severina – Está não.
Carminha – E você conhece Renan?
Severina – Conheço não.
Carminha – E como você sabe que ele não está aqui?
Severina – Porque não tem nenhum Renan...
Carminha – Minha filha, minha intuição não falha... Desde de manhã, quando Renan disse que tinha uma reunião política e não era pra eu esperar, fiquei cismada.
Severina – Cismada com que?
Carminha – Que ele tem uma amante e a rapariga marcou com ele foi é aqui...
Severina – Desaluvie a suspeita, dona Carminha, vai ver ele está atrás é dessas besteiras de partido...
Carminha – E tu entende disso, é?
Severina – De política, não, mas de homem, dona Carminha, eu tiro raio “X” de soslaio...
Carminha – Pode ser, mas eu não vou me aquetar se eu não tirar isso a limpo. Me arranje um quarto ai que eu vou ficar hospedada hoje é aqui...
Severina – Vixe, danou-se!
Carminha – Que foi, não tem quarto não ou você está me escondendo alguma coisa?
Severina – Não, não, não, é que hoje é meu primeiro dia e eu ainda não ser mexer nisso não.
(Chega Hans Peter)
Severina – Vixe, chegou na hora certa, Hans Peter, me socorra aqui!
Hans Peter – Can I help you, madam?
Severina – Quem na reupiu sim. Dona Carminha quer pernoitar no hotel hoje...
Hans Peter – Pode deixar, Mademoiselle Pamela. Eu cuido de tudo. Fique ai e preste atenção na minha classe e aprenda. Bom dia, madame! Por favor, qual o nome da senhora?
Carminha – Maria do Carmo Pinto do Rego Grande...
Hans Peter – Oh, my Gosh! A senhora é parente do Deputado Renan?
Carminha – Sou a mulher de Renan...
Hans Peter – Oh, my Gosh, oh, my Gosh, oh, my Gosh!
Carminha – O que está acontecendo com esse menino?
Sevrina – Sei não. Hans Peter, o que foi? O que você está introjetando?
Hans Peter – É que madame Maria do Carmo é uma celebridade e nós não temos suítes masters disponíveis, estão ocupadas...
Carminha – E eu lá quero suíte máster! Me dê um quarto comum, menino. Vou ficar aqui nem que seja pra dormir naquela poltrona.
Hans Peter – No problem! Por favor, a senhora pode me emprestar seu RG e CPF para tirar uma cópia? Pegue ai Mademoiselle Pamela, estou passado...
Carminha – Pronto, está aqui.
Hans Peter – Quantos dias a senhora pretende ficar hospedada?
Carminha – O tempo que precisar pra eu pegar meu marido com a boca na botija.
Severina – Por falar nisso, a senhora gosta de whisky com gelo?
Carminha – Gosto é de whisky com água de côco, por que?
Severina – É porque...
Hans Peter – Porque está inclusa na diária uma garrafa de whisky. A senhora tem bagagem?
Carminha – Já, já, Chiquinho vem trazer minha mala. Vou ligar pra casa e dizer pra ele trazer aqui pelo menos uma troca de roupa e minha nécessaire de maquiagem, não passo sem retocar o pó...
Hans Peter – Ok, então vou levar madame ao quarto e você fica aqui, Mademoiselle Pamela. Por favor, acompanhe-me madame.
(Saem Hans Peter e Carminha, entra Marcos Valério)
Marcos – Bom dia!
Severina – Bom dia!
Marcos – Eu vim buscar a mala que deixaram aqui na recepção pra mim.
Severina – E foi? Deixe eu ver... Deve ser esta daqui, não é?
Marcos – É essa mesma! Posso deixar essa encomenda pra você entregar pra ela?
Severina – Pode...
Marcos – Tu diz que é uma encomenda pra ela experimentar, viu?
Severina – E o que é?
Marcos – É pó...
Severina – Bem que ela disse que não passava sem pó. Como é metida a besta!
Marcos – Ela é poderosa, minha filha. Não se meta com ela, não! Bom, vou indo, porque tenho de entregar essa encomenda no aeroporto. Obrigado!
Severina – De nada! Eu to é perdida com esse povo, hum!
(Sai Marcos e entra Mr. M)
Mr. M. Phillys – Mademoiselle Pamela, eu vou ter de sair para pegar um cheque e fazer um depósito urgente. Chame Hans Peter, e fiquem ai tomando conta de tudo, viu?
Severina – Hans Peter deve ter ido buscar Whisky e água de côco pra doida poderosa, mas deve já estar vindo.
Mr. M. Phillys – Minha filha, aprenda uma coisa. Em hotel não se faz fofoca nem se comenta nada de ninguém, viu?
Severina – Pode deixar, seu Mesteremi. Não vou dizer nada, minha boca é um túmulo...
Mr. M. Phillys – Isso mesmo, Mademoiselle Pamela. Vou num pé lá e outro cá, porque o Deputado costuma terminar o expediente é cedo e eu quero estar aqui quando ele chegar. Até já!
Severina – Até já! Eita, diabo!
(Sai Mr. M e entra Valsinete)
Valsinete – Por favor, me dê ai o CPF e o RG que eu já vou na maquininha arrancar dindin.
Severina – Tome. Tem kiwi!
Valsinete – Quero não, minha querida. Me solta o intestino. Ainda bem que você não faz perguntas como aquele pintor de rodapé de delagacia de polícia...
Severina – Seu Mesteremi disse que é pra ficar de boquinha fechadinha, não comentar nadinha de ninguém.
Valsinete – É assim que eu gosto: sabida e discreta! Deixe eu ir que to apressadinha. Até loguinho!
(Sai Valsinete, entra Hans Peter)
Hans Peter – Tudo em ordem, Mademoiselle Pamela?
Severina – Tudo nos drinks, mas seu Masteremi saiu, e pelo bolôlo de coisa que ele vai fazer, vai demorar. Ele pediu pra vigiar tudo...
Hans Peter – Oh, my Gosh! Já vi tudo!
Severina – Oh, Hans Peter, meu anjo da guarda! Por favor, deixe eu ir urinar, estou me mijando...
Hans Peter – Mon dieu! Isso são modos de um lady falar?
Severina – Ôche, Hans Peter, até pra isso tem de introjetar? Deixe disso!
Hans Peter – Vai, vai logo! Antes que molhe o carpete.
(Sai Severina e entra Chiquinho)
Chiquinho – Olá!
Hans Peter – Olá! Como posso atendê-lo, cavalheiro?
Chiquinho – Que gentil! Não se fazem mais homens como você.
Hans Peter – Não é todo dia que se dá de cara com gentlemen!
Chiquinho – Obrigado! Bem, madame Pinto Grade pediu pra deixar essa mala ai.
Hans Peter – Sem problema, pode deixar que pego a mala com prazer e carrego até lá em cima.
Chiquinho – Quanta gentileza, gato! Fala pra ela que fiz tudo que mandou, direitinho, no capricho, arrumadinho...
Hans Peter – Ela pediu mais alguma coisa?
Chiquinho – Sim, ela pediu pra colocar dentro o estojo de maquiar e não esquecer o batom vermelho pra passar na boca, e o gloss pra ficar molhadinha...
Hans Peter – Então, você colocou tudo?
Chiquinho – E a que horas você sai daqui?
Hans Peter – À noite. E a que horas você passa aqui de novo?
Chiquinho – À noite. Está bem pra você?
Hans Peter – Fabulous! Você não quer conhecer o hotel agora?
Chiquinho – Os quartos têm jacuzzi?
Hans Peter – Tem também sauna e ofurô.
Chiquinho – Tem chuveirinho?
Hans Peter – Tem tudo!
(Severina chega)
Severina – Afi, como verter água deixa a gente aliviada!
Hans Peter – Mademoiselle Pamela chegou em boa hora. Vou ali mostrar a Jacuzzi pro... ai, como é seu nome mesmo?
Chiquinho – Francis, mas pode me chamar de Chiquinho. E o seu?
Hans Peter – Kiko, mas pode me chamar de Hans Herald Peter Hertha.
(Os dois congelam os olhares apaixonados)
Severina – E foi?
Chiquinho – Você pode entregar a mala?
Severina – Posso, mas esse povo é muito folgado, né?
Hans Peter – Queridinha, é pra isso que você e eu estamos aqui!
Severina – É mesmo! Entendi. Seu Mesteremi já tinha me avisado.
Hans Peter – A gente volta já.
Chiquinho – Tchau!
Severina – Tchau!
(Saem chiquinho e Hans Peter, entra o emissário)
Emissário – Bom dia!
Severina – Bom dia!
Emissário – Eu vim pegar a mala.
Severina – E foi?
Emissário – Foi. É uma encomenda urgente!...
Severina – Não sabia nem disso. Não é que seu Mestereme é discreto mesmo! Acabou de chegar. É essa aqui.
Emissário – É, é essa mesmo?
Severina – É. Mas, menino, esse povo de hotel parece carteiro de correio... Vixe, mais o senhor não tem nada a ver com isso...
Emissário – Olhe, muito obrigado, mas não posso prosear muito não, eu já estou atrasado, tenho de pegar o avião pra Brasília correndo! O Senador disse que a votação não começa enquanto isso não chegar. Até outro dia!
Severina – Legal! Estou a seu dispor!
(Sai emissário e entra Paul)
Paul – Oh, my darling! Eu acordar e não encontrava você da meu banda. Todo bien?
Severina – Todo bem, Pow! Mas olhe se comporte agora que eu estou em horário de serviço, viu?
Paul – Eu entender mucho. Não esquecer que você deixava Paul mucho hot! Eu querer mas.
Severina – Eu também gostei muito Pow! Agora esfrie ai a cabecinha, porque Hans Peter foi mostrar a jacuzzi para um paludo e seu Mesteremi foi fazer um bolôlo. Tá todo mundo ocupado e o movimento está grande.
Paul – Entonces, eu ficar pertinha de Pamela e ensinar English pra ela, ok?
Severina – Acho que não tem problema, não, mas se chegar gente, Pow vai ter de zanzar por ai.
Paul – Darling, o que ser “zanzar por ai”?
Severina – Ôche, é sair andando para outro lugar, legal?
Paul – Entender legal! Pamela gostar de música?
Severina – Gosto! Acho legal!
Paul – Eu gostar de “How could an Angel break my heart”.
Severina – Menino! Se alguém ouve isso...
Paul – Minha amor, isso dizer “como poder uma Angel partir mio corazón”. Pamela ser meu Angel.
Severina – Muito lindo! Achei legal!
(Entra Carminha)
Carminha – Desculpe-me interromper, mas minha mala já chegou?
Severina – Já, sim, e o rapaz deixou também um pó para a senhora experimentar. Ah, dona Carminha, esse aqui é Mister Pow; essa é dona Carminha.
Paul – Mucho prazer!
Carminha – Muito prazer!
Paul – Bem, eu ir zanzar por ai, mas eu voltar poquito después.
Severina – Legal! Até já, Pow!
(Sai Paul)
Carminha – Senti que tem um clima é quente, não é sua danadinha?
Severina – Dona Carminha, não te conto! Esse gringo tá doidinho por mim...
Carminha – Pois, minha filha, se jogue e pegue ele, porque um partido desse é raridade!
Severina – E eu não sei! Já senti o poder do americano. Ai!, Valha me Deus! Já estou aqui contando minhas intimidades. Deixe eu pegar sua bagage (adentra o escritorio).
(Chega Valsinete)
Valsinete – Boa tarde! Tem algum recado pra mim?
Carminha – Eu sei lá!
Valsinete – Primeiro, eu disse boa tarde e você nem respondeu; segundo, isso é jeito de me responder?
Carminha – Ai, meu pai! Primeiro, eu não te conheço; segundo, eu respondo como eu quiser!
Valsinete – Era só o que faltava! O RH desse hotel só deve contratar gentinha!
Carminha – Gentinha o que, sua biscate?! Você não sabe com quem você está falando!
Severina – Meu povo, o que está acontecendo?
Valsinete – É essa bisca que está alterada...
Severina – Olhe, por favor, se acalmem, minhas senhoras...
Carminha – Querida, quer dizer pra essa senhora que eu sou uma hóspede VIP.
Severina – É? É, ela é uma hóspede avia ai PI. (cochicha assustada) Sei nem quem é PI...
Valsinete – A senhora me desculpe! Eu lhe vi ai em pé como dois de paus, pensei que era outra recepcionista. E com licença, porque o ar aqui está pesado (vai saindo).
Carminha – Tem razão, querida. Se você andar, o vento corre e areja o ambiente.
(Sai Valsinete, dando rabissaca)
Severina – Se acalme, dona Carminha. A senhora está nervosa.
Carminha – Olhe como é o destino. Meu faro é bom! Essa biscate ai é a amante de Renan. (chora) Ah, esses dois me pagam hoje!
Severina – Que é isso, dona Carminha! A senhora está enganada, não é não.
Carminha – É sim, minha amiga. Não adianta por panos quentes, não. Meu sexto sentido não falha. Você quer apostar que Renan vai se encontrar com essa quenga aqui depois do expediente?
Severina – Quero apostar não. Faça o seguinte, pegue sua mala e seu pó, vá pro seu quarto, e tome um banho pra esfriar a cabeça, legal?
Carminha – Está certo, minha amiga. Você tem razão. Tenho de recuperar minhas forças. Mas vamos fazer um negócio: (tira o talão de cheques da bolsa) eu lhe dou dez mil pra você me ajudar a pegar os dois no flagra. Você fica aqui de vigia e quando Renan e a requenguela se encontrarem, você me chama, tá fechado?
Severina – Dez mil reais?
Carminha – E é pouco? (faz o cheque)
Severina – Não, é que seu Mesteremi falou pra não se intrometer na vida dos outros...
Carminha – Relegue isso, minha amiga. (entrega o cheque) E que pó é esse?
Severina – (Olha o cheque) É o pó que o homem mandou a senhora experimentar...
Carminha – Tá bom! Vou subir. Qualquer coisa, me chame correndo!
Severina – Legal! Relaxe!
(Sai Carminha)
Severina – (cantarola)
De manhã cedo já tá pintada
Só vive suspirando
Sonhando acordada
O pai leva ao dotô
A filha adoentada
Não come, nem estuda
Não dorme, não quer nada...
Ela só quer
Só pensa em namorar
Ela só quer
Só pensa em namorar...
(Entram Hans Peter e Chiquinho)
Hans Peter – Voilá, cherie!
Chiquinho – Olá, queridinha!
Severina – Oi! Pelo visto a jacuzzi tava era quente!
Hans Peter – Tell me about it! Tudo bem!?
Severina – Tudo legal!
Chiquinho – Gato, tenho de ir, se me pegam aqui, to frito. À noite passo por aqui. Vamos no farol do Mucuripe?
Hans Peter – Oh, my gosh! Com certeza!!
Chiquinho – Combinado, gato! Tchau! Se cuida!
Hans Peter – Take care! Bye!
Severina – Erro Voar!
(Sai Chiquinho)
Hans Peter – Introjetou bem, Mademoiselle Pamela! Parabéns!
Severina – Legal! Rãs Piti, eu posso ir agora no banco pra ver uns negócios rapidinho?
Hans Peter – Sure, darling! Pode ir...
Severina – Legal! Então, erro voar!
Hans Peter – See you later, bitch!
(Sai Severina)
(HP canta) As velas do Mucuripe
Vão sair para pescar
Vou levar as minhas mágoas
Pras águas fundas do mar
Hoje à noite namorar
Calça nova de riscado
Paletó de linho branco
Que até o mês passado
Lá no campo inda era flor
Sob o meu chapéu quebrado
Um sorriso ingênuo e franco
De um rapaz moço encantado
Com vinte anos de amor
Aquela estrela é bela
Vida vento vela levame daqui
Aquela estrela é bela
Vida vento vela leva-me daqui
(Entra Mr. M)
Mr. M. Phillys – Hans Peter, voce está doido? Que cantoria é essa?
Hans Peter – Oh, hi, Mr. M! Sorry! É que me bateu uma felicidade que eu nao pude conter…
Mr. M. Phillys – Pois segure o tchan, Hans Peter! To lutando pra tudo fica nos trinks merketin internacional, e você me arruma uma marmota dessa?
Hans Peter – Ok, Mr. M, you´re right!
Mr. M. Phillys – E está tudo em ordem?
Hans Peter – Tudo perfeito! Maravilhoso! Sem problemas. E o senhor, resolveu tudo?
Mr. M. Phillys – Felizmente foi mais rápido que pensei. Afi, Hans Peter, pense ai num homem que tem muita influência e muito dinheiro. Pronto, é o empreiteiro.
Hans Peter – E o senhor foi resolver coisa com empreiteiro, foi?
Mr. M. Phillys – Ichi! Ligue não, Hans Peter. Foi só uma digressao da minha parte.
(Chega Paul cantarolando)
Paul – You never find
As long as you live
Someone Who loves you
The way I do
Mr. M. Phillys – Eita, Mr. Paul está é muito happy, ou isso aqui está virando um musical.
Hans Peter – Tell me about it!
Paul – Eu estar happy, porque encontrar love de my life…
Mr. M Phillys – Hans Peter, pense numa pessoa que enfeitiça os homens. Pronto, é Mademoiselle Pamela.
Paul – Onde estar Miss Pamela? Eu precisar ver ela.
Mr. M. Phillys – É, Hans Peter, onde se meteu Mademoiselle Pamela?
Hans Peter – A bonita foi ao banco resolver problemas particulares...
Mr. M. Phillys – Olhe, Mr. Paul, enquanto Mademoiselle Pamela não chega, o senhor não quer adiantar o expediente da vistoria no hotel?
Paul – Si, poder ser, mas quando Miss Pamela chegar, eu querer experimentar jacuzzi con ella.
Mr. M – Mr. Paul, o senhor vai acabar se enrolando com Mademoiselle Pamela...
Paul – (decidido) Mas eu querer rolar con ella, eu estar crazy de rolar!
Hans Peter – Oh, my gosh, oh, my gosh, oh my gosh! Não vejo a hora de ver o farol do Mucuripe…
Mr. M. Phillys – Que é isso, Hans Peter? Que sôfrego é esse?
Hans Peter – Pardonnez-moi, monsieur! É que eu entendo a aflição de Mr. Paul...
Mr. M. Phillys – Hum! Abaixe o facho, Hans Peter! Pronto, Mr. Paul, vamos por as coisas nos prumos.
Paul – O que ser pumos?
Mr. M. Phillys – É por as coisas no lugar, Mr. Paul...
(Saem Mr. M e Mr. Paul)
(Entra Deputado Renan)
Renan – Boa tarde, Hans Peter!
Hans Peter – Boa tarde, deputado!
Renan – Tudo em ordem?
Hans Peter – Sim senhor! Tudo em ordem!
Renan – E Genilval, cadê?
Hans Peter – Genil... Ah, Mr. M. Phillys... Está acompanhando o auditor na vistoria do hotel. O senhor quer que eu o chame?
Renan – Se incomode, não. Depois falo com ele... E Severina?
Hans Peter – Desculpe-me, deputado, quem é Severina?
Renan – Ôche, é minha sobrinha. (bravo) E disse a Genilval que era pra você cuidar dela, seu displicente!
Hans Peter – Desculpe-me, deputado, agora que eu vi que o senhor está falando de Mademoiselle Pamela, não é?
Renan – Pra mim, ela é Severina, e não me enrole, não, cadê ela?
Hans Peter – Ela me pediu pra sair, porque precisava ir ao banco...
Renan – Ah, está certo! A bichinha deve ter ido ao banco depositar o dinheirinho que eu dei pra ela ontem... Tadinha, tive de insistir muito pra ela comprar uns perfuminhos, umas roupinhas, uns sapatinhos... Hans Peter, tu que é entendido nessas coisas, tu acha que 50 mil são suficientes pra comprar essas coisas de mulher?
Hans Peter – Oh, my gosh! Claro, dá para o mês inteiro...
Renan – Ótimo! E por falar nisso, eu vou subir pra minha suíte, para tomar um banho e esperar por minha pitéusinha...
Hans Peter – Mademoiselle Pamela pediu para colocar uma garrafa de whisky e um balde de gelo, e vai fazer uma surpresa pro deputado...
Renan – Eita, Hans Peter! Me diga que surpresa é essa?
Hans Peter – Mas, deputado, se eu disser o que é, não será mais surpresa...
Renan – Deixe de embromação, Hans Peter! Conte, logo, conte, conte...
Hans Peter – Mademoiselle Pamela vai performar a dança do ventre em cima da cama só pro deputado se regojizar...
Renan – Vixe, Hans Peter! Só de pensar, eu estou ficando doidinho, roxinho, to explodindo!
Hans Peter – Jesus Christ! Que pavio de pólvora!
Renan – Hans Peter, pra retribuir, eu vou agarrar ela e cantar assim:
Quem não conheçe Severina Xique-xique,
Que montou uma butique para vida melhorar.
Pedro Caroço, filho de Zé Vagamela,
Passa o dia na esquina fazendo aceno para ela.
Ele tá de olho é na butique dela!
Ele tá de olho é na butique dela!
Hans Peter - Deputado, é melhor o senhor subir lá tomar um banho gelado e esperar Mademoiselle Pamela lá!
Renan – Tem razão, Hans Peter. Quando ela chegar, diga que suba imediatamente, na hora, rapidamente, viu?
Hans Peter – Sim, senhor! Tome sua chave, por favor.
Renan – Obrigado! Até já! Ele tá de olho é na butique dela! Ele tá de olho é na butique dela!
(sai Renan, volta Severina)
Hans Peter – (canta)
Ne me quitte pas, il faut oublier
Tout peut s’oublier qui s’enfuit déjà
Oublier le temps des malentendus
Et le temps perdu à savoir comment
Oublier ces heures qui tuaient parfois
A coups de pourquoi le coeur du bonheur
Ne me quitte pas, ne me quitte pas,
Ne me quitte pas
Severina – Eita, Hans Peter! Tá apaixonado?
Hans Peter – Hi, bitch! Diga-me aonde você compra esse mel de atrair macho ou o endereço da feiticeira que você freqüenta!
Severina - Ôche, Hans Peter, que estória é essa?
Hans Peter – Darling, primeiro passou Mr. Paul cheio de amora pra dar, e, em seguida, agorinha, passou o deputado louquinho pra pegar sua boutique!...
Severina – Não estou dizendo que vou precisar mesmo é de uma compressa de gelo hoje! Mas por falar em boutique, você, que é um entendido, me diga ai como eu faço pro meu dinheiro render.
Hans Peter – Ah, uma opção é aplicar no fundo DI, ou por tudo na poupança.
Severina – Legal... E não tem outro lugar pra por não?
Hans Peter - Tem a bolsa, mas é muito arriscado, de repente cai e lá se foi seu dinheiro, darling...
Severina – E tu pensa que eu sou besta de botar na bolsa? Com tanto meliante que anda por ai, eu reparto um tanto no sutiã e outro tanto na calcinha...
Hans Peter – Oh, my gosh!
Severina – Hans Peter, por falar nisso, eu preciso ir na casa de minha colega Vanuzapra pegar a roupa da dança do ventre. Posso ir agora?
Hans Peter – É muito longe?
Severina – Não, é bem pertinho! É aqui no Pirambu.
Hans Peter – Então, vá e volte de taxi. O deputado Renan está subindo pelas paredes. Tome o dinheiro.
Severina – Eu to é gostando de trabalhar aqui no Eni i, eni uai, Rotel In. Nunca vi tanto dinheiro.
Hans Peter – Corra, Pamela, corra!
Severina – To indo, to indo.
(Sai Pamela, entra Valsinete)
Valsinete – Ei, coisinha. Meu primo Marcos Valério me telefonou agora e disse que tinha deixado uma encomenda pra mim. Um pacotinho. Cadê?
Hans Peter – Ele deixou com quem?
Valsinete – Pronto, lá vem o interrogatório de novo. Tome jeito cabra enviesado! Agora quem vai colocar você na berlinda sou eu!
Hans Peter – Desculpe-me, madame! Deve ser esse aqui... (pacote de adesivos)
Valsinete – Deixe comigo. E outra coisa, Marcos Valério disse que conferiu o conteúdo da mala antes de embarcar pra Angola, porque achou ela diferente, vice?
Hans Peter – Oh, my gosh! Nao fui eu quem entregou!
Valsinete – Não se aperreie não! Ele gostou foi muito!
Hans Peter – Thanks god!
Valsinete – Continuando o interrogatório, me diga quem é o homem da grana aqui nesse hotel?
Hans Peter – O investidor é o Deputado Renan, ele botou 5 milhões.
Valsinete – E eu sei...
(Entra Renan)
Renan – Hans Peter, eu estou alucinado, cadê ela? Não agüento mais esperar!
Hans Peter – Calma, deputado, tá encrementando aquele negócio e volta já.
Valsinete – Deputado, já que certas pessoas não têm educação suficiente, quero me apresentar, sou Valcinete, mexo com desembarço aduaneiro, levo e trago de qualquer lugar do mundo.
Renan – Muito prazer, sou Renan do Rego Grande, deputado, aos seus serviços!
Valcinete – Posso aproveitar a oportunidade e ter um dedo de prosa com o deputado?
Renan – Sem problemas, porque agora quero ficar aqui no lobby, porque esse cabra mole deixou nem me chamou pra eu dar pelo menos um cheiro...
Hans Peter – I´m so sorry!
Valcinete – Então, venha cá. (sentam-se) Pelo jeito o senhor gosta de cheirar, não é?
Renan – Olhe, eu não vejo a hora de fungar bem muito, parece que quanto mais você quer, mais vontade dá, não é?
Valcinete – Eu também já senti isso. Meu coração disparou, fiquei num aperreio danado, cheguei até a gritar de tanta agonia no peito. Enquanto não fui pra cama, não me aquetei.
Renan – Por isso que estou aqui... to subindo as paredes...
Valcinete – Se entregue, não reprima não, viu? (segura a mão dele)
Renan – Eu sei, pelo que ele me disse, a viagem dela vai ser curtinha...
Valcinete – Estou aqui do seu lado, não se preocupe. Mas me diga uma coisa, o senhor conhece meu primo, Marcos Valério, não conhece?
Renan – Conheço...
Valcinete – Pois, bem! Ele ficou muito satisfeito e quer fazer muitos negócios com o senhor...
(Entra Carminha cheirada e arma um barrado)
Carminha – Ah, peguei vocês, seus amantes dos infernos!
Renan – Carminha, o que você está fazendo aqui?
Valsinete – Perua desgraçada, você está me perseguindo!
Carminha – Não adianta inverter as bolas não, sua biscate!
Hans Peter – Oh, my gosh, oh, my gosh, oh, my gosh!
Renan – Se componha, Carminha!
Carminha – Como é que você me troca por uma quenga nojenta dessa, seu filho de uma égua!
Valsinete – Quenga é você, filha de rapariga mansa! Eu estou lá atrás de macho de niguém!
Carminha – (Agarra Valsinete e as duas caem no chão, e gritam)
Hans Peter – Oh, my gosh, oh, my gosh, oh, my gosh!
Renan – Hans Peter, pare de girar como enceradeira e me ajude a apartar essa duas!
Hans Peter – Deputado, eu vou chamar é uma ambulância, dona Carminha está se batendo toda, oh, my gosh, oh, my gosh, oh, my gosh!
Carminha – Me dá meu pó, me dá meu pó, vagabunda! (grita)
Renan – Se afasta ai, minha senhora. Hans Peter, deixe a ambulância, vamos levar pro meu carro. O povo não pode ver Carminha nesse estado! Abafe!
(Saem Hans Peter e Ranan com Carminha nos braços, entra Mr. M)
Mr. M. Phillys – Minha senhora, o que estava acontecendo aqui? Ouvi uma gritaria...
Valsinete – A mulher do deputado teve um ataque de overdose. Também, ele comprou uma mala de pó pro dois. Estavam os dois todos alterados, acho que cheiraram até o fundo da mala...
Mr. M. Phillys – Que é isso? Como é que o Deputado me apronta um negócio desse aqui no hotel? Trazer a mulher drogada?
Valsinete – Olhe, eu vou é me embora desse hotel, porque Marcos Valério já está com o dinheiro, e eu vou buscar minha parte. Depois eu vou é pra Paracuru. Ali, sim, eu vou poder descansar, porque aqui é só tem gente pedante.
Mr. M. Phillys – Se acalme, minha senhora. Pernoite aqui e amanhã a senhora faz tudo de cabeça fria e pés quentes.
Valsinete – O problema é que o fiofó fica frouxo e o medo é a sentinela da vida. Fico, não. Vou aproveitar que nem desfiz direito a minha mala. Me dê licença e mande alguém pegar a bagage!
Mr. M. Phillys – Como queira, madame.
(Sai Valsinete, entra Hans Peter)
Mr. M. Phillys – Hans Peter – Que frege foi esse aqui?
Hans Peter – For god sake, Mr. M! Estou passado na farinha de rosca! Aquela dona Valsinete é perigosa, cruz credo!
Mr. M. Phillys – Afrouxe o cinto, ela acabou de subir e vai embora agora. Suba lá, traga as malas e vamos fazer o check out dela.
Hans Peter – Ai que alívio, pensei que ainda iria ficar com marcas!
Mr. M. Phillys – Antes de ficar aliviado, me diga como você pode deixar o Health Club tão esculhambado como daquele jeito? A jacuzzi toda molhada, água pelo chão e um cheiro de furiquinho azedo, isso pode?
Hans Peter – Tell me about it! No idea!
Mr. M. Phillys – E Mr. Paul viu tudo, viu? Mas vá buscar a mala sem alça, depois a gente conversa direitinho.
Hans Peter – Yes, Sir!
(Sai Hans Peter e entra Paul)
Mr. M. Phillys – Vixe! não morre mais, acabei de falar no seu nome.
Paul – Porque falar minha nome?
Mr. M. Phillys – Nada, estava sentindo a sua falta.
Paul – Ok, mas eu sentir falta de Pamela, acho que vai chorar de dor se não ver ela. Por favor, dizer onde ela se esconder!
Mr. M. Phillys – Eu nem sei onde Mademoiselle Pamela se meteu... Quando Hans Peter descer a gente pergunta a ele. Era para ela estar aqui...
Paul – Oh, no! Será que alguém raptar meu princesa. Eu vai matar a bandido, chamar Swat, Interpol and FBI! Isso não poder ficar assim!
Mr. M. Phillys – Calma, Mr. Paul, espere ai. Ela vai aparecer.
(Entra Valsinete)
Paul – Oh, please, a senhora ver Pamela algum lugar?
Valsinete – A última vez que eu vi a coitada, ela estava nas garras daquela bandida escrota, fissurada de pó. Coitada da mocinha, a única pessoa que presta neste hotel!
Paul – Oh, no! A senhora saber pra onde o bandida poder levar Pamela?
Valsinete – Com aquele carregamento, devem ter mandado a coitada pra Ruanda ou qualquer lugar que tenha muito africano.
Paul – Oh, no! Eu precisar salvar ela. Eu não poder viver sem ela!!
(Entra Pamela vestida de dançarina do ventre)
Severina – Oi!
Mr. M. Phillys – Olhe Mademoiselle Pamela ai. Pronto, acabou a agonia, Mr. Paul.
Paul – (corre e se ajoelha aos pés de Severina) Oh, eu estar muito felicidade ver Pamela. Meu princesa bonita! Onde você se esconder?
Severina – Estava escondida não! Fui buscar essa roupa na casa de uma colega...
Paul – (levanta) Eu não vai deixar mais Pamela desaparecer da sua frente. (ficam se olhando hipnoticamente, sem prestar atenção no que acontece ao redor).
(Entra Hans Peter)
Mr. M. Phillys – Pronto, Hans Peter, faça o check out de dona Valsinete.
Hans Peter – Yes, sir. (pega um formulário) Por favor, a senhora gostou do hotel?
Valsinete – Oh, cabra enjoado! Vai fazer pergunta pra sua mãe, nojento, antes que eu meta a mão nas suas fuças..
Hans Peter – Oh, my gosh, oh, my, gosh, oh my gosh!
Mr. M. Phillys – Hans Peter, deixe de ser mole. Pegue as malas dela e bote ela num taxi.
Valsinete – Vamos, seu florzinha!
(Saem Hans Peter e Valsinete)
Mr. M. Phillys – Desculpe interromper esse silêncio eloqüente. Está tudo bem?
Paul – (Sem olhar para Mr. M) Estar todo mucho bien!
(Volta Hans Peter gritando)
Hans Peter - Oh, my gosh, oh, my, gosh, oh my gosh!
Mr. M. Phillys – Que foi, Hans Peter?
Hans Peter – Eu perguntei se ela queria um taxi especial ou um taxi comum, ela meteu a mão na minha cara...
Mr. M. Phillys – Vá logo botar um gelo, senão vai ficar roxo!
Hans Peter – (vai saindo) Oh, my gosh, oh, my, gosh, oh my gosh! Logo hoje que eu vou ver o farol do Mucuripe…
(Entra Renan Furioso)
Renan – Que diabos está acontecendo aqui nesse hotel?
Mr. M. Phillys – Nossa Senhora do Perpetuo Socorro! Agora entrouxou de vez! O que foi, deputado?
Renan – O que foi? Carminha teve uma overdose, o Senador me ligou dizendo pra eu enfiar aquela roupa de travesti e o batom no cu, que o presidente perdeu a votação do imposto por minha culpa, e agora eu pego você alcovitando esse enxerimento com Severina. É pouco? E você seu safado, tire as mãos de cima dela!
Paul – Eu não tirar nada! Pamela ser meu princesa!
Renan – Olhe cabra, você não sabe com quem você está falando. Eu sou deputado e dono desse hotel. Faça o que mando ou mando a polícia federal lhe prender.
Paul – Eu não ter medo de Police e eu ficar con ella!
Renan – To avisando pela última vez, dê o fora daqui!
Mr. M. Phillys – Senhores, acalmem-se! Vamos resolver as coisas civilizadamente. Deixem Mademoiselle Pamela decidir ou tirem a sorte no palitinho.
Paul – Eu concordar que princesa escolher com quem ela querer casar.
Renan – Nem precisa perguntar a ela. Severina, diga ai a esse idiota que ele pode pegar as trouxas dele e voltar pra terrinha dele.
Severina – Eu nunca fui tratada assim na minha vida com tanta consideração como Pow me trata. Eu não quero nem saber se o deputado é poderoso. Eu fico com Pow, se ele me quiser.
Paul – Eu querer ficar com Pamela para siempre!
Renan – Ah é, seus safados, vocês são farinha do mesmo saco. Podem pegar suas trouxas e dêem o fora aqui do meu hotel!
Paul – Eu não querer mesmo ficar nessa hotel furiquinho azeda. Vamos, princesa meu!
(Saem Pamela e Paul)
Mr. M. Phillys – Bem, deputado, e agora, o que eu faço?
Renan – Você vai é cuidar desse puteiro! Já que você fez isso aqui virar uma zona, vou transformar esse hotel em puteiro.
Mr. M. Phillys – Como for da sua vontade, deputado!
Renan - Prepare tudo ai, contrate as meninas e os meninos, que eu vou pra Brasília resolver a questão com o Senador.
Mr. M. Phillys – Tá certo, deputado! Pode deixar. E o senhor se incomoda se eu botar o nome de SPA Relax, pra ficar nos trinks do marketing internacional?
Renan – Pode sim, mas o importante é ter umas quengas bonitas, viu? Agora eu já vou pra Brasília e já aproveito pra convidar os congressistas para a inauguração. Se aprume, viu, homem?
Mr. M. Phillys – Se preocupe não. Boa viagem!
(Sai Renan, entram Paul e Pamela)
Severina – Seu Mesteremi, muito obrigada! A gente já vai.
Mr. M. Phillys – Podem me chamar de Genilval. Sejam bem felizes, viu? Pelo menos uma coisa boa aconteceu...
Paul – Obrigada! Quando for a New York poder procurar nossa casa, Genilval. Adios, amigo!
Mr. M. Phillys – Adeus! Amigos para sempre!
(Saem Pamela e Paul, entra Hans Peter)
Mr. M. Phillys – Hans Peter, pense numa coisa que se transforma e ninguém controla. Pronto, é a vida, Hans Peter, é a vida!

FIM


Hermano Leitão

Leia outras matérias desta seção
 » Mãe de Santo prevê morte
 » Petrobras, a perda trilionária
 » Professor complacente, aluno incompetente
 » Agosto de quem? Sai fora, Dilma!
 » Cinquenta anos em cinco horas
 » Shakespearando
 » Holly Wood Actors
 » Shakespearing
 » Neny Hotel Inn
 » Tratado sobre a burrice ao alcance de todos
 » O$ TRAN$KETEIRO$
 » LULA da SILVA: pragmático ou desnudo?
 » Jean que Ri & Jean que Chora
 » Cavalheiros de Shakespeare
 » Almas suspeitosas
 » Almas Perfumadas

Voltar