» Colunas » História » Caieiras Antiga

Surpresa Sinistra

Vinda da fábrica de papel, a estreita rua de terra, depois da casa onde nasci, prosseguia para a Vila Ilha das Cobras e até a Vila Leão. Aquele lugar onde eu morava e estando ainda na minha memória, constituído por três casas duplas para abrigar seis famílias, o lugar não tinha e nunca teve um nome, mas, diziam que ele pertencia à Vila Nova. È que, seus quintais em suave aclive terminavam nas divisas com os quintais daquela vila. Na primeira casa do grupo das três em questão, morava o “nono” Bertollazi com sua esposa Dona Tereza e seus filhos. Colada a primeira, na segunda casa morava o casal Francisco (Chico) e Nilda Pastro e filhos. Depois de um espaço entre as casas, na terceira, eu morava com os meus pais Alberto e Carmem Olimpio, Walter e Anita, meus irmãos. Conjugada com a nossa e sendo a quarta casa, nela, com os filhos morava o casal Antonio e Conceição Polato. Um outro espaço e na quinta casa quem morava era o casal Danilo e Tonica Valbuza e filhos. Conjugada a eles, a sexta e última casa, era a moradia de Domitílio da Silva, de sua esposa Luiza e dos filhos. A primeira, a terceira e a quinta casa, elas tinham suas cozinhas voltadas para o quintal do fundo e seus dormitórios para a rua. A segunda, a quarta e a sexta casa, elas tinham suas cozinhas de frente para seus jardins e para a rua e, seus dormitórios para o lado dos fundos dos quintais. As de número par tinham dois dormitórios e as de número ímpar tinham três Como as casas estavam num nível superior ao da rua, a partir dela, existiam seis escadas de acesso para elas.

 

Defronte, do outro lado da rua, acompanhando toda a extensão do alinhamento das casas, havia uma cerca comum e logo depois dela, uma ribanceira ia terminar por sob o rio. Da rua até o rio, a ribanceira também eram quintais divididos entre os moradores dali. Não havia cercas de divisas, mas, como critério estabelecido, elas eram uma continuação imaginária das divisas existentes entre as casas. Aquele espaço abrupto entre a rua e o rio, com suas bananeiras plantadas, era chamado pelos seus donos de “quintal do rio”. Um daqueles quintais do rio e no alinhamento com a segunda casa, a do Chico Pastro, tendo ao nível da rua, depois da cerca, um espaço plano maior antes da ribanceira do rio, ele foi ocupado pela construção da garagem da motocicleta Harley Davidson de 1.200 cilindradas do meu pai, vizinho do Chico.

 

Subterrâneo, construído de alvenaria e ficando no espaço entre a minha casa e a do Chico Pastro, vindo do alto da Vila Nova, um canal de esgoto seguia, descia, até a margem do rio. Lá, o canal terminava apoiado numa resistente parede de tijolos e a mesma com a abertura do canal em seu meio, servia também como um pequeno muro de arrimo para a terra detrás dela que, ficava por sobre o canal. Naquele local conhecido como “boca do esgoto”, devido aos despojos humanos que deslizavam pelo limbo do canal e caiam no rio, saltitavam muitos lambaris. Vez ou outra, nós, os garotos daquela época, sentados naquela parede, pescávamos muitos peixes. No mais das vezes, para pescar, usávamos “gutchins” (alfinetes de costura) entortados como anzóis. Como na ponta deles não havia fisgas iguais as dos anzóis, os lambaris e até mesmo os acarás, debatendo-se dentro ou fora d’água, eles escapuliam das imitações de anzóis e não devolviam as minhocas. Entretanto, se busquei na memória, as imagens daquele lugar de outrora, isto, serviu como intróito para uma historia lamentável.

 

Depois das chuvas e devido a elas o rio “estava cheio” e muito apressado com suas águas turvas e avermelhadas. “Tendo subido” as águas do rio encobriam a margem, o espaço de terra que existia entre ele e a boca do esgoto de antes de sua cheia. Por isso, para pescar, alguns meninos estavam sentados por sobre a parede da boca do esgoto. Dois deles, já na puberdade eram o Gumercindo (Baltazar) da Silva e o outro, o Milton Siqueira. Este, não era daquelas “bandas”. Se não há engano, ele, de outra vila, morava naquela da “subida da igreja” onde, mais os “chefes” da Indústria Melhoramentos moravam. Durante aquela descontração, pescando e conversando, Ouvimos à nossa esquerda, um barulho, alguns seguidos “baques surdos”, isto é, fortes batidas no chão e depois, o barulho de algo grande que mergulhou no rio mais ou menos assim: Tum, tum, tum, tum e Tchibum. Nós nos assustamos, pensamos que alguém tivesse atirado uma enorme pedra para atrapalhar nossa pescaria, ao mesmo tempo em que ouvimos uma criança gritar “mãe, mãe, mãe” e, também, vimos na correnteza do meio do rio, emergir um maço de cigarros, um chinelo e depois um pé humano. Emudecidos por aquela surpresa sinistra, ainda vimos à nossa direita, a uns trinta metros de onde estávamos e no local onde o rio se estreitava, vimos o rosto de uma mulher fora d’água, rodopiando onde o rio estava mais turbulento. Logo ela afundou, desapareceu e foi levada para o rio abaixo por suas águas lamacentas. E assim, terminou a nossa pescaria.

 

Como acontece, comentário posterior sempre existe. Comentaram que, antes da mulher afundar naquele estreitamento do rio e, estando ali o Sr. Antonio Polatto, meu vizinho, ela pediu-lhe para tomar conta da sua filha. Eu que a tudo assisti, não me lembro de tê-lo visto lá. Naquela primeira vez de ver alguém morrer, o rio, o maço de cigarros, o chinelo, o pé da mulher e depois o seu rosto por fora e entre as águas, aquelas cenas seguidas não saiam da minha cabeça. Também não, o som, a voz de uma menina que em seu desespero gritou “MÃE, MÃE, MÃE”. A mulher já com a intenção de se atirar ao rio, antes, deixou a sua filha de menos de dez anos de idade, atrás da garagem da moto do meu pai. Deve ter corrido aos pulos (os baques surdos que ouvimos) pela ribanceira e num último atirou-se ao rio. Que trauma deve ter deixado para a menina ainda tão pura e inocente. Soube-se depois do fato que a suicida era a mulher do conhecido “Chiquinho”, um bom jogador da posição de “ponta direita” do time de futebol do local. A procura pelo corpo da mulher foi demorada. Primeiro pelos moradores de lá que possuíam barcos e depois por membros da Corporação do Corpo de Bombeiros. Só depois de cerca de uma semana a mulher foi encontrada. Antigamente, um fato como esse emocionava a todos naquele pequeno lugar em que eram poucas as notícias de morte. Hoje em dia, um acontecimento como aquele do afogamento da mulher, ele não atingiria tanto as nossas emoções, pois, notícias diárias de mortes são da nossa rotina. Até parecemos ser indiferentes a elas. Seriam sinais do progresso e da evolução humana? Sei não!


Altino Olimpio

Leia outras matérias desta seção
 » Janio Quadros: faz quase 40 anos que esteve em Caieiras
 » Radio 96,5 fm quem se lembra?- atualização
 » O Pau de Sebo
 » Ah! aquele lugar encantado
 » Bairro da Fábrica catando lata
 » Baile na Ponte Seca
 » Caieiras de quando ainda era Cresciuma
 » O rio e a infância da minha vida
 » A Barbearia do Zinho e do Osmar
 » Regressão ao paraíso perdido
 » Radio 96.5 fm
 » Fala Vardinho- O Pedregulho x Charco Fundo
 » Os vendavais de outrora
 » Adeus dia de Finados
 » Existiu um paraíso II
 » Existiu um paraíso III
 » Existiu um paraíso I
 » O cinema pegou fogo
 » Animais no baile
 » Ele foi uma presença marcante
 » Ficou na saudade
 » Tristeza no Paraíso
 » O amendoinzeiro
 » CRM a Verdade sobre o segundão do extra
 » Gritos de desespero   
 » Elpidio Pereira da Silva
 » Como era o nosso mundo
 » Tudo passou e tudo sempre passa
 » Clube da Terceira Idade de Caieiras
 » As locomotivas
 » Dia dos mortos alegre para os vivos
 » O veado do Monjolinho
 » 100 anos da Igreja do Rosário
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário
 » A Vila Leão história agora
 » Os bailes de outrora
 » Tentações religiosas
 » Anito do CRM
 » Fumaça da saudade
 » Homenagem a Fausto Menuchi
 » Minha infância no salão de festas do Brasil F.C.
 » A rua da pensão
 » M.A.B.R.A. o antigo cine-clube Mabra de Perus
 » Sergio Valbuza o Maestro e a cultura em Caieiras
 » troca de emails entre melhoramentinos
 » Tempos antiquados
 » A ponte do encantamento
 » Pedro Delarissa
 » A cadeira do Ditão
 » O lado sombrio da Melhoramentos
 » Os Pardais
 » A Sucuri vomitadora
 » O Segundão do Extra
 » Marreco
 » Um pouco da velha guarda
 » Stoffflauflaff
 » Vivaldi
 » Conversas com caieirenses
 » Zé Marcondes, pessoa especial.Acabou ? Não, está começando...
 » Um Circo em Caieiras
 » A Represa
 » Adeus Vivaldi
 » Grupo Escolar Alfredo Weiszflog
 » A piscina dos alemães
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário Versão II
 » Translado mental ao passado ou a Maquininha
 » Parque de diversões em Caieiras
 » A Loja da Fonsina
 » O caminhão pau de arara
 » A maquininha das nossas vidas
 » A serrinha da saudade e do medo
 » O sorveteiro da Vila Leão
 » Jovens Tardes de Domingo
 » Natal numa casa da Rua Guadalajara
 » Casa da bomba
 » Maquinaia
 » Os "craques" do CRM
 » Nilson da C. e a Perus Pirapora
 » O Fred safena surrupiava peixe do Satrapa.....
 » Brincadeiras na rua 4
 » Igreja do Rosario foi tombada
 » O espia fogo
 » O gago isolado
 » Antigamente tudo era tão diferente
 » O desabafo da Fatinha
 » Os secos e molhados de Caieiras
 » Missa na Igreja N.Sra.do Rosario
 » O Armazém da Fábrica
 » Vem comigo
 » Radio 96,5 fm Antiga Caieiras de nossa gente
 » Cleonice Canella - Bairro da Curva
 » As festas de Santo Antonio
 » Nilda Josephina Pastro
 » O Banheiro da Estação
 » Carne peluda
 » Email da Zenaide A. Angerami
 » Família Vinci
 » Outra história de veado
 » Os veados da Cia Melhoramentos
 » Banho de bacia na Vila Leão
 » Família Baboim
 » Almoço de domingo na Vila Leão
 » Querem salsichada e chopada
 » A salsichada sai ou não sai ?
 » Semana Santa na Vila Leão
 » Estadinho do PIF
 » Outra ausência - Mauri Rodrigues
 » Horto Florestal
 » Toninho Mantovani aparece!
 » Gilberto Lisa (Andú) dá notícias
 » Dona Gioconda Lisa, 93 anos
 » A Rua do Escritório
 » O Pé de Ferro foi embora
 » Um carnaval no salão nobre
 » Vicente e Gioconda Lisa
 » A “República” de Caieiras - 4ª parte
 » D. Lydia Meneghini protesta
 » O vendedor de sandálias havaianas
 » A “República” de Caieiras - 3ª parte
 » A “República” de Caieiras – 2ª parte
 » A “República” de Caieiras - 1ª parte
 » Noite alta e céu risonho
 » A velha Vila Nova – 5ª parte.
 » A velha Vila Nova – 4ª parte
 » Santo Dio, como dizia a nona!
 » A velha Vila Nova - 3ª parte
 » A velha Vila Nova – 2ª parte
 » A velha Vila Nova - 1ª parte
 » Velório dos encontros
 » Espetáculo da vergonha
 » O saudosista
 » As mulheres da plantação
 » Vá catar goiaba
 » Utopia
 » Os mistérios da Volta Fria
 » E.T. na Vila Leão
 » Passeio até a Vila Leão-3a. parte
 » Passeio até a Vila Leão-2a.parte
 » Passeio até a Vila Leão-1a. parte
 » O G.E. Alfredo Weisflog e o caixa
 » A segunda dança no salão nobre
 » Bairro da Curva
 » Vila Pansutti
 » A praça da fábrica
 » A vez do Bairro Chique
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual, a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Nene e a Vila Pereira
 » Histórias do Fred Assoni
 » Lembrando os velhos anos novos
 » No balanço das confusões
 » A cadeira com presentes
 » Mais confidências sôbre o segundão do Extra do CRM
 » Segundão do Extra do CRM
 » A cesta de natal
 » O campinho da vila leão
 » Obras de arte em telas de arame
 » A rua da bomba
 » Mirna Machado escreve ao "Tininho" (Altino)
 » A primeira dança no salão nobre
 » Estação de Caieiras em 1949
 » Também tenho histórias(Nilson Rodrigues)
 » O salão nobre da fábrica
 » Calouros em desfile, lá na fábrica
 » Os jardins da Vila Leao
 » Caieiras pagou pelo mico
 » Fotos só de homens?
 » O conserto da TV
 » O quartinho mal assombrado
 » Toninho de Pádua
 » Confissões melhoramentinas...
 » Dona Cida costureira
 » A família Moraes da Vila Nova, fábrica
 » A ponte romântica
 » Os equilibristas do bairro da fábrica
 » Cemitério de desconhecidos II
 » Cemitério de desconhecidos
 » Sõbre a crônica o apito da fábrica
 » O apito da fábrica
 » Cabelo cheiroso ?
 » Terra da promissão ?
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos II
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos
 » Paraiso perdido dos melhoramentinos
 » A caveira velada ou o malvado Zé Polato
 » A árvore que chora
 » Colchão de palha de milho
 » Amendoim e sorvete de groselha
 » Empilhando latas
 » Harue Sato
 » Bem vinda Fátima Chiati
 » Derrota previsível
 » Futebol ou amendoim?
 » Gente catando lata
 » Família Sato
 » O Jardim de Infância em 1963
 » Turma do cachecol
 » A dupla magistral
 » Ruina decifrada em Caieiras
 » CRM 50 anos
 » Contato feliz
 » Nadando no passado
 » Altino rasgando sêda
 » Professor Alcides
 » Zinho (José Olímpio)
 » O passado se desfazendo (Antonio Nani- Tiro de guerra)
 » Baile da saudade ou....
 » Eu também fui da Cruzadinha
 » Os Pastros da Vila Nova
 » Família Maderick
 » Na fábrica não tinha veado, só na mata
 » Noite de ouro em Jarinu
 » Procura-se
 » Inhá Dalina e Satonino
 » Zé Polato, mais um caieirense se foi...
 » Que Cidadezinha!
 » Jardim dos pedreiros
 » Ecos, apenas ecos
 » Quase entrou no céu
 » Cade você?
 » Pirapora
 » Chaminé da fábrica
 » Coqueiros das recordações
 » Rua dos Coqueiros
 » A cadeira do Ditão
 » Tempos Felizes
 » As dez regras do futebol de rua
 » O mundo era mais infantil
 » Brincando de médico
 » Pau de amarrá égua
 » Crianças obedientes
 » Viagem ao passado
 » Lembrando das procissões
 » Mulheres difíceis
 » O fim do baile
 » Enterro maluco!
 » O mundo parou...
 » Foram dádivas
 » Tudo terminou...
 » Claudio Cardoso escreve
 » Mais uma do Zé Polato
 » Neta do Totó (Antonio A. Vieira) lá do monjolinho
 » Rafael e Ricardo Masini
 » Malas artes
 » O tanque de concreto
 » Saudades, que mentira
 » Bairro da curva
 » Salão nobre
 » Então é assim?
 » Passando pela Rua Tito
 » Filme de uma saudade
 » O trem das oito
 » Dor alemã
 » Terra do esquecimento
 » Passado no Presente
 » Lembranças da "bocha"
 » A vida era uma bocha
 » Saudades do CRM e da Rosana
 » O antigo Cruzeiro da igreja
 » Piquenique e a saudade deles.
 » Passado não passado
 » Saudoso de Caieiras
 » Saudades... Que Mentira!
 » Dor que Mata em Vida
 » A Última Maquininha.
 » Caieiras dos Canibais
 » Dona Maria do Bento Cutia
 » Caieiras Antiga Morrendo
 » Outro Levou a Culpa
 » Passado Erótico
 » Tristezas
 » Proteção Incontestada
 » O Padre gostoso
 » Nem Chaga o Tempo Apaga
 » Pirapora Não Era Como É Agora
 » É o cúmulo, o filósofo queria ser bicha!
 » Festas na Igreja, bons tempos
 » Suruba espiritual
 » Saudades do bairro da fábrica
 » Escandalo no baile
 » Sensação no pau de arara
 » A Torre Solitária
 » Cemitério do mistério
 » Molecagens com o Marcos Muniz
 » Um raro retôrno
 » O menino na ponte
 » Au, au, miau, miau, miau.
 » Casamentos
 » A Ponte dos Desejos
 » Arquivo da memória
 » Homenagem A Uma Gaúcha
 » Primeiro de Maio
 » Parabens Nossa Senhora do Rosário!
 » O trem
 » Papai e Mamãe
 » Esperada Excursão
 » Excursão a Santos
 » Lembranças da “Curva”
 » Assim Surgiu “Caieiras”
 » E-mail de Mirna Machado
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Mirna Machado
 » Salão dos Sonhos
 » Éramos Anjos
 » Um Dia de Pânico
 » Surpresa Sinistra
 » O Espetáculo
 » Uma Noite nas Alturas
 » O Paredão
 » Trilhos da Lembrança
 » Dez de Maio de 2002
 » Também sou Filho de Caieiras -Alceu Massaia
 » E-mail de Alceu Zerbinatti
 » Ilhas das Cobras - Parte 1
 » Ilha das Cobras - Parte 2
 » Ilha das Cobras - Parte 3
 » Peraltices
 » Fogo no Rabo
 » Mascarados
 » Que Aventura
 » O Menino da Serragem
 » O Céu, o Sol e o Lago... Que mais?
 » Apanhei Sim e Daí?
 » O Cucita Banana
 » Breve Retorno
 » Mundo Humano-animal
 » Gente Nossa
 » Rudi Satrapa
 » Esta homenagem fiz aos dois amigos aniversariantes José Polato e Altino Olimpio
 » Caieiras, Nosso Berço, Nossas Raízes
 » Caieiras, 46 anos de idade e outras décadas de história e recordações
 » Saudades da antiga Caieiras, mas feliz com o seu progresso
 » A arte de preservar a memória e a história
 » Imigrantes construíram a história
 » Serpa é localidade antiga da cidade
 » Paródia de músicas juninas
 » Homenagem ao seu aniversário
 » Padre Humberto ampara a comunidade
 » Fonte de fé na igreja Nossa Senhora
 » Igreja de Santo Antonio, 68 anos
 » Obreiros da vida eterna
 » Artistas da região pintam Caieiras
 » Nasce a primeira banda de Caieiras
 » Maestro iniciou a profissionalização
 » Destaques na carreira
 » Destaque para os regentes das bandas
 » Surge uma nova orquestra na cidade
 » Música acompanhava o progresso
 » Corporação Musical Melhoramentos
 » Tião viola
 » Caieirenses fazem sucesso na região
 » Curitiba presidiu o Clube da Fábrica
 » Basquete caieirense revela seu ícone
 » Atleta é colecionador de bicicletas
 » Símbolo do atletismo caieirense
 » Rudi Satrapa
 » Email enviado em 13/08/04 (Rudi Satrapa)
 » Não leia, é para os saudosos
 » Caieiras Vesgavisão apresenta
 » O Começo
 » O Dia em que enrosquei o saco
 » Estavam todas banhadas... ou todos fomos gatos...
 » Vivaldi Nani e o porre nos moleques
 » As bombas de xuxu
 » Cultura e zoologia
 » Ficou na saudade
 » Dicionário Caieirense
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes II
 » Caieiras, quem te viu, quem te vê, te ama e sabe porque !!!
 » De Volta ao passado II - Os apelidos
 » Homenagem de Marlene Sálvio a Caieiras
 » Esta é para o dia de São José
 » O trem que passou na minha vida!
 » O empreendorismo de Assis Fernandes
 » Caieiras que eu conheci

 

Voltar