» Colunas » História » Caieiras Antiga

22/10/2015
Sergio Valbuza o Maestro e a cultura em Caieiras

Caieiras é uma mata virgem onde existe apenas a fábrica de papel, e algumas casas onde residem os poucos empregados que trabalham na fabricação de papel.

Estamos no ano de 1920. Nessa época não existia em Caieiras o rádio, não havia divertimento algum.

Vamos falar em música. Por falta de diversão, surgiu a ideia de formar-se uma banda de música.

Essa ideia foi bem aceita entre os moradores e também pela direção da firma, que imediatamente foi posta em prática.

Não havia ninguém com conhecimentos musicais.

Foi contratado um maestro que naquela época era tenente da Força Pública, chamado Leoncio, que imediatamente começou a ensinar música para os interessados a ingressarem na banda.

Com apenas três meses de ensino a banda conseguiu ensaiar um pequeno dobrado.

Os instrumentos foram adquiridos pelos próprios músicos.

Como não havia recinto para ensaio, a banda ensaiava dentro da fábrica, com as máquinas funcionando.

Os músicos compraram também os uniformes.

A banda recebeu o nome de Corporação Fábrica de Papel.

Vendo o progresso da banda e boa vontade dos músicos, a Companhia cedeu uma pequena casa de família, situada a Rua do Barbeiro, para que fosse a sede da banda, e onde a banda passou a ensaiar.

Nesta pequena sede foi formada a primeira sociedade, para manutenção da banda, onde todos os sábados e domingos eram feitos bailes, abrilhantados pela própria banda.

Esta banda foi formada pelos seguintes músicos: Maestro – Leoncio / Clarinetes: Renato Guidolim, Antônio Martine e Benedito Sales. / Bombardino: Bentovólio Guidolim. / Trombones: João Valbusa, Carlos Barnabé e Alberto Caminada. / Pistons: Pompilio Gava, André Zuglian e Guerino Luizato. / Baixo: Américo Zanon, Genis, Pedro Ulman, Ermane Cavaleti e Luiz Gabriel. / Bombo: Ângelo Zanon. / Pratos: Leão Meneguini. / Caixa: Constantino Toigo.

Com a morte do maestro Leoncio, veio para Caieiras para dirigir a banda o maestro Arthur Patti, por sinal um excelente regente.

A Corporação Musical Fábrica de Papel ficou uma sociedade muito forte, não havendo mais problemas para a manutenção, e sempre diversões para seus associados.

Nesta época é formado um Clube de futebol, cujo campo de treinamento ficava no alto do caminho da ponte-seca.

Apesar do esforço dos jogadores e da diretoria do clube, o futebol vai muito mal por falta de verba para manutenção do mesmo.

Quando o clube de futebol está prestes a se desfazer por falta de uniformes, e demais materiais esportivos, surge a ideia de se unir futebol com a banda de música que estava com a sociedade muito forte.

A Companhia Melhoramentos de São Paulo cedeu uma grande área de terreno onde os próprios músicos e associados, construíram aquela beleza de salão, e o campo de futebol, que recebeu o nome de Clube Recreativo Melhoramentos.

Todo o material para construção do novo clube foi cedido pela Companhia Melhoramentos e a mão de obra pelos próprios associados, que nas horas de folga trabalhavam na construção do novo clube.

No começo da Fábrica de papel o material que era todo importado para a fabricação de papel era transportado por barcos pelo rio Juqueri, da estação ferroviária até a fábrica de papel.

Logo depois a Companhia Melhoramentos de São Paulo, constrói uma estrada de ferro que ligava ao bairro do Monjolinho, Calcária e Bom Sucesso.

Duas vezes por ano, a Companhia colocava suas locomotivas a carvão com 10 ou 15 vagões abertos, com bancos, em  cada vagão era colocado um barril de chopes, no vagão do centro da composição era colocado a banda de música e era feito um passeio da fábrica de papel até o Bom Sucesso, num percurso de mais ou menos 30km de ida e volta, com todos os empregados e famílias, que se deliciavam com o passeio, chopes, e ouvindo a banda.

Esse passeio durava o dia todo, porque o trenzinho andava bem devagar, e com paradas frequentes, para que todos pudessem admirar a paisagem e saborearem seus lanches com toda segurança.

Com a saída do maestro Arthur Patti da regência da banda musical, assumiu os destinos da banda o maestro Abilio Vieira.

Nesta época chega a Caieiras um exímio saxofonista da marinha de guerra do Brasil, chamado Francisco de Assis Fernandes, que ingressa na banda e fica como contramestre com Abilio Vieira.

Com a vinda de Francisco de Assis Fernandes a Caieiras, o clube Recreativo Melhoramentos evoluiu muito, porque ele era um homem dinâmico, gostava muito de música, de teatro.

Não demorou muito para que ele armasse um grupo teatral infantil e de adultos, dando nova vida ao clube, que acabou sendo o mais frequentado de toda região.

Com a saída de Abilio Vieira como maestro da Corporação Musical, devido a grave enfermidade, assumiu a regência da Corporação, Francisco de Assis Fernandes.

Durante algum tempo, Francisco de Assis Fernandes ficou como maestro, mas a Diretoria do Clube Recreativo Melhoramentos que também dirigia os destinos da banda, resolveu contratar um maestro para reger a banda.

Assim foi feito. Foi contratado o grande maestro de Jundiaí, José Bovolenta, e Francisco de Assis Fernandes passou novamente a contramestre. Existia nessa época aqui em Caieiras, dois clubes: Clube Recreativo Melhoramentos e União Recreativa Melhoramentos de São Paulo.

A União Recreativa Melhoramentos forma também sua banda de música.

Às quartas e sextas-feiras, ensaiava a Corporação do Clube Recreativo Melhoramentos, e as terças e quintas-feiras, a banda da União Recreativa Melhoramentos.

Estamos agora no ano de 1933. A festa de Nossa Senhora do Rosário era considerada uma das maiores festas de toda região.

Durante todo o ano a juventude se preparava para a festa, principalmente as moças que procuravam os trajes de última moda.

Gente de toda a região e de outras cidades participavam desta grande festa.

Enfim a festa de Nossa Senhora do Rosário era um verdadeiro desfile de modas.

As barracas de guloseimas eram armadas desde a garagem da Companhia Melhoramentos, tomava todo o pátio da igreja e continuava lado a lado a Rua dos Coqueiros, até o Cemitério de Caieiras.

Todos que quisessem montar suas barracas seria permitido, mediante o pagamento de uma pequena taxa para a igreja.

Todos os clubes montavam suas barracas com bares onde o povo se divertia e encontrava todo tipo de comida, além de grandes variedades de diversões. O que mais chamava atenção do povo era que a festa era abrilhantada pelas duas excelentes bandas de músicas.

Estamos agora em 1934. Acometido de grave enfermidade o maestro José Bovolenta se retira das duas bandas, é internado num sanatório, onde veio a falecer.

Com a morte de José Bovolenta, a banda do União Recreativa Melhoramentos foi desfeita.

O maestro Francisco de Assis Fernandes assumiu de novo a regência da Corporação Musical do Clube Recreativo Melhoramentos.

A maioria dos músicos da desfeita banda do União, passaram para a banda do Clube Recreativo Melhoramentos, ficando o maestro com uma excelente banda de música.

O maestro Francisco de Assis Fernandes era escriturário na Companhia Melhoramentos, e nas horas de folga passou a ministrar aulas de música no salão do Clube Recreativo Melhoramentos.

A Companhia Melhoramentos de São Paulo tem grande admiração pela Banda e passa a dispensar os músicos do serviço nas horas dos ensaios, e ainda, pagando para que eles não faltassem aos ensaios.

Em 1934, Sérgio Valbusa inicia os estudos da música com o maestro Francisco de Assis Fernandes.

Com apenas 10 anos de idade escolhe o pistom como instrumento.

Encontrou muita facilidade, que com 11 anos de idade ingressou na Corp. Musical Melhoramentos do Clube Recreativo, como 3º pistom.

Com 12 anos, passou para 1º pistom, já como solista, sempre sob regência do maestro Francisco de Assis Fernandes.

Durante muitos anos, Sérgio Valbusa, Francisco de Assis Fernandes e Clarice Lucieto ficaram juntos ensaiando as crianças para o grupo teatral, programas de calouros, ensaios de danças.

Tudo era feito dentro do Clube Recreativo Melhoramentos.

Dentro de um determinado tempo era eleita uma nova diretoria, para reger os destinos do Clube Recreativo Melhoramentos.

Chegou este dia fatídico, digo fatídico, porque foi eleita uma diretoria incapaz, sem capacidade para dirigir os destinos do Clube, vou mais além, uma diretoria infeliz, porque pensou somente no futebol, marginalizando a banda de música que era o grande orgulho de Caieiras, o grupo teatral e outras atividades do setor cultural do clube, justamente a parte que era mais importante dentro do clube.

Com esta marginalização, os músicos fora ficando desgostosos, e retirando-se da banda, que em pouco tempo foi desfeita.

Com a queda da banda, foi desfeito também o grupo teatral e outras atividades culturais do clube.

Em consequência de tudo isso, foi caindo também a frequência dos associados ao clube, que já não tinha mais meios para manutenção do mesmo, devido a fraca parte financeira.

Caieiras ficou muito tempo sem banda de música.

Com a aposentadoria do Maestro Francisco de Assis Fernandes como funcionário da Comp. Melhoramentos de São Paulo, este muda-se para a Vila Cresciuma, uma vila fora dos terrenos da Cia Melhoramentos.

Como grande amante da música, Francisco de Assis Fernandes juntamente com o advogado Dr. Armando Pinto, que também residia na Vila Cresciuma e que era presidente da Sociedade Amigos de Caieiras, um pequeno clube existente na Vila, pensaram em formar uma banda de música dentro da sociedade.

Imediatamente entraram em contato com a diretoria do Clube Recreativo Melhoramentos, e adquiriram todos os instrumentos e partituras da extinta Banda por um preço simbólico, e formaram uma pequena banda de música, que passou a chamar-se Corporação Musical Amigos de Caieiras.

 Foi até muito bom, que os instrumentos da instituição e partituras fossem levados para a sociedade Amigos de Caieiras, porque um incêndio de enormes proporções destruiu por completo o belo salão do Clube Recreativo Melhoramentos, onde o porão eram guardados os instrumentos e partituras.

Muitos dos instrumentos que ficaram foram completamente destruídos pelo incêndio.

Apesar de extinta a banda, Sérgio Valbusa continuo fazendo parte da Orquestra que se apresentava em bailes, comandada por Danilo Valbusa.

Em 1940, o acordeon ficou sendo o instrumento da moda.

Sérgio Valbusa adquiri um pequeno acordeon e passa a estudar, sem auxílio de professor.

Em pouco tempo consegue dominar o instrumento, passando a dar aulas de acordeon, em sua casa, na fábrica de papel.

Eram muitos os alunos que procuravam Sérgio Valbusa para aprendizagem de acordeon, a maioria meninas.

Em pouco tempo, Sérgio Valbusa forma uma orquestra de acordeon, com 60 componentes, que executam desde a música popular, até o clássico.

Neste tempo, a Companhia Melhoramentos constrói um novo salão no mesmo local em que o velho salão foi destruído pelo incêndio.

Como não havia banda de música, o novo salão foi inaugurado ao som da Orquestra de acordeon, sob a regência de Sérgio Valbusa.

Vendo a grande procura de aluno para estudar acordeon, Sérgio resolveu fazer um curso de aperfeiçoamento e ingressa na Academia de Acordeom Real em São Paulo.

Concluído o curso, prestou exames na União Brasileira de Acordeonistas, onde foi diplomado.

 

 


Elaborado pelo Maestro Sérgio Valbusa

Leia outras matérias desta seção
 » Janio Quadros: faz quase 40 anos que esteve em Caieiras
 » Radio 96,5 fm quem se lembra?- atualização
 » O Pau de Sebo
 » Ah! aquele lugar encantado
 » Bairro da Fábrica catando lata
 » Baile na Ponte Seca
 » Caieiras de quando ainda era Cresciuma
 » O rio e a infância da minha vida
 » A Barbearia do Zinho e do Osmar
 » Regressão ao paraíso perdido
 » Radio 96.5 fm
 » Fala Vardinho- O Pedregulho x Charco Fundo
 » Os vendavais de outrora
 » Adeus dia de Finados
 » Existiu um paraíso II
 » Existiu um paraíso III
 » Existiu um paraíso I
 » O cinema pegou fogo
 » Animais no baile
 » Ele foi uma presença marcante
 » Ficou na saudade
 » Tristeza no Paraíso
 » O amendoinzeiro
 » CRM a Verdade sobre o segundão do extra
 » Gritos de desespero   
 » Elpidio Pereira da Silva
 » Como era o nosso mundo
 » Tudo passou e tudo sempre passa
 » Clube da Terceira Idade de Caieiras
 » As locomotivas
 » Dia dos mortos alegre para os vivos
 » O veado do Monjolinho
 » 100 anos da Igreja do Rosário
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário
 » A Vila Leão história agora
 » Os bailes de outrora
 » Tentações religiosas
 » Anito do CRM
 » Fumaça da saudade
 » Homenagem a Fausto Menuchi
 » Minha infância no salão de festas do Brasil F.C.
 » A rua da pensão
 » M.A.B.R.A. o antigo cine-clube Mabra de Perus
 » Sergio Valbuza o Maestro e a cultura em Caieiras
 » troca de emails entre melhoramentinos
 » Tempos antiquados
 » A ponte do encantamento
 » Pedro Delarissa
 » A cadeira do Ditão
 » O lado sombrio da Melhoramentos
 » Os Pardais
 » A Sucuri vomitadora
 » O Segundão do Extra
 » Marreco
 » Um pouco da velha guarda
 » Stoffflauflaff
 » Vivaldi
 » Conversas com caieirenses
 » Zé Marcondes, pessoa especial.Acabou ? Não, está começando...
 » Um Circo em Caieiras
 » A Represa
 » Adeus Vivaldi
 » Grupo Escolar Alfredo Weiszflog
 » A piscina dos alemães
 » Festas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário Versão II
 » Translado mental ao passado ou a Maquininha
 » Parque de diversões em Caieiras
 » A Loja da Fonsina
 » O caminhão pau de arara
 » A maquininha das nossas vidas
 » A serrinha da saudade e do medo
 » O sorveteiro da Vila Leão
 » Jovens Tardes de Domingo
 » Natal numa casa da Rua Guadalajara
 » Casa da bomba
 » Maquinaia
 » Os "craques" do CRM
 » Nilson da C. e a Perus Pirapora
 » O Fred safena surrupiava peixe do Satrapa.....
 » Brincadeiras na rua 4
 » Igreja do Rosario foi tombada
 » O espia fogo
 » O gago isolado
 » Antigamente tudo era tão diferente
 » O desabafo da Fatinha
 » Os secos e molhados de Caieiras
 » Missa na Igreja N.Sra.do Rosario
 » O Armazém da Fábrica
 » Vem comigo
 » Radio 96,5 fm Antiga Caieiras de nossa gente
 » Cleonice Canella - Bairro da Curva
 » As festas de Santo Antonio
 » Nilda Josephina Pastro
 » O Banheiro da Estação
 » Carne peluda
 » Email da Zenaide A. Angerami
 » Família Vinci
 » Outra história de veado
 » Os veados da Cia Melhoramentos
 » Banho de bacia na Vila Leão
 » Família Baboim
 » Almoço de domingo na Vila Leão
 » Querem salsichada e chopada
 » A salsichada sai ou não sai ?
 » Semana Santa na Vila Leão
 » Estadinho do PIF
 » Outra ausência - Mauri Rodrigues
 » Horto Florestal
 » Toninho Mantovani aparece!
 » Gilberto Lisa (Andú) dá notícias
 » Dona Gioconda Lisa, 93 anos
 » A Rua do Escritório
 » O Pé de Ferro foi embora
 » Um carnaval no salão nobre
 » Vicente e Gioconda Lisa
 » A “República” de Caieiras - 4ª parte
 » D. Lydia Meneghini protesta
 » O vendedor de sandálias havaianas
 » A “República” de Caieiras - 3ª parte
 » A “República” de Caieiras – 2ª parte
 » A “República” de Caieiras - 1ª parte
 » Noite alta e céu risonho
 » A velha Vila Nova – 5ª parte.
 » A velha Vila Nova – 4ª parte
 » Santo Dio, como dizia a nona!
 » A velha Vila Nova - 3ª parte
 » A velha Vila Nova – 2ª parte
 » A velha Vila Nova - 1ª parte
 » Velório dos encontros
 » Espetáculo da vergonha
 » O saudosista
 » As mulheres da plantação
 » Vá catar goiaba
 » Utopia
 » Os mistérios da Volta Fria
 » E.T. na Vila Leão
 » Passeio até a Vila Leão-3a. parte
 » Passeio até a Vila Leão-2a.parte
 » Passeio até a Vila Leão-1a. parte
 » O G.E. Alfredo Weisflog e o caixa
 » A segunda dança no salão nobre
 » Bairro da Curva
 » Vila Pansutti
 » A praça da fábrica
 » A vez do Bairro Chique
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual, a nova fábrica de papel
 » Melhoramentos virtual a nova fábrica de papel
 » Nene e a Vila Pereira
 » Histórias do Fred Assoni
 » Lembrando os velhos anos novos
 » No balanço das confusões
 » A cadeira com presentes
 » Mais confidências sôbre o segundão do Extra do CRM
 » Segundão do Extra do CRM
 » A cesta de natal
 » O campinho da vila leão
 » Obras de arte em telas de arame
 » A rua da bomba
 » Mirna Machado escreve ao "Tininho" (Altino)
 » A primeira dança no salão nobre
 » Estação de Caieiras em 1949
 » Também tenho histórias(Nilson Rodrigues)
 » O salão nobre da fábrica
 » Calouros em desfile, lá na fábrica
 » Os jardins da Vila Leao
 » Caieiras pagou pelo mico
 » Fotos só de homens?
 » O conserto da TV
 » O quartinho mal assombrado
 » Toninho de Pádua
 » Confissões melhoramentinas...
 » Dona Cida costureira
 » A família Moraes da Vila Nova, fábrica
 » A ponte romântica
 » Os equilibristas do bairro da fábrica
 » Cemitério de desconhecidos II
 » Cemitério de desconhecidos
 » Sõbre a crônica o apito da fábrica
 » O apito da fábrica
 » Cabelo cheiroso ?
 » Terra da promissão ?
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos II
 » A 1ª greve na Cia Melhoramentos
 » Paraiso perdido dos melhoramentinos
 » A caveira velada ou o malvado Zé Polato
 » A árvore que chora
 » Colchão de palha de milho
 » Amendoim e sorvete de groselha
 » Empilhando latas
 » Harue Sato
 » Bem vinda Fátima Chiati
 » Derrota previsível
 » Futebol ou amendoim?
 » Gente catando lata
 » Família Sato
 » O Jardim de Infância em 1963
 » Turma do cachecol
 » A dupla magistral
 » Ruina decifrada em Caieiras
 » CRM 50 anos
 » Contato feliz
 » Nadando no passado
 » Altino rasgando sêda
 » Professor Alcides
 » Zinho (José Olímpio)
 » O passado se desfazendo (Antonio Nani- Tiro de guerra)
 » Baile da saudade ou....
 » Eu também fui da Cruzadinha
 » Os Pastros da Vila Nova
 » Família Maderick
 » Na fábrica não tinha veado, só na mata
 » Noite de ouro em Jarinu
 » Procura-se
 » Inhá Dalina e Satonino
 » Zé Polato, mais um caieirense se foi...
 » Que Cidadezinha!
 » Jardim dos pedreiros
 » Ecos, apenas ecos
 » Quase entrou no céu
 » Cade você?
 » Pirapora
 » Chaminé da fábrica
 » Coqueiros das recordações
 » Rua dos Coqueiros
 » A cadeira do Ditão
 » Tempos Felizes
 » As dez regras do futebol de rua
 » O mundo era mais infantil
 » Brincando de médico
 » Pau de amarrá égua
 » Crianças obedientes
 » Viagem ao passado
 » Lembrando das procissões
 » Mulheres difíceis
 » O fim do baile
 » Enterro maluco!
 » O mundo parou...
 » Foram dádivas
 » Tudo terminou...
 » Claudio Cardoso escreve
 » Mais uma do Zé Polato
 » Neta do Totó (Antonio A. Vieira) lá do monjolinho
 » Rafael e Ricardo Masini
 » Malas artes
 » O tanque de concreto
 » Saudades, que mentira
 » Bairro da curva
 » Salão nobre
 » Então é assim?
 » Passando pela Rua Tito
 » Filme de uma saudade
 » O trem das oito
 » Dor alemã
 » Terra do esquecimento
 » Passado no Presente
 » Lembranças da "bocha"
 » A vida era uma bocha
 » Saudades do CRM e da Rosana
 » O antigo Cruzeiro da igreja
 » Piquenique e a saudade deles.
 » Passado não passado
 » Saudoso de Caieiras
 » Saudades... Que Mentira!
 » Dor que Mata em Vida
 » A Última Maquininha.
 » Caieiras dos Canibais
 » Dona Maria do Bento Cutia
 » Caieiras Antiga Morrendo
 » Outro Levou a Culpa
 » Passado Erótico
 » Tristezas
 » Proteção Incontestada
 » O Padre gostoso
 » Nem Chaga o Tempo Apaga
 » Pirapora Não Era Como É Agora
 » É o cúmulo, o filósofo queria ser bicha!
 » Festas na Igreja, bons tempos
 » Suruba espiritual
 » Saudades do bairro da fábrica
 » Escandalo no baile
 » Sensação no pau de arara
 » A Torre Solitária
 » Cemitério do mistério
 » Molecagens com o Marcos Muniz
 » Um raro retôrno
 » O menino na ponte
 » Au, au, miau, miau, miau.
 » Casamentos
 » A Ponte dos Desejos
 » Arquivo da memória
 » Homenagem A Uma Gaúcha
 » Primeiro de Maio
 » Parabens Nossa Senhora do Rosário!
 » O trem
 » Papai e Mamãe
 » Esperada Excursão
 » Excursão a Santos
 » Lembranças da “Curva”
 » Assim Surgiu “Caieiras”
 » E-mail de Mirna Machado
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Francisco J. V. freitas
 » E-mail de Mirna Machado
 » Salão dos Sonhos
 » Éramos Anjos
 » Um Dia de Pânico
 » Surpresa Sinistra
 » O Espetáculo
 » Uma Noite nas Alturas
 » O Paredão
 » Trilhos da Lembrança
 » Dez de Maio de 2002
 » Também sou Filho de Caieiras -Alceu Massaia
 » E-mail de Alceu Zerbinatti
 » Ilhas das Cobras - Parte 1
 » Ilha das Cobras - Parte 2
 » Ilha das Cobras - Parte 3
 » Peraltices
 » Fogo no Rabo
 » Mascarados
 » Que Aventura
 » O Menino da Serragem
 » O Céu, o Sol e o Lago... Que mais?
 » Apanhei Sim e Daí?
 » O Cucita Banana
 » Breve Retorno
 » Mundo Humano-animal
 » Gente Nossa
 » Rudi Satrapa
 » Esta homenagem fiz aos dois amigos aniversariantes José Polato e Altino Olimpio
 » Caieiras, Nosso Berço, Nossas Raízes
 » Caieiras, 46 anos de idade e outras décadas de história e recordações
 » Saudades da antiga Caieiras, mas feliz com o seu progresso
 » A arte de preservar a memória e a história
 » Imigrantes construíram a história
 » Serpa é localidade antiga da cidade
 » Paródia de músicas juninas
 » Homenagem ao seu aniversário
 » Padre Humberto ampara a comunidade
 » Fonte de fé na igreja Nossa Senhora
 » Igreja de Santo Antonio, 68 anos
 » Obreiros da vida eterna
 » Artistas da região pintam Caieiras
 » Nasce a primeira banda de Caieiras
 » Maestro iniciou a profissionalização
 » Destaques na carreira
 » Destaque para os regentes das bandas
 » Surge uma nova orquestra na cidade
 » Música acompanhava o progresso
 » Corporação Musical Melhoramentos
 » Tião viola
 » Caieirenses fazem sucesso na região
 » Curitiba presidiu o Clube da Fábrica
 » Basquete caieirense revela seu ícone
 » Atleta é colecionador de bicicletas
 » Símbolo do atletismo caieirense
 » Rudi Satrapa
 » Email enviado em 13/08/04 (Rudi Satrapa)
 » Não leia, é para os saudosos
 » Caieiras Vesgavisão apresenta
 » O Começo
 » O Dia em que enrosquei o saco
 » Estavam todas banhadas... ou todos fomos gatos...
 » Vivaldi Nani e o porre nos moleques
 » As bombas de xuxu
 » Cultura e zoologia
 » Ficou na saudade
 » Dicionário Caieirense
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes
 » Caieiras nosso berço, nossas raízes II
 » Caieiras, quem te viu, quem te vê, te ama e sabe porque !!!
 » De Volta ao passado II - Os apelidos
 » Homenagem de Marlene Sálvio a Caieiras
 » Esta é para o dia de São José
 » O trem que passou na minha vida!
 » O empreendorismo de Assis Fernandes
 » Caieiras que eu conheci

 

Voltar