» Colunas » História » Caieiras Antiga

30/07/2008
Festas na Igreja, bons tempos


Ai, ai, ai! Só de lembrar emociona, dá arrepio. Aquelas memoráveis festas de igreja de outubro e da Caieiras antiga.. A maquininha vinha do Bairro da Fábrica com seis vagões lotados e até com gente de pé nos estribos. Ainda bem que não esqueceram deles como aconteceu com os pára-choques. Os caminhões apelidados de pau-de-arara também vinham lotados com gente do Monjolinho, Bonsucesso e Calcárea. Da Cresciuma --hoje Centro de Caieiras-- e do Serpa o pessoal vinha a pé. De Perus e de Franco da Rocha suas conduções era o trem. Os espaços de ambos os lados da igreja onde ficavam as barracas das diversas atividades festivas eram pequenos para os participantes. O passar de um espaço a outro era apertado defronte a entrada da igreja e também havia acúmulo de gente nas duas rampas que, uma de frente com a outra, iniciavam suas leves subidas a partir da rua, aquela que depois da igreja se chamava Rua dos Coqueiros. No espaço a esquerda da igreja sempre era o lugar da quermesse e sempre se ouvia o ruído da roleta e quando ela parava, de dentro da barraca gritavam: vinte e quatro. De fora alguém respondia: veado. Depois de outro número sorteado outro respondia: vaca. O jogo do bicho já era moda coisa que ninguém poda. Para muitos sorteios havia frango pelado e assado. Também como prenda todo ano tinha um quadro com o sagrado coração de Jesus. Era verdade sim, porque, ainda não existia a ponte de safena. Foi naquelas quermesses que vários se diplomaram e ainda hoje são adeptos aos jogos de bingo. No espaço da direita o divertimento era a barraca de pesca. No chão com areia só se via uns pequenos aros, rodinhas por cima dela para se encaixar os anzóis e não se via os prêmios que tinham por baixo delas. Para os casados era fácil, mas, para os solteiros, naqueles tempos enfiar numa rodinha era bem difícil. A barraca do ratinho era mais concorrida. Lado a lado uma da outra e formando um círculo todas as casinhas tinham um buraco de entrada. O ratinho ficava no centro e por baixo de uma caixa até quando se puxava um barbante. Ela subia e o ratinho se dirigia para uma das casinhas ao seu derredor. Uma vez aconteceu algo inusitado. Um dos festeiros foi pra Sum Paulo comprar o ratinho e lá, como dois deles ficavam sempre juntos e até pareciam gêmeos, ele teve a idéia de comprar os dois. À noite na festa ele teve outra idéia, a de premiar duas pessoas ao mesmo tempo. Colocou os dois ratinhos sob a caixa e depois dela levantada, os bichinhos só chegavam até as entradas das casinhas, mas, não entravam. Demorou em perceberem que os ratinhos eram irmãos siameses e não iriam mesmo conseguir entrar, um em cada casinha. Quase deu briga. No dia seguinte foi preciso alguém voltar para Sum Paulo quando a troca de dois ratinhos por um acarretou em prejuízo. Quando lá na barraca se comprava uma fixa (chiiii... ah, vai com x mesmo) nela já estava o número do buraco da pessoa, aquele que ela torcia pelo bichinho peludinho entrar. Ao torcer algumas gritavam: Aqui, aqui, entra na minha casinha! Outras gritavam: Vai, vai, entra no meu buraco. Quem ainda não tivesse visto o ratinho podia até maliciar o que ouvia. Entretanto, nas festas, aquele vai-e-vem das pessoas era bonito. Na verdade muitos compareciam mais pra “tirar linha”, paquerar, arranjar namoro e de fato isso muito aconteceu. Por isso vários se casaram e se arrependeram não falam. Também, naquele tanto escolher alguém, a festa terminava e a gente ficava sem ninguém. Com quinhentos réis se comprava um saquinho de pipoca. Isso facilitava as aproximações, principalmente naqueles lugares estreitos onde todos se apertavam, se afunilavam e aonde as moças no ir pra cá e pra lá se detinham mais tempo. Era quando se oferecia pipoca para uma delas. Lembro-me, eu era gago quando uma vez tentei uma conquista que deu errado e foi assim: “Oi, qué pi pi, qué pi pi”. Ela me olhou feio, me xingou e se afastou rapidamente enquanto ainda estava terminando de falar “qué pi, pi pó, QUÉ PIPOCA?” Que azar! E lá da banda, sempre o “coreto” tocava para animar as festas sob a regência do maestro Assis Fernandes ou Sergio Valbuza. Às vezes do povo vinham gritos: Toquem dobrados! Toquem dobrados! Os músicos sempre fingiam não escutar, pois, continuavam tocando em pé ou sentados, mas, nunca dobrados. Claro, não eram de circo. Contudo, confusão mesmo só um pouco por causa do pouco transito local. Muitos se esqueceram e agora vão se lembrar daqueles ônibus que faziam o percurso de Franco da Rocha até São Paulo e que eram chamados de cata loucos. Então, uma parte do povo da festa se acumulava na rua entre a banda e a igreja para de perto escutar o coreto tocar. É, fechavam a rua e demorava um pouco até conseguir passar um cata louco. Naquelas festas de igreja se podia tomar cerveja e alguns para enganar diziam tomar guaraná. A “lei seca” só era extensiva ao pessoal da Vila da Ponte Seca. Raras foram brigas com socos e chutes e quando aconteciam eram com o pessoal da Vila Pançute. Na barraca de tiro ao alvo com chumbinho quem mais acertava em cigarros, em pinga e vinho era o pessoal do Monjolinho. Na barraca do jogo de argolas não era fácil ter renda pela dificuldade de encaixar uma numa prenda. O padre ia de barraca em barraca usando batina talvez desconsiderando o lucro de propina como a verdadeira disciplina ensina e são homens assim que são dignos de estima não como os desonestos de hoje que são as nossas ruínas. Saudade do passado, Onde tudo era de mais agrado, O tempo era mais demorado, O povo muito melhor educado. Havia mais consideração e amizade, Não se sabia que essas duas já tinham idade, Pra morrerem como fatalidade, Elas não eram para a eternidade.


Altino Olympio

Leia outras matérias desta seção
 » O Filósofo recordando.....-
 » Teleférico, Tancão e a confusão do Filósofo
 » Araci Nicola relembra os programas de calouros
 » Janio Quadros: faz quase 40 anos que esteve em Caieiras
 » Radio 96,5 fm quem se lembra?- atualização
 » O Pau de Sebo
 » Ah! aquele lugar encantado
 » Bairro da Fábrica catando lata
 » Baile na Ponte Seca
 » Caieiras de quando ainda era Cresciuma
 » O rio e a infância da minha vida
 » A Barbearia do Zinho e do Osmar
 » Regressão ao paraíso perdido
 » Radio 96.5 fm
 » Fala Vardinho- O Pedregulho x Charco Fundo
 » Os vendavais de outrora
 » Adeus dia de Finados
 » Existiu um paraíso II
 » Existiu um paraíso III
 » Existiu um paraíso I
 » O cinema pegou fogo
 » Animais no baile
 » Ele foi uma presença marcante
 » Ficou na saudade
 » Tristeza no Paraíso
 » O amendoinzeiro
 » CRM a Verdade sobre o segundão do extra
 » Gritos de desespero   
 » Elpidio Pereira da Silva
 » Como era o nosso mundo
 » Tudo passou e tudo sempre passa
 » Clube da Terceira Idade de Caieiras
 » As locomotivas
 » Dia dos mortos alegre para os vivos
 » O veado do Monjolinho
 » 100 anos da Igreja do Rosário
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário
 » A Vila Leão história agora
 » Os bailes de outrora
 » Tentações religiosas
 » Anito do CRM
 » Fumaça da saudade
 » Homenagem a Fausto Menuchi
 » Minha infância no salão de festas do Brasil F.C.
 » A rua da pensão
 » M.A.B.R.A. o antigo cine-clube Mabra de Perus
 » Sergio Valbuza o Maestro e a cultura em Caieiras
 » troca de emails entre melhoramentinos
 » Tempos antiquados
 » A ponte do encantamento
 » Pedro Delarissa
 » A cadeira do Ditão
 » O lado sombrio da Melhoramentos
 » Os Pardais
 » A Sucuri vomitadora
 » O Segundão do Extra
 » Marreco
 » Um pouco da velha guarda
 » Stoffflauflaff
 » Vivaldi
 » Conversas com caieirenses
 » Zé Marcondes, pessoa especial.Acabou ? Não, está começando...
 » Um Circo em Caieiras
 » A Represa
 » Adeus Vivaldi
 » Grupo Escolar Alfredo Weiszflog
 » A piscina dos alemães
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário Versão II
 » Translado mental ao passado ou a Maquininha
 » Parque de diversões em Caieiras
 » A Loja da Fonsina
 » O caminhão pau de arara
 » A maquininha das nossas vidas
 » A serrinha da saudade e do medo
 » O sorveteiro da Vila Leão
 » Jovens Tardes de Domingo
 » Natal numa casa da Rua Guadalajara
 » Casa da bomba
 » Maquinaia
 » Os "craques" do CRM
 » Nilson da C. e a Perus Pirapora
 » O Fred safena surrupiava peixe do Satrapa.....
 » Brincadeiras na rua 4
 » Igreja do Rosario foi tombada
 » O espia fogo
 » O gago isolado
 » Antigamente tudo era tão diferente
 » O desabafo da Fatinha
 » Os secos e molhados de Caieiras
 » Missa na Igreja N.Sra.do Rosario
 » O Armazém da Fábrica
 » Vem comigo
 » Radio 96,5 fm Antiga Caieiras de nossa gente
 » Cleonice Canella - Bairro da Curva
 » As festas de Santo Antonio
 » Nilda Josephina Pastro
 » O Banheiro da Estação
 » Carne peluda
 » Email da Zenaide A. Angerami
 » Família Vinci
 » Outra história de veado
 » Os veados da Cia Melhoramentos
 » Banho de bacia na Vila Leão
 » Família Baboim
 » Almoço de domingo na Vila Leão
 » Querem salsichada e chopada
 » A salsichada sai ou não sai ?
 » Semana Santa na Vila Leão
 » Estadinho do PIF
 » Outra ausência - Mauri Rodrigues
 » Horto Florestal
 » Toninho Mantovani aparece!
 » Gilberto Lisa (Andú) dá notícias
 » Dona Gioconda Lisa, 93 anos
 » A Rua do Escritório
 » O Pé de Ferro foi embora
 » Um carnaval no salão nobre
 » Vicente e Gioconda Lisa
 » A “República” de Caieiras - 4ª parte
 » D. Lydia Meneghini protesta
 » O vendedor de sandálias havaianas
 » A “República” de Caieiras - 3ª parte
 » A “República” de Caieiras – 2ª parte
 » A “República” de Caieiras - 1ª parte
 » Noite alta e céu risonho
 » A velha Vila Nova – 5ª parte.
 » A velha Vila Nova – 4ª parte
 » Santo Dio, como dizia a nona!
 » A velha Vila Nova - 3ª parte
 » A velha Vila Nova – 2ª parte
 » A velha Vila Nova - 1ª parte
 » Velório dos encontros
 » Espetáculo da vergonha
 » O saudosista
 » As mulheres da plantação
 » Vá catar goiaba
 » Utopia
 » Os mistérios da Volta Fria
 » E.T. na Vila Leão
 » Passeio até a Vila Leão-3a. parte
 » Passeio até a Vila Leão-2a.parte
 » Passeio até a Vila Leão-1a. parte
 » O G.E. Alfredo Weisflog e o caixa
 » A segunda dança no salão nobre
 » Bairro da Curva
 » Vila Pansutti
 » A praça da fábrica
 » A vez do Bairro Chique
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual, a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Nene e a Vila Pereira
 » Histórias do Fred Assoni
 » Lembrando os velhos anos novos
 » No balanço das confusões
 » A cadeira com presentes
 » Mais confidências sôbre o segundão do Extra do CRM
 » Segundão do Extra do CRM
 » A cesta de natal
 » O campinho da vila leão
 » Obras de arte em telas de arame
 » A rua da bomba
 » Mirna Machado escreve ao "Tininho" (Altino)
 » A primeira dança no salão nobre
 » Estação de Caieiras em 1949
 » Também tenho histórias(Nilson Rodrigues)
 » O salão nobre da fábrica
 » Calouros em desfile, lá na fábrica
 » Os jardins da Vila Leao
 » Caieiras pagou pelo mico
 » Fotos só de homens?
 » O conserto da TV
 » O quartinho mal assombrado
 » Toninho de Pádua
 » Confissões melhoramentinas...
 » Dona Cida costureira
 » A família Moraes da Vila Nova, fábrica
 » A ponte romântica
 » Os equilibristas do bairro da fábrica
 » Cemitério de desconhecidos II
 » Cemitério de desconhecidos
 » Sõbre a crônica o apito da fábrica
 » O apito da fábrica
 » Cabelo cheiroso ?
 » Terra da promissão ?
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos II
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos
 » Paraiso perdido dos melhoramentinos
 » A caveira velada ou o malvado Zé Polato
 » A árvore que chora
 » Colchão de palha de milho
 » Amendoim e sorvete de groselha
 » Empilhando latas
 » Harue Sato
 » Bem vinda Fátima Chiati
 » Derrota previsível
 » Futebol ou amendoim?
 » Gente catando lata
 » Família Sato
 » O Jardim de Infância em 1963
 » Turma do cachecol
 » A dupla magistral
 » Ruina decifrada em Caieiras
 » CRM 50 anos
 » Contato feliz
 » Nadando no passado
 » Altino rasgando sêda
 » Professor Alcides
 » Zinho (José Olímpio)
 » O passado se desfazendo (Antonio Nani- Tiro de guerra)
 » Baile da saudade ou....
 » Eu também fui da Cruzadinha
 » Os Pastros da Vila Nova
 » Família Maderick
 » Na fábrica não tinha veado, só na mata
 » Noite de ouro em Jarinu
 » Procura-se
 » Inhá Dalina e Satonino
 » Zé Polato, mais um caieirense se foi...
 » Que Cidadezinha!
 » Jardim dos pedreiros
 » Ecos, apenas ecos
 » Quase entrou no céu
 » Cade você?
 » Pirapora
 » Chaminé da fábrica
 » Coqueiros das recordações
 » Rua dos Coqueiros
 » A cadeira do Ditão
 » Tempos Felizes
 » As dez regras do futebol de rua
 » O mundo era mais infantil
 » Brincando de médico
 » Pau de amarrá égua
 » Crianças obedientes
 » Viagem ao passado
 » Lembrando das procissões
 » Mulheres difíceis
 » O fim do baile
 » Enterro maluco!
 » O mundo parou...
 » Foram dádivas
 » Tudo terminou...
 » Claudio Cardoso escreve
 » Mais uma do Zé Polato
 » Neta do Totó (Antonio A. Vieira) lá do monjolinho
 » Rafael e Ricardo Masini
 » Malas artes
 » O tanque de concreto
 » Saudades, que mentira
 » Bairro da curva
 » Salão nobre
 » Então é assim?
 » Passando pela Rua Tito
 » Filme de uma saudade
 » O trem das oito
 » Dor alemã
 » Terra do esquecimento
 » Passado no Presente
 » Lembranças da "bocha"
 » A vida era uma bocha
 » Saudades do CRM e da Rosana
 » O antigo Cruzeiro da igreja
 » Piquenique e a saudade deles.
 » Passado não passado
 » Saudoso de Caieiras
 » Saudades... Que Mentira!
 » Dor que Mata em Vida
 » A Última Maquininha.
 » Caieiras dos Canibais
 » Dona Maria do Bento Cutia
 » Caieiras Antiga Morrendo
 » Outro Levou a Culpa
 » Passado Erótico
 » Tristezas
 » Proteção Incontestada
 » O Padre gostoso
 » Nem Chaga o Tempo Apaga
 » Pirapora Não Era Como É Agora
 » É o cúmulo, o filósofo queria ser bicha!
 » Festas na Igreja, bons tempos
 » Suruba espiritual
 » Saudades do bairro da fábrica
 » Escandalo no baile
 » Sensação no pau de arara
 » A Torre Solitária
 » Cemitério do mistério
 » Molecagens com o Marcos Muniz
 » Um raro retôrno
 » O menino na ponte
 » Au, au, miau, miau, miau.
 » Casamentos
 » A Ponte dos Desejos
 » Arquivo da memória
 » Homenagem A Uma Gaúcha
 » Primeiro de Maio
 » Parabens Nossa Senhora do Rosário!
 » O trem
 » Papai e Mamãe
 » Esperada Excursão
 » Excursão a Santos
 » Lembranças da “Curva”
 » Assim Surgiu “Caieiras”
 » E-mail de Mirna Machado
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Mirna Machado
 » Salão dos Sonhos
 » Éramos Anjos
 » Um Dia de Pânico
 » Surpresa Sinistra
 » O Espetáculo
 » Uma Noite nas Alturas
 » O Paredão
 » Trilhos da Lembrança
 » Dez de Maio de 2002
 » Também sou Filho de Caieiras -Alceu Massaia
 » E-mail de Alceu Zerbinatti
 » Ilhas das Cobras - Parte 1
 » Ilha das Cobras - Parte 2
 » Ilha das Cobras - Parte 3
 » Peraltices
 » Fogo no Rabo
 » Mascarados
 » Que Aventura
 » O Menino da Serragem
 » O Céu, o Sol e o Lago... Que mais?
 » Apanhei Sim e Daí?
 » O Cucita Banana
 » Breve Retorno
 » Mundo Humano-animal
 » Gente Nossa
 » Rudi Satrapa
 » Esta homenagem fiz aos dois amigos aniversariantes José Polato e Altino Olimpio
 » Caieiras, Nosso Berço, Nossas Raízes
 » Caieiras, 46 anos de idade e outras décadas de história e recordações
 » Saudades da antiga Caieiras, mas feliz com o seu progresso
 » A arte de preservar a memória e a história
 » Imigrantes construíram a história
 » Serpa é localidade antiga da cidade
 » Paródia de músicas juninas
 » Homenagem ao seu aniversário
 » Padre Humberto ampara a comunidade
 » Fonte de fé na igreja Nossa Senhora
 » Igreja de Santo Antonio, 68 anos
 » Obreiros da vida eterna
 » Artistas da região pintam Caieiras
 » Nasce a primeira banda de Caieiras
 » Maestro iniciou a profissionalização
 » Destaques na carreira
 » Destaque para os regentes das bandas
 » Surge uma nova orquestra na cidade
 » Música acompanhava o progresso
 » Corporação Musical Melhoramentos
 » Tião viola
 » Caieirenses fazem sucesso na região
 » Curitiba presidiu o Clube da Fábrica
 » Basquete caieirense revela seu ícone
 » Atleta é colecionador de bicicletas
 » Símbolo do atletismo caieirense
 » Rudi Satrapa
 » Email enviado em 13/08/04 (Rudi Satrapa)
 » Não leia, é para os saudosos
 » Caieiras Vesgavisão apresenta
 » O Começo
 » O Dia em que enrosquei o saco
 » Estavam todas banhadas... ou todos fomos gatos...
 » Vivaldi Nani e o porre nos moleques
 » As bombas de xuxu
 » Cultura e zoologia
 » Ficou na saudade
 » Dicionário Caieirense
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes II
 » Caieiras, quem te viu, quem te vê, te ama e sabe porque !!!
 » De Volta ao passado II - Os apelidos
 » Homenagem de Marlene Sálvio a Caieiras
 » Esta é para o dia de São José
 » O trem que passou na minha vida!
 » O empreendorismo de Assis Fernandes
 » Caieiras que eu conheci

 

Voltar