» Colunas » História » Caieiras Antiga

Uma Noite nas Alturas

Foi num dia de semana, desses que quem não tem o que fazer procura como se satisfazer. Eu e os dois primos, Bitchin e Valdir Botoni fomos com as nossas presenças enfeitar o Brasil Futebol Clube lá no Bairro do Monjolinho. Não me lembro se naquele dia houve algum evento por lá. Talvez não, porque, mais ficamos na sala de jogos e isso quer dizer que por lá, as mocinhas das nossas simpatias não estavam. Mocinhas! Naqueles tempos, parece que só se pensava nisso. Se bem que, ainda hoje pensar em mocinhas é bem melhor. Já há algum tempo jogando snooker naquele local, nós três, talvez, decepcionados com nossa falta de sorte pela “viagem não ter dado certo”, quase não vimos o tempo passar, se é que alguém vê. Num dado momento, aproveitando-se de uma distração do Valdir, o Bitchin me fez uma proposta irrecusável. “Viu, meu primo é meio cu doce mesmo e já que vamos embora a pé, que tal comprarmos uma garrafa de pinga para só ele beber e nós dois só fingiremos beber para só ele ficar bêbado?” Achei a idéia genial e assim, pouco antes da meia-noite, deixamos aquele clube e pela escuridão da subida da torre, conforme era conhecida àquela estrada de chão batido entre os eucaliptos e pinhos da Indústria Melhoramentos, iniciamos os nossos retornos para o Bairro da Fábrica.

 

Entre brincadeiras e gargalhadas, a garrafa de pinga passava de mãos em mãos e eu cumprindo a minha parte no acordo, fingindo beber também, não engoli uma gota sequer daquele precioso líquido e pensando que o Bitchin também não. Se me lembro, o trajeto devia consumir cerca de uma hora caminhando-se normalmente, mas, demorou mais por causa das brincadeiras e algumas paradas para algumas piadas de um sobre o outro naquele “vocês não são de nada mesmo, só eu é que estou bebendo”.E naquela algazarra, quase sem nos darmos conta, chegamos ao Bairro da Fábrica no local onde deveríamos nos despedir. Paramos ao lado de um poste no início da subida da Vila Nova é só então na claridade tive a certeza que alguém havia quebrado o acordo. Falei para o Valdir “escuta, teu primo parece que não está bem. Seria melhor...” E ele me interrompendo foi dizendo “vocês dois são veados, vão toma naquele lugar que eu vou pra casa”.Deixou-nos e eu, disse para o Bitchin, “fique aqui, sente-se aqui na base do poste que eu vou ver se o teu primo está indo bem, porque, se ele estiver mesmo de fogo, pode-lhe acontecer alguma coisa e ele indo agora sozinho para a Vila Leão, é até capaz de cair no rio”.Olhei pela rua deserta e fracamente iluminada por onde o Valdir se dirigiu, mas eu não o vi. Talvez, pensei, já tendo passado defronte de minha casa e estando agora próximo ou depois da Vila “Ilha das Cobras”, esteja indo bem.

 

Retornei para junto do Bitchin, inclusive para admoestá-lo pela sua quebra do acordo, pois, percebi, foi quem mais bebeu. Mas, ele já não me escutava. Dei-lhe um tapa na cara para reabilitá-lo, e nada. Naquele silêncio e naquele não se sabe o que fazer, ele abriu a boca e como estava sentado sob a lâmpada do poste, despejou por entre as pernas o que lhe estava no estômago. Claro, estava sem mira, porque, a calça do seu terno, recebeu aquele batismo nas regiões dos joelhos. “Ele é bem magro e será fácil carregá-lo para casa” pensei. Mas, qual o que, estava pesado como chumbo. Ao tentar removê-lo, só consegui demovê-lo da posição de sentado para a posição de deitado e assim ele ficou estirado no chão, tendo-me ao lado sem forças para novamente sentá-lo ou levantá-lo.

 

Que fazer? Nenhuma alma por ali para me ajudar. Não devia ir chamar alguém de sua família porque, se a mãe dele o vir assim, ela irá se assustar. Que sofrimento! Por falar nisso, eu sofri tanto na vida que se alguém soubesse iria me compreender melhor. Naquele momento, eu me lembrei do Sr. Cambuquira, sendo ele um especialista etílico e tio do Sr. Edson Navarro, ele sempre dava bons conselhos para se evitar exageros com as bebidas. Nessa lembrança, ocorreu-me à idéia de ir pedir ajuda ao Máximo Pastro, pois, ele era muito forte e até sozinho poderia carregar o meu amigo e levá-lo embora daquele lugar. Deixei-o então e me dirigi à casa do Máximo, que era perto e na Vila Nova onde, ele era vizinho do Bicthin. Passei pelo portão, naquele cheiro da árvore “Dama da Noite” que exalava por ali e na área de entrada da casa, interrompi o silêncio da madrugada dando algumas batidas na porta. Bati novamente e a voz da mãe do Máximo se fez ouvir: “Quem é?” Dizendo meu nome acrescentei “eu preciso falar com o Máximo”. “O que? Mas isso é hora de você bater na porta?” Resmungou ela enquanto a abriu e junto a ela já estava o filho que mais me pareceu ser uma zebra. Estava ele com um pijama listado e eu até então, não tivera a felicidade de possuir um. Expliquei-lhes o meu problema e o Máximo como estava trajado e calçando chinelos, acompanhou-me para irmos buscar o amigo que estava alheio a qualquer preocupação com a vida.

 

Da esquina da primeira casa daquela vila e onde morava o Sr. Hilário e a Sra. Bruna Carezatto, já se avistava pela rua em declive, o poste onde ao lado dele deveríamos ver quem iríamos atender. “Cadê ele, não está lá” perguntou o Máximo. “É mesmo, será que...” fui tentando responder, mas, ao darmos mais uns passos... “Está lá sim, quase não dá para ver porque...” e foi quando o Máximo caiu na gargalhada provocando também a minha. Nós não conseguimos carregar o rapaz de tão pesado que ele estava. Entre nós dois e com cada um dos braços apoiados ao redor dos nossos pescoços, não conseguimos evitar que seus pés se arrastassem pelo chão, como querendo provocar duas riscas no solo com os bicos dos sapatos que, ao se esfolarem, trepidavam sonoramente entre as pedras soltas da rua. No que faltava para terminar aquela noite, o Bitchin sem saber, dormiu na casa e no mesmo quarto com o Máximo. Com o sol já bem adiantado pelo seu trajeto pelo céu, fui saber se o acontecido terminou bem. Fui informado que o rapaz já restabelecido já tinha ido para sua casa e para lá fui também para esclarecer algum “mal entendido”.

 

Bem entendido, foi uma tremenda “enrabada” que o pai dele me deu. Pegou “pesado” comigo e não permitiu que eu me explicasse. Tentei dizer “eu não podia trazê-lo para esta casa porque, sua esposa poderia se impressionar com a situação dele e...” E ele interrompia “nada disso, quando você sai com um amigo, você tem que levá-lo para casa e não para a casa dos outros. Todo mundo lá na fabricação de papel está sabendo dessa humilhação. Você não é amigo”. Pois é! Nem sinal do Valdir. Nenhuma solidariedade dele. Agüentei a enrabada sozinho. Sendo o mais velho dos três, o Valdir devia, pelo menos, demonstrar alguma preocupação, alguma responsabilidade e que nada, para ele foi como se nada tivesse acontecido. Isso deu a perceber o quanto eu já sofri nesta vida. Tendo partido precocemente desta para uma melhor, o Bitchin foi um dos meus melhores amigos e aqui brincando com as verdades, eu fiz esta homenagem a ele. O Valdir, não sei se ainda é meio doce como disse o seu primo, ele continua pela região, acredito, em Mairiporã.


Altino Olimpio

Leia outras matérias desta seção
 » Radio 96,5 fm quem se lembra?- atualização
 » O Pau de Sebo
 » Ah! aquele lugar encantado
 » Bairro da Fábrica catando lata
 » Baile na Ponte Seca
 » Caieiras de quando ainda era Cresciuma
 » O rio e a infância da minha vida
 » A Barbearia do Zinho e do Osmar
 » Regressão ao paraíso perdido
 » Radio 96.5 fm
 » Fala Vardinho- O Pedregulho x Charco Fundo
 » Os vendavais de outrora
 » Adeus dia de Finados
 » Existiu um paraíso II
 » Existiu um paraíso III
 » Existiu um paraíso I
 » O cinema pegou fogo
 » Animais no baile
 » Ele foi uma presença marcante
 » Ficou na saudade
 » Tristeza no Paraíso
 » O amendoinzeiro
 » CRM a Verdade sobre o segundão do extra
 » Gritos de desespero   
 » Elpidio Pereira da Silva
 » Como era o nosso mundo
 » Tudo passou e tudo sempre passa
 » Clube da Terceira Idade de Caieiras
 » As locomotivas
 » Dia dos mortos alegre para os vivos
 » O veado do Monjolinho
 » 100 anos da Igreja do Rosário
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário
 » A Vila Leão história agora
 » Os bailes de outrora
 » Tentações religiosas
 » Anito do CRM
 » Fumaça da saudade
 » Homenagem a Fausto Menuchi
 » Minha infância no salão de festas do Brasil F.C.
 » A rua da pensão
 » M.A.B.R.A. o antigo cine-clube Mabra de Perus
 » Sergio Valbuza o Maestro e a cultura em Caieiras
 » troca de emails entre melhoramentinos
 » Tempos antiquados
 » A ponte do encantamento
 » Pedro Delarissa
 » A cadeira do Ditão
 » O lado sombrio da Melhoramentos
 » Os Pardais
 » A Sucuri vomitadora
 » O Segundão do Extra
 » Marreco
 » Um pouco da velha guarda
 » Stoffflauflaff
 » Vivaldi
 » Conversas com caieirenses
 » Zé Marcondes, pessoa especial.Acabou ? Não, está começando...
 » Um Circo em Caieiras
 » A Represa
 » Adeus Vivaldi
 » Grupo Escolar Alfredo Weiszflog
 » A piscina dos alemães
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário Versão II
 » Translado mental ao passado ou a Maquininha
 » Parque de diversões em Caieiras
 » A Loja da Fonsina
 » O caminhão pau de arara
 » A maquininha das nossas vidas
 » A serrinha da saudade e do medo
 » O sorveteiro da Vila Leão
 » Jovens Tardes de Domingo
 » Natal numa casa da Rua Guadalajara
 » Casa da bomba
 » Maquinaia
 » Os "craques" do CRM
 » Nilson da C. e a Perus Pirapora
 » O Fred safena surrupiava peixe do Satrapa.....
 » Brincadeiras na rua 4
 » Igreja do Rosario foi tombada
 » O espia fogo
 » O gago isolado
 » Antigamente tudo era tão diferente
 » O desabafo da Fatinha
 » Os secos e molhados de Caieiras
 » Missa na Igreja N.Sra.do Rosario
 » O Armazém da Fábrica
 » Vem comigo
 » Radio 96,5 fm Antiga Caieiras de nossa gente
 » Cleonice Canella - Bairro da Curva
 » As festas de Santo Antonio
 » Nilda Josephina Pastro
 » O Banheiro da Estação
 » Carne peluda
 » Email da Zenaide A. Angerami
 » Família Vinci
 » Outra história de veado
 » Os veados da Cia Melhoramentos
 » Banho de bacia na Vila Leão
 » Família Baboim
 » Almoço de domingo na Vila Leão
 » Querem salsichada e chopada
 » A salsichada sai ou não sai ?
 » Semana Santa na Vila Leão
 » Estadinho do PIF
 » Outra ausência - Mauri Rodrigues
 » Horto Florestal
 » Toninho Mantovani aparece!
 » Gilberto Lisa (Andú) dá notícias
 » Dona Gioconda Lisa, 93 anos
 » A Rua do Escritório
 » O Pé de Ferro foi embora
 » Um carnaval no salão nobre
 » Vicente e Gioconda Lisa
 » A “República” de Caieiras - 4ª parte
 » D. Lydia Meneghini protesta
 » O vendedor de sandálias havaianas
 » A “República” de Caieiras - 3ª parte
 » A “República” de Caieiras – 2ª parte
 » A “República” de Caieiras - 1ª parte
 » Noite alta e céu risonho
 » A velha Vila Nova – 5ª parte.
 » A velha Vila Nova – 4ª parte
 » Santo Dio, como dizia a nona!
 » A velha Vila Nova - 3ª parte
 » A velha Vila Nova – 2ª parte
 » A velha Vila Nova - 1ª parte
 » Velório dos encontros
 » Espetáculo da vergonha
 » O saudosista
 » As mulheres da plantação
 » Vá catar goiaba
 » Utopia
 » Os mistérios da Volta Fria
 » E.T. na Vila Leão
 » Passeio até a Vila Leão-3a. parte
 » Passeio até a Vila Leão-2a.parte
 » Passeio até a Vila Leão-1a. parte
 » O G.E. Alfredo Weisflog e o caixa
 » A segunda dança no salão nobre
 » Bairro da Curva
 » Vila Pansutti
 » A praça da fábrica
 » A vez do Bairro Chique
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual, a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Nene e a Vila Pereira
 » Histórias do Fred Assoni
 » Lembrando os velhos anos novos
 » No balanço das confusões
 » A cadeira com presentes
 » Mais confidências sôbre o segundão do Extra do CRM
 » Segundão do Extra do CRM
 » A cesta de natal
 » O campinho da vila leão
 » Obras de arte em telas de arame
 » A rua da bomba
 » Mirna Machado escreve ao "Tininho" (Altino)
 » A primeira dança no salão nobre
 » Estação de Caieiras em 1949
 » Também tenho histórias(Nilson Rodrigues)
 » O salão nobre da fábrica
 » Calouros em desfile, lá na fábrica
 » Os jardins da Vila Leao
 » Caieiras pagou pelo mico
 » Fotos só de homens?
 » O conserto da TV
 » O quartinho mal assombrado
 » Toninho de Pádua
 » Confissões melhoramentinas...
 » Dona Cida costureira
 » A família Moraes da Vila Nova, fábrica
 » A ponte romântica
 » Os equilibristas do bairro da fábrica
 » Cemitério de desconhecidos II
 » Cemitério de desconhecidos
 » Sõbre a crônica o apito da fábrica
 » O apito da fábrica
 » Cabelo cheiroso ?
 » Terra da promissão ?
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos II
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos
 » Paraiso perdido dos melhoramentinos
 » A caveira velada ou o malvado Zé Polato
 » A árvore que chora
 » Colchão de palha de milho
 » Amendoim e sorvete de groselha
 » Empilhando latas
 » Harue Sato
 » Bem vinda Fátima Chiati
 » Derrota previsível
 » Futebol ou amendoim?
 » Gente catando lata
 » Família Sato
 » O Jardim de Infância em 1963
 » Turma do cachecol
 » A dupla magistral
 » Ruina decifrada em Caieiras
 » CRM 50 anos
 » Contato feliz
 » Nadando no passado
 » Altino rasgando sêda
 » Professor Alcides
 » Zinho (José Olímpio)
 » O passado se desfazendo (Antonio Nani- Tiro de guerra)
 » Baile da saudade ou....
 » Eu também fui da Cruzadinha
 » Os Pastros da Vila Nova
 » Família Maderick
 » Na fábrica não tinha veado, só na mata
 » Noite de ouro em Jarinu
 » Procura-se
 » Inhá Dalina e Satonino
 » Zé Polato, mais um caieirense se foi...
 » Que Cidadezinha!
 » Jardim dos pedreiros
 » Ecos, apenas ecos
 » Quase entrou no céu
 » Cade você?
 » Pirapora
 » Chaminé da fábrica
 » Coqueiros das recordações
 » Rua dos Coqueiros
 » A cadeira do Ditão
 » Tempos Felizes
 » As dez regras do futebol de rua
 » O mundo era mais infantil
 » Brincando de médico
 » Pau de amarrá égua
 » Crianças obedientes
 » Viagem ao passado
 » Lembrando das procissões
 » Mulheres difíceis
 » O fim do baile
 » Enterro maluco!
 » O mundo parou...
 » Foram dádivas
 » Tudo terminou...
 » Claudio Cardoso escreve
 » Mais uma do Zé Polato
 » Neta do Totó (Antonio A. Vieira) lá do monjolinho
 » Rafael e Ricardo Masini
 » Malas artes
 » O tanque de concreto
 » Saudades, que mentira
 » Bairro da curva
 » Salão nobre
 » Então é assim?
 » Passando pela Rua Tito
 » Filme de uma saudade
 » O trem das oito
 » Dor alemã
 » Terra do esquecimento
 » Passado no Presente
 » Lembranças da "bocha"
 » A vida era uma bocha
 » Saudades do CRM e da Rosana
 » O antigo Cruzeiro da igreja
 » Piquenique e a saudade deles.
 » Passado não passado
 » Saudoso de Caieiras
 » Saudades... Que Mentira!
 » Dor que Mata em Vida
 » A Última Maquininha.
 » Caieiras dos Canibais
 » Dona Maria do Bento Cutia
 » Caieiras Antiga Morrendo
 » Outro Levou a Culpa
 » Passado Erótico
 » Tristezas
 » Proteção Incontestada
 » O Padre gostoso
 » Nem Chaga o Tempo Apaga
 » Pirapora Não Era Como É Agora
 » É o cúmulo, o filósofo queria ser bicha!
 » Festas na Igreja, bons tempos
 » Suruba espiritual
 » Saudades do bairro da fábrica
 » Escandalo no baile
 » Sensação no pau de arara
 » A Torre Solitária
 » Cemitério do mistério
 » Molecagens com o Marcos Muniz
 » Um raro retôrno
 » O menino na ponte
 » Au, au, miau, miau, miau.
 » Casamentos
 » A Ponte dos Desejos
 » Arquivo da memória
 » Homenagem A Uma Gaúcha
 » Primeiro de Maio
 » Parabens Nossa Senhora do Rosário!
 » O trem
 » Papai e Mamãe
 » Esperada Excursão
 » Excursão a Santos
 » Lembranças da “Curva”
 » Assim Surgiu “Caieiras”
 » E-mail de Mirna Machado
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Mirna Machado
 » Salão dos Sonhos
 » Éramos Anjos
 » Um Dia de Pânico
 » Surpresa Sinistra
 » O Espetáculo
 » Uma Noite nas Alturas
 » O Paredão
 » Trilhos da Lembrança
 » Dez de Maio de 2002
 » Também sou Filho de Caieiras -Alceu Massaia
 » E-mail de Alceu Zerbinatti
 » Ilhas das Cobras - Parte 1
 » Ilha das Cobras - Parte 2
 » Ilha das Cobras - Parte 3
 » Peraltices
 » Fogo no Rabo
 » Mascarados
 » Que Aventura
 » O Menino da Serragem
 » O Céu, o Sol e o Lago... Que mais?
 » Apanhei Sim e Daí?
 » O Cucita Banana
 » Breve Retorno
 » Mundo Humano-animal
 » Gente Nossa
 » Rudi Satrapa
 » Esta homenagem fiz aos dois amigos aniversariantes José Polato e Altino Olimpio
 » Caieiras, Nosso Berço, Nossas Raízes
 » Caieiras, 46 anos de idade e outras décadas de história e recordações
 » Saudades da antiga Caieiras, mas feliz com o seu progresso
 » A arte de preservar a memória e a história
 » Imigrantes construíram a história
 » Serpa é localidade antiga da cidade
 » Paródia de músicas juninas
 » Homenagem ao seu aniversário
 » Padre Humberto ampara a comunidade
 » Fonte de fé na igreja Nossa Senhora
 » Igreja de Santo Antonio, 68 anos
 » Obreiros da vida eterna
 » Artistas da região pintam Caieiras
 » Nasce a primeira banda de Caieiras
 » Maestro iniciou a profissionalização
 » Destaques na carreira
 » Destaque para os regentes das bandas
 » Surge uma nova orquestra na cidade
 » Música acompanhava o progresso
 » Corporação Musical Melhoramentos
 » Tião viola
 » Caieirenses fazem sucesso na região
 » Curitiba presidiu o Clube da Fábrica
 » Basquete caieirense revela seu ícone
 » Atleta é colecionador de bicicletas
 » Símbolo do atletismo caieirense
 » Rudi Satrapa
 » Email enviado em 13/08/04 (Rudi Satrapa)
 » Não leia, é para os saudosos
 » Caieiras Vesgavisão apresenta
 » O Começo
 » O Dia em que enrosquei o saco
 » Estavam todas banhadas... ou todos fomos gatos...
 » Vivaldi Nani e o porre nos moleques
 » As bombas de xuxu
 » Cultura e zoologia
 » Ficou na saudade
 » Dicionário Caieirense
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes II
 » Caieiras, quem te viu, quem te vê, te ama e sabe porque !!!
 » De Volta ao passado II - Os apelidos
 » Homenagem de Marlene Sálvio a Caieiras
 » Esta é para o dia de São José
 » O trem que passou na minha vida!
 » O empreendorismo de Assis Fernandes
 » Caieiras que eu conheci

 

Voltar