» Colunas » História » Caieiras Antiga

A velha Vila Nova – 5ª parte.

A velha Vila Nova – 5ª parte.

--Sombra boa aqui, não é leitor. Viu, por falar em baile da Melhor Idade, desde longa data o pessoal daqui já tinha a mania de apelidar tudo. O Baile da Saudade chamavam de Baile do PM (pinto mucho) e agora deram pra falar Baile do E.V. (encoxa véia). Domingo estive lá na Av. Paulista no Clube Homs e lá o baile não era pra melhor idade, era pra pior. Tinha velho que já nem pode com o peso do saco dançando lá... E eu também (risos).  Leitor... Às vezes eu vinha aqui na Vila Nova ver as peladas e ficava louco de vontade de entrar no meio delas.
--Sério mesmo! Disso não fiquei sabendo. Quem eram as mulheres?
--Mulheres? Será que estou falando grego? Cabeça poluída a tua, hein? Pelada cara, racha, jogo de futebol aqui na vila. Mas você hein? Mudando de assunto, está vendo aquele mato ali, esqueci o nome. Servia de haste para rojão, mas, também o chamavam de vara. Você o acendia e ele xxxxxxxxxxxxuuummmm... Pum... pum... pum... A vara também servia para atirá-la ao alto com o estilingue. A molecada da Vila Nova sempre vinha aqui no mato para levar vara comprida. Ah lembrei-me do nome. Aqui tinha um médico que mais atendia as esposas da chefaiada da Cia Melhoramentos. Ele era meio homeopático e nas consultas ele lhes dizia: Minha senhora, teu problema não é orgânico e sim passional. Tome chá de picão preto que a senhora sara. Então cara, o nome desse mato ai é picão.
--Orra meu, cada dia que passa mais eu aprendo, mas, vamos continuar com a descrição dos moradores e suas casas?
--É vamos sim leitor mesmo agora que deu preguiça. Ah, Esqueci de te falar os nomes dos filhos da Esther Pokorni e são eles: Ana Maria, Caio e o Paulinho.
--É mesmo e eu nem me “toquei”. Também pombas, você pula de um assunto pra outro que não tem nada a ver.
--Tens razão, me falta objetividade, sempre cometo digressão. Vamos lá então pra recomeçar “pirulito que bate, bate, pirulito que já bateu. Quem manda em mim é ela e quem manda nela sou eu Tam, tarara tantam. O cravo brigou com a rosa na hora de...” sabe de uma coisa, agora começa a confusão. O Oswaldo Cestarole, a Dirce e as filhas muito simpáticas também moraram por aqui, acho que na casa que era da Esther Pokorni. O Egidio Zanon, esposa e a filha que me lembro, penso eu, morou nesta casa antes da do Joaquim Sanches e Dona Genoefa, pais do Osmar, do Ulisses e da Eunice. Esta outra teria sido do Fernando De Grande com a esposa Julieta e filhos? O vizinho de cima seria o Oswaldo Nardi casado com a irmã da Julieta do Fernando? O Maurício Nardi irmão do Oswaldo, casado com uma das irmãs Ceccatos (uma foi rainha de Caieiras, lembra-se?) se não me engano também morou por aqui. Ah esses dois irmãos Nardis, um era “meia direita” e o outro, “meia esquerda” e como brigavam nos jogos de futebol dos domingos lá no CRM. Se um xingava a mãe do outro, isso não lembro. Não sei mais em que casa, mas, morou também por aqui o Agenor Barnabé e família, e quem mais, quem mais. Hei leitor me ajuda ai, caramba!
--Bom, nesta penúltima casa morava o Antonio Nani.
--Bingooooooooooooooooo. Isso mesmo era casado com uma das filhas do Pino Molo de lá da Rua dos Coqueiros... Será que estou certo? A gente quando chega nessa melhor idade fica sem confiar na memória. E os nomes dos filhos você sabe? Se não souber e quiser saber telefona pro Fred Assoni, mas, tenha cautela porque ele ainda é gago e demora muito pra falar. É pior de quando o Eloy Corradini era gago e eu também era né?
--Você também era gago?
--Orra meu e como era. Minha mãe uma vez me levou num benzedor lá no Sítio do Castanho, hoje lá é um bairro antes de chegar a Jundiaí pela Estrada velha de Campinas. Eu era gago e tinha um caroço no pescoço. O homem disse pra minha mãe que eu ao crescer ia perder a voz.
--Nossa! E ai você perdeu a voz?
--Perdi sim, as duas avós (risos). Bom, aqui estamos na última casa da Vila Nova. Casa do seu Glaser e esposa, ambos alemães. Filhos: Ingrid, João e o Alfredo. O João foi para a aeronáutica e tornou-se piloto de avião de caça. Chique não? Num deles colocaram o apelido de cabeção. Fico imaginando ele lá no fundo do quintal descascando mandioca e a mãe com sotaque alemão chamando-o bem alto pelo apelido... E você imaginou ai? Então leiteiro... Opa, me enganei, é leitor, desculpe. Essa família mudou-se para lá perto da igrejinha na Vila República e depois da morte do progenitor foi embora para o Bairro do Jaraguá. Depois aqui veio morar o Cesar Constantine, a Dona Izabel e as filhas Maria Lucia e Maria José. Esta, a Zezé, ela nos bailes formava par com o Otávio (Bitchim) e como dançavam bem. Casaram-se e éramos amigos.  Eu a chamava de Maria Caxuxa. Não sei se ela se lembra disso. Ai cansei minha beleza hoje.
--Também pudera, você falou, falou e falou. Agradeço-te por este passeio.
--Sabe no que estou pensando? Naquela mulher lá de Campinas. A Vera, irmã do Toninho de Pádua. Ela falou que eu só enrolo e demoro pra contar um caso. Ah, por falar no Toninho, que sacanagem a minha, rapaz. Ele era gamado na minha prima. O nome dela começa com “M” e é bom ocultar o nome dela porque o marido dela pode ouvir e não gostar. Se eu soubesse que ele viria a ser um advogado não o teria impedido de namorar com ela. Paciência né? Coisas da vida. Bom, e agora leitor, nós vamos embora ou você quer continuar a ficar por aqui? É horário de verão e ainda está claro.
--Não sei viu? Será que aqui na Vila Nova ainda tem pé de abacate, de goiaba...
--Só caqui e você vai gostar.
--Como? Que é isso? Está me estranhando?
--Ué estou te dizendo que agora por aqui só tem pé de caqui.
--Ah bom! Pensando bem vamos indo, não quero perder o programa do Datena.
--Tá, tá, tá, mas, dando um fecho aqui na Vila Nova que já não aguentava mais, as pessoas citadas que eram de uma geração anterior à nossa, a do Alcindo Zanon e de outros citados, você sabe né? Quase todos morreram e só sobraram uns dois ou três ou no máximo uma meia dúzia. A vida é assim mesmo. Muitas pessoas ciscam pra cá, ciscam pra lá, fazem isso, fazem aquilo, pensam que são isso, pensam que são aquilo. Alguns pensam que são importantes e outros se julgam superiores e no fim morrem. Ficam esquecidos e até parece que nunca existiram. De vez em quando apenas seus familiares se lembram deles. Entretanto, não estou me referindo aos que aqui moraram. Aqui como em todo o bairro, se alguém tinha mania de grandeza eu não me lembro.
--Concordo, mas, vamos embora.
--Vamos sim amigo leitor. Transpirei muito hoje e perfaz dez dias que eu não tomo banho. Pra que tomar banho? Não tenho nenhuma namorada mesmo?
--Ah, ah, ah, ah, nessa você sai ganhando. Minha esposa me enche saco com isso e se eu não tomar banho ela não me deixa dormir com ela.
--Xi olha lá o carro. Tomou muito sol e deve estar um forno por dentro. Você dirige agora. Eu vou ao banco de trás para dormir um pouco.

                                                                                           Altino Olympio

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Radio 96,5 fm quem se lembra?- atualização
 » O Pau de Sebo
 » Ah! aquele lugar encantado
 » Bairro da Fábrica catando lata
 » Baile na Ponte Seca
 » Caieiras de quando ainda era Cresciuma
 » O rio e a infância da minha vida
 » A Barbearia do Zinho e do Osmar
 » Regressão ao paraíso perdido
 » Radio 96.5 fm
 » Fala Vardinho- O Pedregulho x Charco Fundo
 » Os vendavais de outrora
 » Adeus dia de Finados
 » Existiu um paraíso II
 » Existiu um paraíso III
 » Existiu um paraíso I
 » O cinema pegou fogo
 » Animais no baile
 » Ele foi uma presença marcante
 » Ficou na saudade
 » Tristeza no Paraíso
 » O amendoinzeiro
 » CRM a Verdade sobre o segundão do extra
 » Gritos de desespero   
 » Elpidio Pereira da Silva
 » Como era o nosso mundo
 » Tudo passou e tudo sempre passa
 » Clube da Terceira Idade de Caieiras
 » As locomotivas
 » Dia dos mortos alegre para os vivos
 » O veado do Monjolinho
 » 100 anos da Igreja do Rosário
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário
 » A Vila Leão história agora
 » Os bailes de outrora
 » Tentações religiosas
 » Anito do CRM
 » Fumaça da saudade
 » Homenagem a Fausto Menuchi
 » Minha infância no salão de festas do Brasil F.C.
 » A rua da pensão
 » M.A.B.R.A. o antigo cine-clube Mabra de Perus
 » Sergio Valbuza o Maestro e a cultura em Caieiras
 » troca de emails entre melhoramentinos
 » Tempos antiquados
 » A ponte do encantamento
 » Pedro Delarissa
 » A cadeira do Ditão
 » O lado sombrio da Melhoramentos
 » Os Pardais
 » A Sucuri vomitadora
 » O Segundão do Extra
 » Marreco
 » Um pouco da velha guarda
 » Stoffflauflaff
 » Vivaldi
 » Conversas com caieirenses
 » Zé Marcondes, pessoa especial.Acabou ? Não, está começando...
 » Um Circo em Caieiras
 » A Represa
 » Adeus Vivaldi
 » Grupo Escolar Alfredo Weiszflog
 » A piscina dos alemães
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário Versão II
 » Translado mental ao passado ou a Maquininha
 » Parque de diversões em Caieiras
 » A Loja da Fonsina
 » O caminhão pau de arara
 » A maquininha das nossas vidas
 » A serrinha da saudade e do medo
 » O sorveteiro da Vila Leão
 » Jovens Tardes de Domingo
 » Natal numa casa da Rua Guadalajara
 » Casa da bomba
 » Maquinaia
 » Os "craques" do CRM
 » Nilson da C. e a Perus Pirapora
 » O Fred safena surrupiava peixe do Satrapa.....
 » Brincadeiras na rua 4
 » Igreja do Rosario foi tombada
 » O espia fogo
 » O gago isolado
 » Antigamente tudo era tão diferente
 » O desabafo da Fatinha
 » Os secos e molhados de Caieiras
 » Missa na Igreja N.Sra.do Rosario
 » O Armazém da Fábrica
 » Vem comigo
 » Radio 96,5 fm Antiga Caieiras de nossa gente
 » Cleonice Canella - Bairro da Curva
 » As festas de Santo Antonio
 » Nilda Josephina Pastro
 » O Banheiro da Estação
 » Carne peluda
 » Email da Zenaide A. Angerami
 » Família Vinci
 » Outra história de veado
 » Os veados da Cia Melhoramentos
 » Banho de bacia na Vila Leão
 » Família Baboim
 » Almoço de domingo na Vila Leão
 » Querem salsichada e chopada
 » A salsichada sai ou não sai ?
 » Semana Santa na Vila Leão
 » Estadinho do PIF
 » Outra ausência - Mauri Rodrigues
 » Horto Florestal
 » Toninho Mantovani aparece!
 » Gilberto Lisa (Andú) dá notícias
 » Dona Gioconda Lisa, 93 anos
 » A Rua do Escritório
 » O Pé de Ferro foi embora
 » Um carnaval no salão nobre
 » Vicente e Gioconda Lisa
 » A “República” de Caieiras - 4ª parte
 » D. Lydia Meneghini protesta
 » O vendedor de sandálias havaianas
 » A “República” de Caieiras - 3ª parte
 » A “República” de Caieiras – 2ª parte
 » A “República” de Caieiras - 1ª parte
 » Noite alta e céu risonho
 » A velha Vila Nova – 5ª parte.
 » A velha Vila Nova – 4ª parte
 » Santo Dio, como dizia a nona!
 » A velha Vila Nova - 3ª parte
 » A velha Vila Nova – 2ª parte
 » A velha Vila Nova - 1ª parte
 » Velório dos encontros
 » Espetáculo da vergonha
 » O saudosista
 » As mulheres da plantação
 » Vá catar goiaba
 » Utopia
 » Os mistérios da Volta Fria
 » E.T. na Vila Leão
 » Passeio até a Vila Leão-3a. parte
 » Passeio até a Vila Leão-2a.parte
 » Passeio até a Vila Leão-1a. parte
 » O G.E. Alfredo Weisflog e o caixa
 » A segunda dança no salão nobre
 » Bairro da Curva
 » Vila Pansutti
 » A praça da fábrica
 » A vez do Bairro Chique
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual, a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Nene e a Vila Pereira
 » Histórias do Fred Assoni
 » Lembrando os velhos anos novos
 » No balanço das confusões
 » A cadeira com presentes
 » Mais confidências sôbre o segundão do Extra do CRM
 » Segundão do Extra do CRM
 » A cesta de natal
 » O campinho da vila leão
 » Obras de arte em telas de arame
 » A rua da bomba
 » Mirna Machado escreve ao "Tininho" (Altino)
 » A primeira dança no salão nobre
 » Estação de Caieiras em 1949
 » Também tenho histórias(Nilson Rodrigues)
 » O salão nobre da fábrica
 » Calouros em desfile, lá na fábrica
 » Os jardins da Vila Leao
 » Caieiras pagou pelo mico
 » Fotos só de homens?
 » O conserto da TV
 » O quartinho mal assombrado
 » Toninho de Pádua
 » Confissões melhoramentinas...
 » Dona Cida costureira
 » A família Moraes da Vila Nova, fábrica
 » A ponte romântica
 » Os equilibristas do bairro da fábrica
 » Cemitério de desconhecidos II
 » Cemitério de desconhecidos
 » Sõbre a crônica o apito da fábrica
 » O apito da fábrica
 » Cabelo cheiroso ?
 » Terra da promissão ?
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos II
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos
 » Paraiso perdido dos melhoramentinos
 » A caveira velada ou o malvado Zé Polato
 » A árvore que chora
 » Colchão de palha de milho
 » Amendoim e sorvete de groselha
 » Empilhando latas
 » Harue Sato
 » Bem vinda Fátima Chiati
 » Derrota previsível
 » Futebol ou amendoim?
 » Gente catando lata
 » Família Sato
 » O Jardim de Infância em 1963
 » Turma do cachecol
 » A dupla magistral
 » Ruina decifrada em Caieiras
 » CRM 50 anos
 » Contato feliz
 » Nadando no passado
 » Altino rasgando sêda
 » Professor Alcides
 » Zinho (José Olímpio)
 » O passado se desfazendo (Antonio Nani- Tiro de guerra)
 » Baile da saudade ou....
 » Eu também fui da Cruzadinha
 » Os Pastros da Vila Nova
 » Família Maderick
 » Na fábrica não tinha veado, só na mata
 » Noite de ouro em Jarinu
 » Procura-se
 » Inhá Dalina e Satonino
 » Zé Polato, mais um caieirense se foi...
 » Que Cidadezinha!
 » Jardim dos pedreiros
 » Ecos, apenas ecos
 » Quase entrou no céu
 » Cade você?
 » Pirapora
 » Chaminé da fábrica
 » Coqueiros das recordações
 » Rua dos Coqueiros
 » A cadeira do Ditão
 » Tempos Felizes
 » As dez regras do futebol de rua
 » O mundo era mais infantil
 » Brincando de médico
 » Pau de amarrá égua
 » Crianças obedientes
 » Viagem ao passado
 » Lembrando das procissões
 » Mulheres difíceis
 » O fim do baile
 » Enterro maluco!
 » O mundo parou...
 » Foram dádivas
 » Tudo terminou...
 » Claudio Cardoso escreve
 » Mais uma do Zé Polato
 » Neta do Totó (Antonio A. Vieira) lá do monjolinho
 » Rafael e Ricardo Masini
 » Malas artes
 » O tanque de concreto
 » Saudades, que mentira
 » Bairro da curva
 » Salão nobre
 » Então é assim?
 » Passando pela Rua Tito
 » Filme de uma saudade
 » O trem das oito
 » Dor alemã
 » Terra do esquecimento
 » Passado no Presente
 » Lembranças da "bocha"
 » A vida era uma bocha
 » Saudades do CRM e da Rosana
 » O antigo Cruzeiro da igreja
 » Piquenique e a saudade deles.
 » Passado não passado
 » Saudoso de Caieiras
 » Saudades... Que Mentira!
 » Dor que Mata em Vida
 » A Última Maquininha.
 » Caieiras dos Canibais
 » Dona Maria do Bento Cutia
 » Caieiras Antiga Morrendo
 » Outro Levou a Culpa
 » Passado Erótico
 » Tristezas
 » Proteção Incontestada
 » O Padre gostoso
 » Nem Chaga o Tempo Apaga
 » Pirapora Não Era Como É Agora
 » É o cúmulo, o filósofo queria ser bicha!
 » Festas na Igreja, bons tempos
 » Suruba espiritual
 » Saudades do bairro da fábrica
 » Escandalo no baile
 » Sensação no pau de arara
 » A Torre Solitária
 » Cemitério do mistério
 » Molecagens com o Marcos Muniz
 » Um raro retôrno
 » O menino na ponte
 » Au, au, miau, miau, miau.
 » Casamentos
 » A Ponte dos Desejos
 » Arquivo da memória
 » Homenagem A Uma Gaúcha
 » Primeiro de Maio
 » Parabens Nossa Senhora do Rosário!
 » O trem
 » Papai e Mamãe
 » Esperada Excursão
 » Excursão a Santos
 » Lembranças da “Curva”
 » Assim Surgiu “Caieiras”
 » E-mail de Mirna Machado
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Mirna Machado
 » Salão dos Sonhos
 » Éramos Anjos
 » Um Dia de Pânico
 » Surpresa Sinistra
 » O Espetáculo
 » Uma Noite nas Alturas
 » O Paredão
 » Trilhos da Lembrança
 » Dez de Maio de 2002
 » Também sou Filho de Caieiras -Alceu Massaia
 » E-mail de Alceu Zerbinatti
 » Ilhas das Cobras - Parte 1
 » Ilha das Cobras - Parte 2
 » Ilha das Cobras - Parte 3
 » Peraltices
 » Fogo no Rabo
 » Mascarados
 » Que Aventura
 » O Menino da Serragem
 » O Céu, o Sol e o Lago... Que mais?
 » Apanhei Sim e Daí?
 » O Cucita Banana
 » Breve Retorno
 » Mundo Humano-animal
 » Gente Nossa
 » Rudi Satrapa
 » Esta homenagem fiz aos dois amigos aniversariantes José Polato e Altino Olimpio
 » Caieiras, Nosso Berço, Nossas Raízes
 » Caieiras, 46 anos de idade e outras décadas de história e recordações
 » Saudades da antiga Caieiras, mas feliz com o seu progresso
 » A arte de preservar a memória e a história
 » Imigrantes construíram a história
 » Serpa é localidade antiga da cidade
 » Paródia de músicas juninas
 » Homenagem ao seu aniversário
 » Padre Humberto ampara a comunidade
 » Fonte de fé na igreja Nossa Senhora
 » Igreja de Santo Antonio, 68 anos
 » Obreiros da vida eterna
 » Artistas da região pintam Caieiras
 » Nasce a primeira banda de Caieiras
 » Maestro iniciou a profissionalização
 » Destaques na carreira
 » Destaque para os regentes das bandas
 » Surge uma nova orquestra na cidade
 » Música acompanhava o progresso
 » Corporação Musical Melhoramentos
 » Tião viola
 » Caieirenses fazem sucesso na região
 » Curitiba presidiu o Clube da Fábrica
 » Basquete caieirense revela seu ícone
 » Atleta é colecionador de bicicletas
 » Símbolo do atletismo caieirense
 » Rudi Satrapa
 » Email enviado em 13/08/04 (Rudi Satrapa)
 » Não leia, é para os saudosos
 » Caieiras Vesgavisão apresenta
 » O Começo
 » O Dia em que enrosquei o saco
 » Estavam todas banhadas... ou todos fomos gatos...
 » Vivaldi Nani e o porre nos moleques
 » As bombas de xuxu
 » Cultura e zoologia
 » Ficou na saudade
 » Dicionário Caieirense
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes II
 » Caieiras, quem te viu, quem te vê, te ama e sabe porque !!!
 » De Volta ao passado II - Os apelidos
 » Homenagem de Marlene Sálvio a Caieiras
 » Esta é para o dia de São José
 » O trem que passou na minha vida!
 » O empreendorismo de Assis Fernandes
 » Caieiras que eu conheci

 

Voltar