» Colunas » História » Caieiras Antiga

Mundo Humano-animal

Era uma vez... voltando de suas compras do armazém, combinada com o destino, a natureza preparou um triste espetáculo para um menino. Forte demais para uma criança tão imatura!

Bairro da Fábrica! (Ind. Melhoramentos de Caieiras). Um menino e o seu cachorrinho Lulu, mestiço basset, preto com um filete branco partindo do queixo, prolongando-se por entre suas patas dianteiras, seguindo até ocultar-se em sua região inferior.

O pequeno cachorro do menino, fora dado ao irmão dele (Walter do Amparo Olympio) por um alemão, o Sr. Glaser.

Retornando do armazém, para evitar de dar a volta pelo local apelidado de “pau-de-amarrá-égua”, o menino com o cachorrinho, optou por cortar caminho por uma trilha em declive que, terminava num plano que antecedia a rua de chão batido (rua de terra sem asfalto) por onde transeuntes seguiam até a Vila Nova ou Vila São Leão.

Naquele fim da trilha, aquele plano terminava no lado de uma pequena construção de tijolos aparentes que era a sorveteria do Sr. Alfredo Satrapa, que, ficava de fronte a cocheira do Sr. Hilário Carezzato... opa... desculpem, cocheira do “cavalo” do Sr. Hilário.

Posteriormente a construção abrigou a oficina mecânica do Sr. Maximo Pastro.
Voltando a menino e seu inseparável cachorrinho, ainda pela metade daquela trilha, sorrateiro surgindo brusca e inesperadamente, um outro cachorro só foi percebido pelo menino quando já tinha abocanhado o Lulu pelo pescoço. Levantou-o para o alto e o chacoalhou, agitou, chacoalhou, agitou, rosnou... ...
Mistura de ódio-rosnar do cachorro grande com doloridos gemidos do cachorro pequeno
Desespero no menino, pânico, pavor, o não saber o que fazer, o susto, paralização corporal, amolecimento das pernas semi-desfalecer, Lulululu- Lulululu!
Nãonãonãonãonão!
Acima, vindo da rua do armazém, uma voz de mulher, um grito uma ordem, interrompeu a fúria do cão policial ou pastor alemão.
Ele deixou o Lulu cair de sua boca e subiu pela trilha atendendo o chamado da dona. A dona, o menino reconheceu! Era a filha do Seo Fartin, alemão, um dos chefões da Ind. Melhoramentos.
Ela nem quis saber se seu cachorro havia machucado o cachorro do menino.
Assustado, chorando, o menino chorou mais quando com o Lulu no colo viu a gravidade do ferimento.
Profundo, faltando parte da carne do pescoço, até via-se o interior da garganta.
Naquele desespero, numa primeira experiência de desamparo, abandono, pareceu ao menino que ninguém mais existia no mundo, só ele e o Lulu, naquele salgado escorrer de lagrimas.
Naquele acariciar amiguinho no colo, um forte remorso identificou-se ao menino, torturando por não ter conseguido proteger o mais fiel amigo.
Angustia também se fez presente pelo receio do cachorro morrer antes do menino retornar para casa com as compras do armazém.
A natureza esteve indiferente quando o cruel destino, provocou no imaturo menino, diversidades de fortes emoções em seus sentimentos ainda tão pueris.
Ele, num segredo infantil, por muitos dias criou contra o cachorro inimigo e sua dona, um sentimento que hoje, entendemos como... ódio.
Felizmente depois de muitos dias de curativos, o Lulu se recuperou e a alegria retornou pela continuidade de sua existência.
Cerca de oito ou dez anos se passaram.
Já moço, o menino mudou-se para o Bairro de Caieiras, ainda dentro do domínio territorial da Ind. Melhoramentos de Papel.
A partir de 1958, quando da emancipação da região, Caieiras continuou como do Município.
O Lulu adaptou-se bem naquela rua dos Coqueiros, onde, residia a irmã do menino de nossa historia (Anita Olimpio casada com Odécio Gardim).
Um dia quando Lulu já era “ancião”, ele fora encontrado estirado naquela rua, por cujos trilhos, ainda passava a “Maquininha” (trenzinho que transportava passageiros do Bairro de Caieiras para o Bairro da Fabrica).
Talvez tivesse sido atropelado por um caminhão, embora não apresentasse ferimentos externos.
Logo após, no “sepultamento” dele, que ocorreu no quintal da casa na Anita, uma duvida apareceu: estaria mesmo morto? Mas ainda estava quente!
Lá, presente naquele dia, a Leda, esposa do “Baltazar” (Gumercindo da Silva) irmã do Odécio e cunhada da Anita, disse que o Lulu estava morto sim porque sua língua estava toda enrolada. Será que estava morto mesmo?
Sei não!
A Anita parece que tinha um poder sobrenatural para atrair bichos.
No quintal daquela casa, em viveiro, havia serelepes (esquilinho), nambu, sabiá, e até traíras que ficavam no tanque de lavar roupas. Uma vez, uma delas mordeu-me um dedo quando fui lavar as mãos.
Nossa que p. susto!
Um belo dia que nem me lembro se choveu o dia todo, apareceu um cachorro de porte médio, amarelo-avermelhado.
Por lá veio visitando e acabou ficando.
Soube-se que ele pertencia ao sogro do Gatinho (Julio Decresci) que morava na Vila Barreiro. Quando já membro da nova família, um dia ele voltou muito ferido. Conclusão: foi-lhe amputada uma pata dianteira inteira que estava dependurada. O simpático cachorro amarelo, reduzido para três quartos no seu caminhar, parece que nem se importou com sua nova situação. O Odécio que era carpinteiro, nem se preocupou em fazer-lhe uma muleta.
E o cachorro, do qual não se sabia o nome, passou ser apelidado com o nome de um alemão que era chefe da Melhoramentos. Que sacanagem!
A monarquia insinuou-se naquela casa coma chegada da Princesa.
Uma cabrita bonita e amistosa que passou a ser o foco das atenções.
Tratada como filha, a Princesa circulava pela casa numa boa. Pelo corredor, quartos e sala. Na cozinha se mantinha mais, pela companhia que gostava com as pessoas da casa.
Um dia... quando a cabrita já havia sido promovida à cabra... ela sumiu!
Procura daqui procura dali e nada!
Princesa... Princesa...
De repente... um grito de pavor ecoou na Rua dos Coqueiros e veio da casa do vizinho. Princesa foi pega no flagra dormindo na cama do casal. Que sururu!
Naquela época, vizinho era o Zinho que casado com a Tutu e pai da Milena, eles moravam com os sogros, Roque e Maria Rita Camargo.
Princesa era só alegria até que resolveu impedir que continuasse solteira. O Odécio foi até o Bairro Cresciúma, que, perdeu este nome para ser Centro de Caieiras. Lá, de um dos membros da Família Berti, ele emprestou um noivo para a Princesa.
Era um bode raça, muito bonito e peludo. Caminhando lado a lado, o bode e o sogro chegaram e se reuniram com o restante da família, Anita e os Filhos Adriano e Cheila.
Foi um amor à primeira vista entre o bode e a Princesa.
Lá na Rua dos Coqueiros, a Lua de Mel transcorreu naquele quintal comprido que terminava a margem do Rio Juquery, isso entre muitos patos e galinhas e cantar de pássaros.
Logo, separação caprina aconteceu quando o Odécio o bode devolveu.
Princesa... que simpatia de animal!
Prenhe, seus filhotes estavam sendo aguardados. Quando chegou a ocasião, muita tristeza compareceu junto.
Um dos cabritinhos (eram três) estava atravessado, impedindo seu nascer e os dos outros. Foi assim que a Princesa morreu.
A presença dela, convém destacar, era muito agradável, engraçado.
Nessa ocasião, o menino do Lulu já era casado e já tinha filhos, que muito se divertiram com aquela cabra e foram fotografados ao lado dela.
E assim entre tristezas e alegrias, a vida continua.

Altino Olimpio

Leia outras matérias desta seção
 » Pedro Delarissa
 » A cadeira do Ditão
 » O lado sombrio da Melhoramentos
 » Os Pardais
 » A Sucuri vomitadora
 » O Segundão do Extra
 » Marreco
 » Um pouco da velha guarda
 » Stoffflauflaff
 » Vivaldi
 » Conversas com caieirenses
 » Zé Marcondes, pessoa especial.Acabou ? Não, está começando...
 » Um Circo em Caieiras
 » A Represa
 » Adeus Vivaldi
 » Grupo Escolar Alfredo Weiszflog
 » A piscina dos alemães
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário Versão II
 » Translado mental ao passado ou a Maquininha
 » Parque de diversões em Caieiras
 » A Loja da Fonsina
 » O caminhão pau de arara
 » A maquininha das nossas vidas
 » A serrinha da saudade e do medo
 » O sorveteiro da Vila Leão
 » Jovens Tardes de Domingo
 » Natal numa casa da Rua Guadalajara
 » Casa da bomba
 » Maquinaia
 » Os "craques" do CRM
 » Nilson da C. e a Perus Pirapora
 » O Fred safena surrupiava peixe do Satrapa.....
 » Brincadeiras na rua 4
 » Igreja do Rosario foi tombada
 » O espia fogo
 » O gago isolado
 » Antigamente tudo era tão diferente
 » O desabafo da Fatinha
 » Os secos e molhados de Caieiras
 » Missa na Igreja N.Sra.do Rosario
 » O Armazém da Fábrica
 » Vem comigo
 » Radio 96,5 fm Antiga Caieiras de nossa gente
 » Cleonice Canella - Bairro da Curva
 » As festas de Santo Antonio
 » Nilda Josephina Pastro
 » O Banheiro da Estação
 » Carne peluda
 » Email da Zenaide A. Angerami
 » Família Vinci
 » Outra história de veado
 » Os veados da Cia Melhoramentos
 » Banho de bacia na Vila Leão
 » Família Baboim
 » Almoço de domingo na Vila Leão
 » Querem salsichada e chopada
 » A salsichada sai ou não sai ?
 » Semana Santa na Vila Leão
 » Estadinho do PIF
 » Outra ausência - Mauri Rodrigues
 » Horto Florestal
 » Toninho Mantovani aparece!
 » Gilberto Lisa (Andú) dá notícias
 » Dona Gioconda Lisa, 93 anos
 » A Rua do Escritório
 » O Pé de Ferro foi embora
 » Um carnaval no salão nobre
 » Vicente e Gioconda Lisa
 » A “República” de Caieiras - 4ª parte
 » D. Lydia Meneghini protesta
 » O vendedor de sandálias havaianas
 » A “República” de Caieiras - 3ª parte
 » A “República” de Caieiras – 2ª parte
 » A “República” de Caieiras - 1ª parte
 » Noite alta e céu risonho
 » A velha Vila Nova – 5ª parte.
 » A velha Vila Nova – 4ª parte
 » Santo Dio, como dizia a nona!
 » A velha Vila Nova - 3ª parte
 » A velha Vila Nova – 2ª parte
 » A velha Vila Nova - 1ª parte
 » Velório dos encontros
 » Espetáculo da vergonha
 » O saudosista
 » As mulheres da plantação
 » Vá catar goiaba
 » Utopia
 » Os mistérios da Volta Fria
 » E.T. na Vila Leão
 » Passeio até a Vila Leão-3a. parte
 » Passeio até a Vila Leão-2a.parte
 » Passeio até a Vila Leão-1a. parte
 » O G.E. Alfredo Weisflog e o caixa
 » A segunda dança no salão nobre
 » Bairro da Curva
 » Vila Pansutti
 » A praça da fábrica
 » A vez do Bairro Chique
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual, a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Nene e a Vila Pereira
 » Histórias do Fred Assoni
 » Lembrando os velhos anos novos
 » No balanço das confusões
 » A cadeira com presentes
 » Mais confidências sôbre o segundão do Extra do CRM
 » Segundão do Extra do CRM
 » A cesta de natal
 » O campinho da vila leão
 » Obras de arte em telas de arame
 » A rua da bomba
 » Mirna Machado escreve ao "Tininho" (Altino)
 » A primeira dança no salão nobre
 » Estação de Caieiras em 1949
 » Também tenho histórias(Nilson Rodrigues)
 » O salão nobre da fábrica
 » Calouros em desfile, lá na fábrica
 » Os jardins da Vila Leao
 » Caieiras pagou pelo mico
 » Fotos só de homens?
 » O conserto da TV
 » O quartinho mal assombrado
 » Toninho de Pádua
 » Confissões melhoramentinas...
 » Dona Cida costureira
 » A família Moraes da Vila Nova, fábrica
 » A ponte romântica
 » Os equilibristas do bairro da fábrica
 » Cemitério de desconhecidos II
 » Cemitério de desconhecidos
 » Sõbre a crônica o apito da fábrica
 » O apito da fábrica
 » Cabelo cheiroso ?
 » Terra da promissão ?
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos II
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos
 » Paraiso perdido dos melhoramentinos
 » A caveira velada ou o malvado Zé Polato
 » A árvore que chora
 » Colchão de palha de milho
 » Amendoim e sorvete de groselha
 » Empilhando latas
 » Harue Sato
 » Bem vinda Fátima Chiati
 » Derrota previsível
 » Futebol ou amendoim?
 » Gente catando lata
 » Família Sato
 » O Jardim de Infância em 1963
 » Turma do cachecol
 » A dupla magistral
 » Ruina decifrada em Caieiras
 » CRM 50 anos
 » Contato feliz
 » Nadando no passado
 » Altino rasgando sêda
 » Professor Alcides
 » Zinho (José Olímpio)
 » O passado se desfazendo (Antonio Nani- Tiro de guerra)
 » Baile da saudade ou....
 » Eu também fui da Cruzadinha
 » Os Pastros da Vila Nova
 » Família Maderick
 » Na fábrica não tinha veado, só na mata
 » Noite de ouro em Jarinu
 » Procura-se
 » Inhá Dalina e Satonino
 » Zé Polato, mais um caieirense se foi...
 » Que Cidadezinha!
 » Jardim dos pedreiros
 » Ecos, apenas ecos
 » Quase entrou no céu
 » Cade você?
 » Pirapora
 » Chaminé da fábrica
 » Coqueiros das recordações
 » Rua dos Coqueiros
 » A cadeira do Ditão
 » Tempos Felizes
 » As dez regras do futebol de rua
 » O mundo era mais infantil
 » Brincando de médico
 » Pau de amarrá égua
 » Crianças obedientes
 » Viagem ao passado
 » Lembrando das procissões
 » Mulheres difíceis
 » O fim do baile
 » Enterro maluco!
 » O mundo parou...
 » Foram dádivas
 » Tudo terminou...
 » Claudio Cardoso escreve
 » Mais uma do Zé Polato
 » Neta do Totó (Antonio A. Vieira) lá do monjolinho
 » Rafael e Ricardo Masini
 » Malas artes
 » O tanque de concreto
 » Saudades, que mentira
 » Bairro da curva
 » Salão nobre
 » Então é assim?
 » Passando pela Rua Tito
 » Filme de uma saudade
 » O trem das oito
 » Dor alemã
 » Terra do esquecimento
 » Passado no Presente
 » Lembranças da "bocha"
 » A vida era uma bocha
 » Saudades do CRM e da Rosana
 » O antigo Cruzeiro da igreja
 » Piquenique e a saudade deles.
 » Passado não passado
 » Saudoso de Caieiras
 » Saudades... Que Mentira!
 » Dor que Mata em Vida
 » A Última Maquininha.
 » Caieiras dos Canibais
 » Dona Maria do Bento Cutia
 » Caieiras Antiga Morrendo
 » Outro Levou a Culpa
 » Passado Erótico
 » Tristezas
 » Proteção Incontestada
 » O Padre gostoso
 » Nem Chaga o Tempo Apaga
 » Pirapora Não Era Como É Agora
 » É o cúmulo, o filósofo queria ser bicha!
 » Festas na Igreja, bons tempos
 » Suruba espiritual
 » Saudades do bairro da fábrica
 » Escandalo no baile
 » Sensação no pau de arara
 » A Torre Solitária
 » Cemitério do mistério
 » Molecagens com o Marcos Muniz
 » Um raro retôrno
 » O menino na ponte
 » Au, au, miau, miau, miau.
 » Casamentos
 » A Ponte dos Desejos
 » Arquivo da memória
 » Homenagem A Uma Gaúcha
 » Primeiro de Maio
 » Parabens Nossa Senhora do Rosário!
 » O trem
 » Papai e Mamãe
 » Esperada Excursão
 » Excursão a Santos
 » Lembranças da “Curva”
 » Assim Surgiu “Caieiras”
 » E-mail de Mirna Machado
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Mirna Machado
 » Salão dos Sonhos
 » Éramos Anjos
 » Um Dia de Pânico
 » Surpresa Sinistra
 » O Espetáculo
 » Uma Noite nas Alturas
 » O Paredão
 » Trilhos da Lembrança
 » Dez de Maio de 2002
 » Também sou Filho de Caieiras -Alceu Massaia
 » E-mail de Alceu Zerbinatti
 » Ilhas das Cobras - Parte 1
 » Ilha das Cobras - Parte 2
 » Ilha das Cobras - Parte 3
 » Peraltices
 » Fogo no Rabo
 » Mascarados
 » Que Aventura
 » O Menino da Serragem
 » O Céu, o Sol e o Lago... Que mais?
 » Apanhei Sim e Daí?
 » O Cucita Banana
 » Breve Retorno
 » Mundo Humano-animal
 » Gente Nossa
 » Rudi Satrapa
 » Esta homenagem fiz aos dois amigos aniversariantes José Polato e Altino Olimpio
 » Caieiras, Nosso Berço, Nossas Raízes
 » Caieiras, 46 anos de idade e outras décadas de história e recordações
 » Saudades da antiga Caieiras, mas feliz com o seu progresso
 » A arte de preservar a memória e a história
 » Imigrantes construíram a história
 » Serpa é localidade antiga da cidade
 » Paródia de músicas juninas
 » Homenagem ao seu aniversário
 » Padre Humberto ampara a comunidade
 » Fonte de fé na igreja Nossa Senhora
 » Igreja de Santo Antonio, 68 anos
 » Obreiros da vida eterna
 » Artistas da região pintam Caieiras
 » Nasce a primeira banda de Caieiras
 » Maestro iniciou a profissionalização
 » Destaques na carreira
 » Destaque para os regentes das bandas
 » Surge uma nova orquestra na cidade
 » Música acompanhava o progresso
 » Corporação Musical Melhoramentos
 » Tião viola
 » Caieirenses fazem sucesso na região
 » Curitiba presidiu o Clube da Fábrica
 » Basquete caieirense revela seu ícone
 » Atleta é colecionador de bicicletas
 » Símbolo do atletismo caieirense
 » Rudi Satrapa
 » Email enviado em 13/08/04 (Rudi Satrapa)
 » Não leia, é para os saudosos
 » Caieiras Vesgavisão apresenta
 » O Começo
 » O Dia em que enrosquei o saco
 » Estavam todas banhadas... ou todos fomos gatos...
 » Vivaldi Nani e o porre nos moleques
 » As bombas de xuxu
 » Cultura e zoologia
 » Ficou na saudade
 » Dicionário Caieirense
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes II
 » Caieiras, quem te viu, quem te vê, te ama e sabe porque !!!
 » De Volta ao passado II - Os apelidos
 » Homenagem de Marlene Sálvio a Caieiras
 » Esta é para o dia de São José
 » O trem que passou na minha vida!
 » O empreendorismo de Assis Fernandes
 » Caieiras que eu conheci

 

Voltar